Paisagem, morte e controle social: o valongo e o cemitério dos pretos novos no contexto escravocrata do Rio de Janeiro nos séculos XVIII e XIX

Andrea Lessa, Reinaldo Bernardes Tavares, Claudia Rodrigues Carvalho

Resumo


Paisagens, inseridas em contextos culturais
específi cos, assumem o caráter de
fenômeno social cujos signifi cados
atribuídos pelo homem podem ser
interpretados através dos estudos
arqueológicos. Uma representação plena
da paisagem, antiga ou atual, no entanto, é
tarefa impossível, uma vez que seu impacto
sensorial sobre os indivíduos é único e
subjetivo. O espaço é entendido e vivido
de forma diferente pelos distintos grupos
sociais que interagem em um mesmo
contexto espacial e cronológico. Partindo
dessa perspectiva, será apresentada a
paisagem da região do Valongo no contexto
do complexo escravista do Rio de Janeiro
nos séculos XVIII e XIX, discutindo-se
seu papel enquanto lugar carregado de
signifi cados de opressão e violência. As
narrativas sobre as indignidades praticadas
no Cemitério dos Pretos Novos serão
revisitadas à luz do controle social exercido
sobre os cativos africanos, a partir de novos
dados arqueológicos e bioarqueológicos.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.