Avanço das pesquisas envolvendo Aspergillus niger e bagaço da cana-de-açúcar como fonte de carbono visando à produção de celulases: Uma análise bibliométrica

Thais Caliman Catelan Caliman Catelan, Laura Marina Pinotti

Resumo


Uma variedade de estudos tem sido realizados com o intuito de produzir celulases de baixo custo para serem
utilizadas na produção de álcool de segunda geração (2G) a partir de resíduos lignocelulósicos. Dentre eles
destaca-se o uso de bagaço de cana-de-açúcar como fonte de carbono para o crescimento dos microrganismos.
Baseado nisso, este artigo teve como objetivo realizar uma revisão bibliométrica sobre o uso do Aspergillus
niger empregando como fonte de carbono o bagaço de cana-de-açúcar, pretendendo a produção de celulase,
através do estudo dos avanços científicos e tecnológicos sobre os temas. Para efetuar a revisão, recorreu-se ao
banco de dados Web of Science, inserindo-se quatro palavras-chave: “Aspergillus niger”, “cellulase”, “cane”
e “submerged” entre os anos de 1945 e 2018. A partir desta pesquisa, foi possível apontar os autores, periódicos
e grupos de pesquisas mais importantes neste assunto. Identificou-se um aumento do número de publicações
ao longo dos anos por diversos países, revelando o interesse pela produção de celulases de menor custo
para geração de álcool 2G. O Brasil foi o país com o maior número de publicações sobre o tema, devido a
grande capacidade de plantio de cana-de-açúcar e produção de álcool. Pela análise das redes de co-citação
dos autores verificou-se a existência de uma relação dos grupos de pesquisa no Brasil, entre as cidades de
Campinas, São Paulo e Curitiba e outra associação na Dinamarca, entre as cidades de Lyngby e Copenhagen.
Palavras-chave: Bibliometria, Etanol 2G, Resíduos lignocelulósicos.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.