Do fait divers ao biografema

Luis Felipe Silveira Abreu, André Corrêa da Silva de Araujo, Alexandre Rocha da Silva

Resumo


Esse artigo propõe uma teoria sobre a escrita biográfica tendo por base o trabalho de Roland Barthes. Partindo de uma revisão da obra do semiólogo francês, identificamos um percurso crítico que articula os conceitos de fait divers, efeito de real, punctum e biografema na tentativa de resolver o problema da escrita realista e da apreensão do sujeito pelo Texto. Através do artifício da escritura, torna-se possível realizar uma dobra no problema “De que forma é possível escrever uma vida?”. Com Barthes, a questão torna-se “Que vida é possível ver por meio do Texto?”.


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Laura Paste de. Sobre contar uma vida: imagens e fragmentos de histórias de subjetivações em estado de pause na contemporaneidade. 2011. 132 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia Institucional) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Institucional, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2011. Disponível em: . Acesso em 8 jul. 2015.

BARTHES, Roland. A câmara clara. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

________________. Crítica e verdade. São Paulo: Perspectiva. 2007.

________________. Introdução à análise estrutural da narrativa. In: BARTHES, Roland et al (Org.). Análise estrutural da narrativa. Petrópolis: Vozes, 1976. p. 19-61.

________________. O prazer do texto. São Paulo: Perspectiva, 2010.

________________. O rumor da língua. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

________________. Roland Barthes por Roland Barthes. São Paulo: Estação Liberdade, 2003.

________________. S/Z. Oxford: Blackwell Publishing, 2002.

________________. Sade, Fourier, Loyola. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

COSTA, Luciano Bedin da. 2010. 180 f. Biografema como estratégia biográfica: escrevendo uma vida com Nietzsche, Deleuze, Barthes e Henry Miller. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010.

Disponível em: < http://hdl.handle.net/10183/27673>. Acesso em 9 jul. 2015.

DION, Sylvie. O fait divers como gênero narrativo. Revista Letras (UFSM), v. 34, p. 123-131, 2007.

FEIL, Gabriel Sausen. O simulacro e o biografema - de A a Z. In: CORAZZA, Sandra Mara (Org.) Fantasias de escritura: filosofia, educação, literatura. Porto Alegre: Sulina, 2010. p. 79-91.

FLAUBERT, Gustave. Três contos. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

FOUCAULT, Michel. Os assassinatos que se conta. In. FOUCAULT, Michel (Org.). Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão... Um caso de parricídio do século XIX apresentado por Michel Foucault. Rio de Janeiro: Graal, 1977. p. 211-221.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. Lição de casa. In: BARTHES, Roland. Aula: aula inaugural da cadeira de semiologia literária do colégio de França. São Paulo: Cultrix, 1998. p. 49-89.

______________________. Roland Barthes. São Paulo: Brasiliense. 1983.

RANCIÈRE, Jacques. O efeito de realidade e a política da ficção. Novos estudos - CEBRAP, São Paulo , n. 86, mar. 2010 . Disponível em . Acesso em 10 jul. 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.29146/eco-pos.v20i3.2399

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.