Sleep quality and quality of life in patients with epilepsy in a public teaching hospital in Rio de Janeiro, Brazil

Gisele S. M. Leite Neves, Rosângela Aparecida Noé, Marleide da Mota Gomes

Resumo


O principal objetivo deste trabalho foi estimar a prevalência dos “maus dormidores”, correlacionar a “qualidade do sono” com a qualidade de vida e estudar os fatores de risco para “qualidade do sono” em 98 pacientes adultos não selecionados com epilepsia em
um estudo transversal realizado em um hospital público de ensino. Eles responderam/foram avaliados: questões clínicas e sociodemográficas, Índice de Pittsburg de Qualidade de Sono, Inventários de Beck de depressão e ansiedade e Questionário de Qualidade de Vida SF-36. Foram encontradas alta taxa de “maus dormidores”; diferença estatisticamente significativa entre “qualidade do sono” e idade, sintomas de depressão e ansiedade, além de três conceitos do SF-36 (papel físico, vitalidade e saúde mental). Após análise por regressão linear múltipla, encontrou-se que a vitalidade e a ansiedade, além da saúde mental, foram preditores de baixa qualidade de vida nos “maus dormidores”. No entanto, não houve qualquer diferença estatisticamente
significativa em relação à frequência de crises, nem número de drogas antiepilépticas. Consequentemente, fatores de risco para baixa “qualidade do sono” têm de ser controlados.


Palavras-chave


Epilepsia, ansiedade, depressão, transtornos do sono, qualidade de vida.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.46979/rbn.v51i2.3098

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.