Revista ECO-Pós

A Revista ECO-Pós está aberta a contribuições de pesquisadores da área da Comunicação e afins que estejam empenhados em compreender a vida social a partir da amplitude e da dinâmica do campo da comunicação, que vem alterando sensivelmente: as relações dos indivíduos com o espaço e o tempo; os regimes de verdade; a experiência social do real; as relações entre técnica, humanidade e cultura; os processos cognitivos e os fenômenos perceptivos; os rituais e práticas de rememoração; os regimes discursivos e os modos de subjetivação; a produção social de sentidos e as representações culturais; as configurações identitárias e os estilos de vida; as formas de sociabilidade; os modos de ativismo e participação política; os mecanismos de visibilidade, resistência e poder; as formas de comunidade e de solidariedade; as políticas públicas; os circuitos de produção, distribuição e consumo de bens culturais; as estruturas, os agentes e as regras de funcionamento do campo midiático; o estatuto da imagem; as transformações do espaço e da imagem públicos; as produções artísticas; as configurações estéticas; os sentidos do gosto; o culto, o popular, o massivo e outros sistemas de classificação cultural; os sensos estéticos, éticos e morais; os modos de regulação da vida social; as possibilidades de interações e agenciamentos políticos, afetivos e simbólicos produzidos por diferentes agentes e segmentos sociais; e os processos e fluxos que vêm permitindo a gestão da informação e do conhecimento. Em outras palavras, refletir sobre a complexa realidade atual implica na elaboração de interpretações que levem em conta as mudanças em curso e operem com os processos, tecnologias e circuitos comunicacionais que, cada vez mais, constituem-se nos alicerces do mundo contemporâneo.

Notícias

 

Chamada para o dossiê "Os estudos atorais"

 

Chamada para o dossiê "Os estudos atorais"

Car@s colegas 

Comunicamos a todos o adiamento do prazo de submissão para o dossiê Os estudos atorais.

A chamada permanecerá aberta até o dia 17 de março de 2019.

O dossiê será editado pelo Prof. Pedro Maciel Guimarães (Unicamp).

A submissão de artigos deve ser realizada na plataforma da revista:

https://revistas.ufrj.br/index.php/eco_pos/index

Para o dossiê, a Revista ECO-Pós aceita somente artigos de autoria de doutores ou em coautoria com doutores. Essa exigência não se aplica a seção Resenha.

ECO-Pós é avaliada como B1 no WebQualis da Capes.

Cordialmente,

Beatriz Jaguaribe

Liv Sovik

Julio Bezerra

 

22.1 - Os estudos atorais

O campo dos estudos atorais (acting studies) desenvolve-se dentro do grande campo da teoria e estética do cinema e dos film studies, principalmente a partir dos anos 1980, tendo como obra seminal Acting in the Cinema, de James Naremore. Tendo sido largamente influenciado pelas leituras e teorias das artes cênicas, propõe usar o ator de cinema como objeto legítimo de estudos e se associar a reflexões em torno da sociologia, dos star studies, dos estudos culturais e da teoria do cinema para pensar as implicações formais do trabalho do ator nos meios audiovisuais (cinema e televisão). Propõe-se fazer uma historiografia das formas de atuação e proceder a análises estéticas sobre o jogo atoral, a partir do paradigma de análise proposto por Naremore e desenvolvido mais tarde por Luc Moullet (La politique des acteurs), Christian Viviani, Alain Bergala e Christophe Damour, entre outros. Faz-se necessário também desenvolver o conceito de ator-autor, proposto por Patrick McGilligan em 1975 para outros objetos que não os contemplados por ele em sua análise : atores do campo do cinema industrial hollywoodiano e do cinema de gênero.

Parte-se do princípio que o corpo e a persona do ator entram na composição do processo criativo da obra audiovisual e determinam sua concepção de mise-en-scène, assim como as escolhas de enquadramento, de iluminação, de montagem e as posturas de escrita de roteiro. Pretende-se, portanto, inverter a metodologia das análises estéticas em torno de filmes e produtos de televisão, onde o ator é sempre acessório, e focar a discussão em torno de cinco eixos de análise :

- ator e personagem

- ator e realizador;

- ator e mise-en-scène;

- ator e técnica;

- ator e mídia.

Além desses cinco eixos de análise, são possíveis abordagens do dossiê:

- fazer uma historiografia das formas de interpretação para o cinema e para a TV e usar as mesmas marcas para tentar entender como o trabalho do ator se enquadra e varia de acordo com a evolução da forma dos filmes (o primeiro cinema, o silencioso, o período clássico, a ruptura modernista dos anos 1950, o cinema contemporâneo);

- quantificar e qualificar o jogo de atores segundo os estilos de programa gestual e de relações estabelecidas entre ator e seus colegas de cena e entre eles e o cineasta;

- aliar acting studies e star studies, como uma maneira de contribuir para estudar não apenas a estilística e a formação de estrelas no cinema internacional, mas também no caso de atores brasileiros;

- propor relações entre estudos teatrais e estudos cinematográficos, pelo viés da atuação;

- investigar a concepção de direção de atores segundo alguns cineastas como uma maneira de entender como realizadores criam, juntamente com os atores, uma estética e uma estilística e proporcionar um posicionamento político.

- ampliar a discussão para os estudos em torno do corpo no cinema, pela perspectiva das artes performativas, dos estudos culturais e do corpo cinemático (Shaviro).

Editor convidado: Pedro Maciel Guimarães (Unicamp)

Prazo para as submissões: 17 de março de 2019

 
Publicado: 2019-03-10 Mais...
 

Indexadores

 
A Revista ECO-Pós está indexada em diversas bases de artigos científicos nacionais e internacionais.  
Publicado: 2014-06-10 Mais...
 
Outras notícias...

v. 21, n. 3 (2018): Racismo


Capa da revista

PARAISO TROPICAL - Rosana Paulino
Impressão digital sobre papel, linoleogravura, ponta seca e colagem.
48,0 x 33,0 cm. 2017.