Chamada para submissão de artigos no dossiê "Língua(gem), discurso e educação: os desafios diante dos recentes movimentos da política educacional brasileira" dezembro/2021

"O Brasil é um país de dimensões continentais. A maior parte das suas fronteiras é com países onde a língua espanhola é predominante, com uma porção pequena de países com outras línguas oficiais como o inglês (na Guiana); o holandês (no Suriname) e o francês (na Guiana Francesa). Nesse sentido, há um
imaginário de que o Brasil é um país monolíngue, em que a língua portuguesa, distinta da língua portuguesa de Portugal, é a única língua falada no Brasil, ignorando, a LIBRAS (Língua Brasileira de Sinais) e as 250 línguas indígenas; além das línguas de imigração e de herança que são/foram trazidas para o Brasil e aqui se alocaram
e significam em diversas regiões diferentes.
Dessa forma, vemos políticas educacionais que, baseando-se amplamente em argumentos instrumentais, apelam para a importância de que os estudantes tenham “opções de escolha” (BNCC, 2018, p. 477) – daí os itinerários formativos. Uma viagem que, para ser ofertada, “deve considerar a realidade local, os anseios da comunidade escolar e os recursos físicos, materiais e humanos das redes e instituições escolares” (BNCC, 2018, p. 478) e que pode ter 5 destinos: a) linguagens e suas tecnologias; b) matemática e suas tecnologias; c) ciências da natureza e suas tecnologias; d) Ciências humanas e sociais aplicadas e e) formação técnica e profissional. Uma segmentação ligada à divisão social. Nos termos marxistas de Michel Pêcheux ([1975]2014, p. 82), a leitura é a de que “o fato de as classes não serem “indiferentes” à língua se traduz pelo fato de que todo processo discursivo se inscreve numa relação ideológica de classes”.
 
O objetivo deste dossiê temático é contribuir com o debate sobre o ensino da língua(gem) a partir dos efeitos de sentido presentes na textualidade dos recentes movimentos da política educacional brasileira que dariam conta de substituir “o modelo único de currículo do Ensino Médio por um modelo diversificado e flexível” (BNCC, 2018, p. 475).
 
Aceitaremos artigos entre 25/09/2021 e 10/12/2021.
 
O dossiê comporá a edição de set./dez. 2021. Artigos enviados após o prazo serão considerados como submissões de fluxo contínuo.
 
Aproveitamos a oportunidade para comunicar que, concomitantemente aos artigos para o dossiê, aceitaremos artigos sobre outros temas em fluxo contínuo, como fazemos habitualmente. Desde agosto deste ano, adotamos uma seção de artigos variados que correspondem ao escopo da revista (seção "Artigos"); e uma temática, cujos textos serão selecionados por organizadores convidados (seção "Dossiê").
O número de artigos na seção "Dossiê" é limitado a dez. Caso algum seja aprovado pelos pareceristas e ultrapasse esse número, será mantido em lista de espera e publicado na seção "Artigos" do número seguinte.
 
Link para submissão e mais informações: https://revistas.ufrj.br/index.php/policromias