A star is dead: Kim Novak, Vertigo e a autocrítica do star system hollywoodiano

Luiz Carlos Oliveira Jr.

Resumo


O artigo analisa Vertigo (1958), de Alfred Hitchcock, do ponto de vista do star system hollywoodiano e das relações de força que produtores e diretores estabelecem com as estrelas da indústria cinematográfica. Faz-se uma genealogia da personagem de Kim Novak em Vertigo, cujo enredo é encarado como uma reflexão crítica sobre o modo como Hollywood fabrica suas estrelas e conquista seus espectadores. Filmes que prolongam as discussões presentes em Vertigo, como A lenda de Lylah Clare (Robert Aldrich, 1968) e The Blackout (Abel Ferrara, 1997), também serão discutidos com base na noção de estrelato e da relação pigmaliônica travada pelos cineastas com as stars femininas.


Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.29146/eco-pos.v22i1.26392

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.