A questão do cânone em Primo Levi

Josiane Rodrigues Neves

Resumo


Este artigo busca discutir o cânone nas obras Se questo è un uomo (1947) e
La tregua (1963), do escritor italiano Primo Levi (1919-1987), ex-detento de Auschwitz. Essas obras consagraram o escritor como um expoente dentre as narrativas de testemunho. Surgidas após fim da Segunda Guerra e da liberação dos campos de concentração nazistas, essas produções retratam o horror vivenciado pelos sobreviventes durante o confinamento no Lager. Estudiosos consideram as narrativas de Levi como cânones no que concerne ao evento da Shoah. Logo, partindo do conceito inicial de cânone -- relacionado ao termo de origem grega kánon -, pretende-se expor aqui algumas considerações sobre o tema, sobretudo em relação à sua formação na modernidade e na pós-modernidade. Visto que as obras em destaque são de teor testemunhal, são apresentadas também algumas considerações sobre a literatura de testemunho. Percebe-se que a obra de Levi recebeu num primeiro momento atenção de alguns críticos e escritores, mas permaneceu esquecida pelo grande público por pouco mais de uma década. Atualmente, as obras de Levi estão difundidas mundialmente e têm sido objeto de estudo em diversos campos das ciências humanas. A grandiosidade de seus livros deriva-se não somente por falar sobre o trauma ou por abordar questões identitárias do povo judeu, mas também por tratar de valores humanos universais.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.