Metodologia para previsão da vida útil de âncoras refratárias aplicadas em fornos de reaquecimento

Gilmar Soares Soares Alves, Alamar Kasan Duarte, Vanessa de Freitas Cunha Lins, Danilson Gonçalves de Melo Silva

Resumo


O uso da técnica de ultrassom na avaliação, seleção e classificação de âncoras cerâmicas aplicadas em teto e paredes de fornos de reaquecimento permite identificar os seus principais defeitos e também determinar a sua resistência ao choque térmico em função da alteração do módulo de elasticidade com o número de ciclos térmicos aplicados ao material. A resistência ao dano por choque térmico típica de âncoras novas que cumprem todas as especificações técnicas é de aproximadamente 29 ciclos, sendo que estes materiais possuem um histórico de vida média de 15 anos para as paredes e de 10 anos para o teto. A degradação do módulo de elasticidade e da resistência ao dano por choque térmico destas peças ao longo de sua vida permite estimar a expectativa de vida útil do revestimento refratário montado com estes materiais. Com estes resultados, pode-se comparar a “idade real”, identificada por esta metodologia, com a “idade cronológica” que considera o tempo de operação do revestimento refratário. Pode-se ainda, como consequência, estimar o tempo para a falha destas peças refratárias, melhorar o planejamento das paradas destes fornos para manutenção e evitar paradas não programadas, o que causaria perda de produção e prejuízos para as empresas.

Palavras-chave: Âncoras cerâmicas, revestimento refratário, fornos de reaquecimento e ensaio de ultrassom.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.