Políticas Editoriais

Foco e Escopo

A revista científica eletrônica Memórias Indígenas busca estabelecer um espaço de diálogo e reflexão a partir da visibilidade de narrativas silenciadas sobre os povos indígenas na formação do Brasil. Privilegiando o aspecto biográfico, a revista pretende constituir um espaço de aprofundamento acerca da participação indígena na história nacional e na contemporaneidade, bem como fornecer subsídios importantes para a compreensão de como povos e comunidades indígenas chegaram a sua situação atual, recuperando lutas de personagens que foram decisivos para a definição de suas terras, seus direitos, suas línguas, identidades e projetos de futuro. 

Busca-se, através da análise de trajetórias exemplares, explicitar os múltiplos trânsitos, as alianças e as contribuições desses atores sociais para construção dos seus povos, suas agendas reivindicatórias atuais e para as múltiplas formações nacionais. Embora privilegie-se biografias e trajetórias pessoais, a revista Memórias Indígenas estimula a articulação de ditas trajetórias como processos históricos mais amplos, visando, portanto, diálogos com os países circunvizinhos e estudos comparativos com outros lugares do globo. Espera-se com essas aproximações possibilitar ao leitor a compreensão dos processos transversais de gestão e subordinação das populações autóctones empreendidos pelas potências mundiais, sobretudo, a partir do processo colonial que engendrou novas nações nas Américas e em áreas distantes como o continente africano e a Oceania.

 

Políticas de Seção

Dossiê Temático

Editores
  • Bianca Freire de Castro França
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Artigos

Política padrão de seção

Editores
  • Bianca Freire de Castro França
  • Rita de Cássia Melo Santos
  • João Oliveira
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Documenta

Editores
  • Bianca Freire de Castro França
  • Rita de Cássia Melo Santos
  • João Oliveira
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Entrevistas

Editores
  • Bianca Freire de Castro França
  • Rita de Cássia Melo Santos
  • João Oliveira
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Depoimentos

Editores
  • Bianca Freire de Castro França
  • Rita de Cássia Melo Santos
  • João Oliveira
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Traduções

Editores
  • Bianca Freire de Castro França
  • Rita de Cássia Melo Santos
  • João Oliveira
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Resenhas

Editores
  • Bianca Freire de Castro França
  • Rita de Cássia Melo Santos
  • João Oliveira
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Estudos/ Relatos de caso

Editores
  • Bianca Freire de Castro França
  • Rita de Cássia Melo Santos
  • João Oliveira
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares

Projetos de pesquisa em andamento

Editores
  • Bianca Freire de Castro França
  • Rita de Cássia Melo Santos
  • João Oliveira
Verificado Submissões abertas Verificado Indexado Verificado Avaliado pelos pares
 

Periodicidade

Semestral. Os númerios serão publicados em abril e outubro de cada ano.

 

Arquivamento

Esta revista utiliza o sistema LOCKSS para criar um sistema de arquivo distribuído entre as bibliotecas participantes e permite às mesmas criar arquivos permanentes da revista para a preservação e restauração. Saiba mais...

 

Chamada de Artigos

Dossiê "Populações indígenas e produção de conhecimento científico"

Organizadores: Rita de Cássia Melo Santos (UFPB) e Magali Romero Sá (Fiocruz) 


O reconhecimento da importância das populações autóctones para a produção do conhecimento científico só muito recentemente vem sendo discutido no âmbito da ciência e, ainda assim, com mais ênfase nos domínios das ciências humanas. A ideia de source communities e trabalhos colaborativos tem encontrado nos espaços museais um terreno fértil para reclassificação de coleções, sobretudo etnográficas; e, consequentemente, para construção de novos sentidos e significados para o trabalho conjunto com essas populações. No âmbito da História, são cada vez mais frequentes os estudos sobre os colaboradores locais, geralmente indígenas, eclipsados pelas narrativas de viajantes e de cientistas, embora fundamentais para a consecução de seus objetivos. De modo geral, podemos afirmar que esses processos têm sido conduzidos com bastante abrangência e ganho cada vez mais destaque. Sabendo que há no campo da História da Ciência brasileira uma vasta discussão acumulada sobre a importância dos Museus, Institutos Históricos, Clubes de Engenharia e Faculdades de Medicina para a produção da ciência não apenas na área das humanidades, mas, também, nos domínios das Ciências aplicadas, da História Natural e de seus desdobramentos, convidamos os pesquisadores desse simpósio a se debruçarem sobre um grave problema - a omissão sistemática da participação autóctone na construção do conhecimento científico. Para isso, elegemos o inventário de fontes, a trajetória de vida, a biografia e a análise de redes colaborativas como modos narrativos privilegiados para falar da contribuição de populações autóctones tanto para o domínio das humanidades quanto das ciências duras. Urge romper com o lugar subalternizado reservado a essas populações, quase sempre narrado unicamente a partir de suas ocupações como guias, mateiros, carregadores, caçadores, entre outros. Sabemos, pelo estudo de trajetórias como as de Alexandre Rodrigues Ferreira, Maximilian zu Wied-Neuwied, Edgar Roquette-Pinto, entre outros, que integrantes dessas populações foram responsáveis por trabalhos como o de taxidermista, desenhista, coletor etc., sendo, muitas vezes, os responsáveis pela formação prévia de coleções (e sua qualificação), antes mesmo da chegada dos reconhecidos homens de ciência a campo. Esperamos que os trabalhos apresentados nesse simpósio possam vir a contribuir com a ampliação desse campo de investigação, demonstrando a rica experiência colaborativa estabelecida entre populações autóctones e o fazer científico.

 

Prazo de Submissão: Setembro a Dezembro de 2020 

Previsão de publicação: Abril de 2021