Das mediações às latências: Etnocentrismo e poder na apropriação de Jogos Vorazes no Brasil

Julherme José Pires, Alberto Efendy Maldonado Gómez de la Torre

Resumo


A problemática do sujeito em processos de comunicação está cada vez mais complexa para a compreensão do campo científico. Este artigo tem por objetivo problematizar uma experiência transdisciplinar de pesquisa, que encontrou na articulação entre os conceitos de mediação, de Jesús Martín-Barbero, e de latência, de Hans Ulrich Gumbrecht, uma fonte metodológica fecunda. Notamos, em campo, que os sujeitos atribuem sentidos da narrativa a terceiros, espaços e tempos imaginados que se realocam diante de suas próprias experiências de vida. Essas relações dão a ver mediações presentes no processo comunicativo e latências que permanecem ocultas, mas que formulam concepções e modos de vida. Nossa abordagem se dá partir da presença da série transmidiática Jogos Vorazes no Brasil, um caso exemplar de como narrativas nortenhas constrangem outras culturas, num espectro de etnocentrismo.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.29146/eco-pos.v20i3.3481

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.