Labirinto Concei(Tex)tual em Cosmococas: Fluxus e Jack Smith

Natasha Marzliak, Gilberto Alexandre Sobrinho

Resumo


Esse artigo busca aproximar os conceitos e as práticas presentes no quase-cinema "Cosmococas - programa in progress", de Hélio Oiticica e Neville D’Almeida, com algumas referências do contexto artístico e cinematográfico novaiorquino em que foi produzida. As experimentações audiovisuais e de instalação dos anos 1960/1970, como os eventos cinemáticos underground do grupo Fluxus e do cineasta Jack Smith, impulsionaram a produção de Hélio Oiticica, permitindo traçar afinidades entre eles. Uma vez que as "Cosmococas" possuem outras referências, formando uma constelação de conhecimentos plurais e atemporais, as relações aqui traçadas não tem interesse em elaborar um jogo de “causa e efeito”, mas em articular um aprofundamento da noção de quase-cinemas. Finalmente, para efetividade da discussão, haverá uma descrição das obras que compõem  "Cosmococas" em seus aspectos formais e estéticos, a partir dos textos de Oiticica escritos na década de 1970.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29146/eco-pos.v20i3.3270

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.