Avaliação dos módulos de elasticidade estático e dinâmico de concretos produzidos com agregados reciclados oriundos de resíduos de pré-fabricados de concreto

Victor Estolano, Stela Fucale, José Orlando Vieira Filho, Diego Gabriel, Yuri Alencar

Resumo


 

 

 A utilização de agregados reciclados em concretos pode trazer benefícios sociais e ambientais para a socie-dade. Em uma indústria de pré-fabricados de concretos, os resíduos provenientes da produção contêm um alto potencial para reciclagem, entretanto tal viabilização depende da realização de ensaios com a finalidade de conhecer suas características físicas e mecânicas. Uma das propriedades afetadas é o módulo de elastici-dade, que tende a decrescer com a substituição de agregados naturais pelos agregados reciclados de concretos (ARC). Este trabalho tem os seguintes objetivos: comparar os resultados do módulo de elasticidade do con-creto por dois métodos diferentes: o módulo de elasticidade estático (MEE), obtido por rompimento de cor-pos de prova por compressão, e o módulo de elasticidade dinâmico (MED), realizado por meio de um apare-lho de ultrassom para uso específico em concreto; analisar a influência da substituição de agregado natural pelo ARC nos valores de MEE, MED, resistência à compressão simples, absorção, índice de vazios e massa específica; e verificar a existência de correlações entre os módulos de elasticidade e as propriedades do con-creto, auxiliando na compreensão do comportamento do módulo de elasticidade. O ARC foi obtido após um beneficiamento de resíduos de concreto de uma indústria de pré-fabricados, resultando em agregados recicla-dos de três dimensões diferentes: 2,4 mm, 4,8 mm e 6,3 mm. Os agregados reciclados apresentaram valores maiores de absorção de água e material pulverulento e menor massa específica em comparação com os agre-gados naturais. As substituições foram realizadas em concretos de referência (C-ref) produzidos cotidiana-mente pela indústria: no concreto C1-ref, de consistência fluída, e no concreto C2-ref, de consistência seca. Foram produzidos concretos a partir da substituição da fração miúda dos agregados naturais pelos agregados reciclados em porcentagens de 30% e 50% no concreto C1-ref, nomeados respectivamente de C1-30 e C1-50, e a partir da substituição de 100% da parte miúda e graúda no concreto C2-ref, nomeado de C2-100. Corpos de prova cilíndricos foram moldados e foram realizados ensaios de MEE, MED, resistência à compressão simples (RCS) e absorção, determinando-se também o índice de vazios e a massa específica seca dos concre-tos. A intensidade das correlações foi analisada pela comparação entre os coeficientes de correlação (R) e determinação (R²). Os resultados de MEE e MED ficaram próximos entre si, as razões entre o MEE e o MED variaram entre 0,86 e 1,04, e foi foi determinada uma correlação entre os valores dos dois métodos, com R² = 0,9821. Os resultados mostraram uma queda de ambos os módulos de elasticidade dos concretos (MEE e MED) à proporção da percentagem de agregados miúdos reciclados (AMR). O concreto C2-100 obteve uma queda significativa de seu módulo de elasticidade, chegando a uma diminuição de 35% do valor no MEE. A resistência à compressão simples não se mostrou afetada pela incorporação de agregados reciclados, e também não obteve uma boa correlação com os módulos de elasticidade. Foram obtidas fortes correlações entre os módulos de elasticidade e algumas propriedades, com coeficientes de determinação (R²) maiores que 0,90. Conclui-se que ambos os métodos para obtenção do módulo de elasticidade podem representam resul-tados representativos. O módulo de elasticidade mostrou-se uma propriedade tão afetada pelas características dos agregados reciclados quanto a absorção e a massa específica.

Palavras-chave: Agregado reciclado de concreto, concreto, módulo de elasticidade.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.