A democracia entre guerra e paz: o riso amargo de Aristófanes

Fernanda Yazbek Rivitti

Resumo


Este artigo visa desenvolver um estudo comparativo entre duas comédias aristofânicas, Os Acarnenses e Os Cavaleiros, trazendo à luz a construção do pensamento crítico de Aristófanes acerca da democracia ateniense de seu tempo. A análise dos textos centra-se na convergência de ambos enquanto reveladores de contradições inerentes às práticas democráticas atenienses em tempos de guerra. Problematiza-se de forma complementar a dicotomia público/privado, em Os Acarnenses, e a relação entre o povo e seus governantes, em Os Cavaleiros. O diálogo entre ambos os textos é explorado não só na sátira amarga de Aristófanes, mas na solução única que deles emerge para um tempo de guerra e um sistema político em crise: a consumação da paz.


Palavras-chave


Aristófanes; comédia; democracia; Acarnenses; Cavaleiros.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.25187/codex.v1i2.2835

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2009 Fernanda Yazbek Rivitti

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.