Políticas Editoriais

Foco e Escopo

Hoje, mais do que nunca, pensar o tempo presente implica a elaboração de análises que dêem conta, em alguma medida, da amplitude e dinâmica do campo da comunicação, que vem alterando sensivelmente: as relações dos indivíduos com o espaço e o tempo; os regimes de verdade; a experiência social do real; os processos de rememoração; as práticas discursivas e os modos de subjetivação; as configurações identitárias e os estilos de vida; as formas de sociabilidade e de socialização; os modos de ativismo e participação política; os mecanismos de visibilidade, resistência e poder; as políticas públicas; os circuitos de produção, distribuição e consumo; as transformações do espaço e da imagem públicos; a produção social de sentidos e as representações culturais; as produções artísticas; as configurações estéticas; as possibilidades de interações e agenciamentos afetivos e simbólicos produzidos por diferentes agentes e segmentos sociais; e os processos e fluxos que vêm permitindo a gestão da informação e do conhecimento. Em outras palavras, refletir sobre a complexa realidade atual implica na elaboração de interpretações que levem em conta as mudanças em curso e operem com os processos e circuitos comunicacionais que, cada vez mais, constituem-se nos alicerces do mundo atual.

 

Daí, a centralidade do campo da comunicação na cultura contemporânea. Esta é a designação generalista para a intrincada trama de dispositivos técnicos, representações sociais, fluxos informativos, espaços mentais ou configurações de consciência, que confluem para a constituição de novos estilos de vida que quotidianamente articulam-se e colocam-se em tensão com o capital transnacional e o mercado. A mídia, portanto, hipostasia essa forma, ensejando o desenvolvimento de uma tecnocultura que se impõe como superfície semiótica de um mundo globalizado e multicultural.

 

Para a compreensão do fenômeno, de pouco vale o apelo isolado às disciplinas tradicionais do pensamento social. A realidade, hoje, demanda com urgência um sistema de inteligibilidade afinado epistemológica e metodologicamente com a nova dinâmica sociocultural. De modo geral, é isto o que vem buscando, desde sua fundação, o Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura da Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (ECO/UFRJ).

 

Esta publicação, conseqüentemente, está aberta a contribuições de pesquisadores da área da Comunicação e afins, que estejam empenhados em compreender a vida social em sua dinâmica de transformação e passagem. A cada número, propomos um assunto central, a ser tratado na forma de um dossiê temático. Mas, como nosso perfil é generalista, também aceitamos textos sobre diversos assuntos, que podem ser publicados nas outras seções da revista. Ainda aceitamos resenhas de livros lançados há até um ano.

 

Políticas de Seção

Artigos

Política padrão de seção

Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Editorial

Esta seção traz um texto de apresentação de cada número da revista, assinado pelos editores.

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Dossiê

Figuram, nesta seção, os artigos que são pertinentes ao eixo temático previamente determinado para cada número da revista ECO-PÓS, que foram aprovados pelos editores e que foram recomendados pelos paraceristas para a publicação. Todas as submissões para o Dossiê devem respeitar o prazo da semestral chamada de trabalhos.

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Entrevista

Nesta seção, um pesquisador da área da Comunicação, destacado por sua contribuição para o eixo temático do Dossiê de cada número da revista ECO-PÓS, é entrevistado e responde a questões sobre sua trajetória acadêmico-intelectual.

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Perspectivas

Os artigos de temática livre, adequados à política editorial da ECO-PÓS, aprovados pelos editores e recomendos pelos pareceristas são publicados nesta seção. A submissão, aqui, portanto, é em fluxo contínuo. 

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Resenhas

Nesta seção, são publicadas resenhas sobre livros, de autoria individual ou coletânea, nacionais ou estrangeiros, pertinentes à área da Comunicação e lançados há até um ano, levando em conta a data da publicação do número da ECO-PÓS ao qual o texto for submetido. A avaliação caberá, somente, aos editores desta revista. A resenha não é avaliada por pares.

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Nota de Conjuntura

Nesta seção, um pesquisador convidado de reconhecida projeção acadêmica nacional e/ou internacional escreve um texto análitico sobre o impacto dos processos, práticas e produtos comunicacionais em diversas instâncias - cultural, econômica, política, estética, tecnológica - em determinado conjunto de acontecimentos da sociedade contemporânea.

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Expediente

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Resumos

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares

Portfólio

Não verificado Submissões abertas Verificado Indexado Não verificado Avaliado pelos pares
 

Processo de Avaliação pelos Pares

Os artigos exclusivamente submetidos pelo sistema digital a ECO-PÓS são avaliados previamente pelo editores da revista, que verificam se estão de acordo com as diretrizes da publicação. Em seguida, cada texto é enviado a dois pareceristas externos (avaliação cega/ peer review doble blind).

A escolha do parecerista ad hoc é feita de acordo com a temática do trabalho. São escolhidos profissionais de reconhecida competência no assunto tratado.

Os trabalhos são enviados para avaliação sem o nome e a filiação institucional do autor. O parecerista tem um prazo de30 dias para leitura e elaboração do parecer.

Na avaliação dos textos vários itens são considerados: redação (clareza na exposição das idéias, coerência, pertinência, relevância, inovação, rigor teórico-metodológico, revisão e atualização bibliográficas). Os pareceristas receberão um formulário para avaliação.

No formulário, além do espaço destinado para os comentários, cada parecerista pode recomendar a publicação do artigo sem modificação, sugerir modificações pontuais, solicitar modificações substantivas que envolvam reestruturação do texto, ou não recomendar a publicação.

Os pareceres são encaminhados aos autores, mas o anonimato do parecerista é garantido.

Os autores que tiverem a publicação recomendada com restrições têm um prazo de 15 dias para reformular seu texto conforme as recomendações do parecer. A publicação do artigo fica condicionada a uma avaliação final do texto, no qual os editores verificam se as exigências foram cumpridas.

É importante esclarecer que, na seleção final dos artigos, o conselho editorial da ECO-Pós observa os critérios da Capes, que exige que sejam publicados pelo menos 70% de artigos cujos autores sejam vinculados a pelo menos 4 instituições diferentes daquela que edita o periódico por volume, pelo menos 20% de artigos, por volume, com autores ou co-autores filiados a instituições estrangeiras e pelo menos 80% de autores doutores.

A avaliação de resenhas é realizado pelo próprio Conselho Editorial da ECO-Pós, que segue os mesmo critérios de avaliação dos artigos.

 

Política de Acesso Livre

Esta revista oferece acesso livre imediato ao seu conteúdo, seguindo o princípio de que disponibilizar gratuitamente o conhecimento científico ao público proporciona maior democratização mundial do conhecimento.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...

 

Próximos Números

19.3 - Cultura Pop

A partir do debate em torno da Cultura Pop como um maquinário atravessador de sentidos e sentires, processos, produtos e sistemas, a Revista ECO-Pós convida autores a submeterem artigos para o dossiê 19.3 que debatam, problematizem, tensionem o que se convencionou chamar de Cultura Pop. Os textos devem trazer contribuições teórico-metodológicas, espraiamentos conceituais, bem como investigações sobre produtos e processos ligados às formas culturais do pop. Busca-se compreender as particularidades expressivas de corpos, produtos e performances que encenam modos de viver, habitar, afetar e estar no mundo numa certa retórica transnacional, a partir de ideias de modernidade, cosmopolitismo e deslocamento. A Cultura Pop estabelece formas de produção e consumo que permeiam um senso de pertencimento e partilha, gerando não menos dissenso, exclusão, adequações e domesticações. Criação dentro de padrões das indústrias midiáticas; estéticas geradas sob aparato do capitalismo (tardio, financeiro, cognitivo, etc); políticas do consumo transnacional e globalizante; bem como atravessamentos de raça, gênero, geração, classe social, faixa etária, entre outros marcadores, estão entre “chaves” possíveis de abordagens. Pensar a Cultura Pop significa debater as estéticas do entretenimento, ou seja, expressões conectadas às ideias de lazer, diversão, frivolidade, superficialidade. A investigação de carreiras artísticas, celebridades, bem como rituais, movimentos sociais e ativistas em torno de produtos e corpos do pop desenvolvem um quadro complexo, ambíguo e intencionalmente contraditório. O debate em torno de valores e valências, legitimação, autenticidade, sinceridade, entre outros aspectos, apontam possíveis rotas de discussão.

Editor Convidado: Thiago Soares (UFPE)

Prazo: 19 de agosto de 2016

 

Indexadores

A Revista ECO-Pós está indexada em diversas bases de artigos científicos nacionais e internacionais. São as seguintes:

Latindex - Sistema Regional de Información en Línea para Revistas Científicas de América Latina, el Caribe, España y Portugal

http://www.latindex.unam.mx/buscador/ficRev.html?opcion=1&folio=22841

Sumários -Sumário de Revistas Brasileiras

http://www.sumarios.org/revistas/revista-eco-p%C3%B3s

UIFactor - Universal Impact Factor

http://www.uifactor.org/JournalDetails.aspx?jid=2841

IBICT/SEER - Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas

http://seer.ibict.br/index.php?option=com_mtree&task=viewlink&link_id=2755&Itemid=109

Diadorim -Diretório de de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras

http://http://diadorim.ibict.br/handle/1/644

Portal de Periódicos da Capes

http://www.periodicos.capes.gov.br/

 

Política de Ética

Princípios éticos e boas práticas

Este periódico tem um compromisso com a ética e a qualidade das publicações. Defendemos um comportamento ético de todas as partes envolvidas na publicação em nosso periódico: autores, editores e pareceristas. Não aceitamos plágio ou qualquer outro comportamento antiético.

Deveres do Editor:

Decisão de publicação: o editor é responsável por decidir quais artigos submetidos à revista devem ser publicados. O editor é guiado pelas políticas decididas pelo Conselho Editorial e pelo Comitê Científico. Essas políticas devem obedecer às exigências legais em vigor sobre difamação, violação de direitos autorais e plágio. Para tomada de decisões o editor pode consultar o Comitê Científico e o Conselho Editorial.

Transparência e respeito: o editor deve avaliar os manuscritos submetidos sem levar em conta a raça, sexo, a orientação sexual, a crença religiosa, a origem étnica, a nacionalidade ou a filosofia política dos autores.

Confidencialidade: o editor e demais membros da equipe editorial não devem divulgar qualquer informação sobre um manuscrito submetido, a não ser aos pareceristas e os conselheiros editoriais.

Divulgação e conflitos de interesse: O editor não deve utilizar materiais inéditos divulgados em um manuscrito submetido em pesquisas próprias sem o consentimento expresso e por escrito do autor. O editor deve recusar avaliar os manuscritos em que tenha conflitos de interesse por questões competitivas, colaborativas ou outros relacionamentos ou ligações com qualquer um dos autores, empresas ou (possivelmente) instituições ligadas aos manuscritos.

 

Envolvimento e cooperação em investigações: o editor deve tomar medidas necessárias cabíveis quando foram apresentadas reclamações éticas a respeito de um manuscrito submetido ou artigo publicado.

Deveres dos Pareceristas:

Contribuição para as decisões editoriais: a revisão dos pareceristas auxilia o editor na tomada de decisões editoriais e por meio das comunicações com o autor também pode auxiliar o mesmo na melhora do artigo. 

Pontualidade: qualquer avaliador de artigo que não se sinta qualificado para analisar o artigo ou sabe que a sua imediata leitura será impossível deve notificar imediatamente o editor.

 

Confidencialidade: os trabalhos recebidos para análise devem ser tratados como documentos confidenciais. Eles não devem ser mostrados ou discutidos com os outros.

Padrões de objetividade: os pareceres devem ser conduzidos de forma objetiva. Os pareceristas devem expressar seus pontos de vista de maneira clara e apoiados em argumentos.

Sobre as fontes: os pareceristas devem identificar trabalhos publicados relevantes que não foram citados pelos autores. O parecerista deve chamar a atenção do editor sobre qualquer semelhança substancial ou sobreposição entre o manuscrito em questão e qualquer outro artigo publicado de que tenha conhecimento pessoal.

Divulgação e conflito de interesses: informações privilegiadas ou ideias obtidas pelo parecerista por meio da leitura dos manuscritos devem ser mantidas em sigilo e não devem utilizadas para proveito pessoal. O parecerista não deve avaliar manuscritos em que tenha conflitos de interesse por questões competitivas, colaborativas ou outros relacionamentos ou ligações com qualquer um dos autores, empresas ou instituições ligadas aos manuscritos.

Deveres dos Autores:

Normas gerais: os autores de trabalhos que se referem a pesquisas originais devem apresentar um relato preciso do trabalho realizado, bem como uma discussão objetiva sobre o seu significado. Dados complementares devem ser representados com precisão no artigo. O documento deve conter detalhes suficientes e referências que permitam que outros possam replicar o trabalho. Declarações fraudulentas ou intencionalmente imprecisas constituem um comportamento antiético e são inaceitáveis.

Originalidade e plágio: os autores devem garantir que as obras são inteiramente originais e se eles utilizam o trabalho e/ou textos dos outros que isso seja devidamente citado. Plágio em todas as suas formas constitui um comportamento editorial antiético e é inaceitável.

Publicação múltipla, redundante e simultânea: um autor não deve publicar manuscritos que descrevam essencialmente a mesma pesquisa em mais de um periódico. Enviar o mesmo manuscrito para mais de uma revista ao mesmo tempo e/ou publicar o mesmo artigo em mais de um periódico constitui um comportamento editorial antiético e é inaceitável.

Sobre as fontes: o trabalho de outros autores deve sempre ser reconhecido. Os autores devem citar as publicações que foram importantes na determinação da natureza do trabalho relatado. As informações obtidas em particular, como em uma conversa, correspondência, ou discussão com terceiros, não devem ser utilizadas ou relatadas sem a permissão explícita por escrito da fonte. As informações obtidas por meio de serviços confidenciais, tais como arbitragem manuscritos ou pedidos de bolsas, não devem ser utilizadas sem a permissão explícita por escrito do autor do trabalho envolvido nestes serviços.

Autoria: a autoria do trabalho deve ser restrita àqueles que fizeram uma contribuição significativa para a concepção, projeto, execução ou interpretação do estudo relatado. Todos aqueles que fizeram contribuições significativas devem ser listados como coautores. Pessoas que participaram em certos aspectos do projeto de pesquisa devem ser listadas como colaboradores. O autor principal deve garantir que todos os coautores apropriados estejam incluídos no artigo. O autor principal também deve certificar-se que todos os coautores viram e aprovaram a versão final do manuscrito e que concordaram com sua submissão para publicação.

Divulgação e conflitos de interesses: todos os autores devem divulgar no manuscrito qualquer conflito financeiro ou de outra natureza que possa influenciar os resultados ou a interpretação de seu manuscrito. Todas as fontes de apoio financeiro para o projeto devem ser divulgadas. 

Erros fundamentais em trabalhos publicados: quando um autor descobre um erro significativo ou imprecisão em seu trabalho publicado é obrigação do autor informar imediatamente o editor da revista ou a Editoria de Periódicos e cooperar com o editor para corrigir o artigo.