A caracterização das Danaides nas "Suplicantes" de Ésquilo

Beatriz de Paoli

Resumo


As "Suplicantes", de Ésquilo, tragédia representada em torno de 463 a.C., narra a história das cinquenta filhas de Dânao, que,fugindo de sua pátria, o Egito, chegam a Argos, terra de sua ancestral Io, buscando asilo e proteção. As jovens chegam fugindo de seus primos, os Egipcíades, que pretendem desposá-las à força. O objetivo deste artigo é discorrer sobre alguns aspectos da caracterização das Danaides nessa tragédia esquiliana, tendo como fio condutor o par de opostos gregos-bárbaros e procurando observar em que medida essa caracterização cria aquilo que Hartog (1980) denomina de “efeito de alteridade” e esse “efeito de alteridade” está a serviço de uma representação majoritariamente pejorativa dos bárbaros.


Palavras-chave


tragédia grega; Ésquilo; Suplicantes; caracterização; alteridade

Texto completo:

PDF

Referências


Fontes primárias:

AESCHYLUS. The Suppliants. Edited by H. Friis Johansen and E. W. Whittle. 3 vol. Copenhagen: Gyldendal, 1980, vol. 1: Bibliography, Introduction, Text, Apparatus, 120 pp.; vol. 2: Commentary 1-629, 517 pp.; vol. 3: Commentary 630-1073, Indices, 480 pp.

ÉSQUILO. As Suplicantes. Prefácio, introdução, tradução e notas de Ana Paula Quintela Ferreira Sottomayor. Coimbra: Instituto de Estudos Clássicos, 1968.

ÉSQUILO. Oresteia. Estudo e tradução de Jaa Torrano. 3 vol. São Paulo: Iluminuras / FAPESP, 2004.

ÉSQUILO. Tragédias: Os Persas, Os Sete contra Tebas, As Suplicantes, Prometeu Cadeeiro. Estudo e tradução de Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 2009.

HERÓDOTO. História. Tradução do grego, introdução e notas de Mário da Gama Kury. 2a ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1988.

HOMERO. Ilíada. Tradução de Christian Werner. São Paulo: Ubu Editora / SESI-SP Editora, 2018.

TRAGICORUM GRAECORUM FRAGMENTA. Ed. Radt, S. Göttingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 1985.

Bibliografia de apoio:

AMENDOLA, S. Xenoi and Greeks between opposition and ‘hybridization’. Some observations about the lexicon of the otherness in Aeschylus’ survived tragedies. Humanitas, 74, 2019, pp. 9-28.

CAIRUS, H. Quando o nómos não é a lei. In: Influência, Arte, Debates, Cultura, Direito, Oriente. São Paulo: Uninove, 2004, pp. 19-25.

DE PAOLI, B. A adivinhação na tragédia de Ésquilo. Tese (Doutorado em Letras Clássicas) – Departamento de Letras Clássicas e Vernácula, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

FASSIN, É. Le mot race – Cela existe (1/2). AOC (Analyse Opinion Critique), 10/04/2019.

FASSIN, É. Le mot race – Cela existe (2/2). AOC (Analyse Opinion Critique), 11/04/2019.

FERNÁNDEZ DEAGUSTINI, M. del P. La condición de ser “Otro” en Suplicantes de Esquilo: un análisis (comparativo) de la escena del Heraldo de los Egipcios. Phoînix, vol. 24, n. 1, pp. 43-65, 2018.

GANTZ, T. N. Love and Death in the Suppliants of Aischylos. Phoenix, 32, n. 4, 1978, pp. 279-287.

GARVIE, A. F. Aeschylus’ Supplices: Play and Trilogy. Cambridge: Cambridge University Press, 1969.

HALL, E. Inventing the Barbarian: Greek Self-Definition through Tragedy. Oxford: Oxford University Press, 1989.

HARTOG, F. O espelho de Heródoto: Ensaio sobre a representação do outro. Trad. Jacyntho Lins Brandão. 2a ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014 [1980].

JANNIDIS, F. Character. In: HÜHN P; MEISTER, J. C; PIER, John; SCHMID, W. (eds). The Living Handbook of Narratology. Hamburg: Hamburg University Press, 2012. Disponível em: . Acesso em: 15 de janeiro de 2020.

MITCHELL, L. G. Greeks, barbarians and Aeschylus’ Suppliants. Greece & Rome, 53, n. 2, 2006, pp. 205-223.

Pour Eschyle. Disponível em: Acesso em: 10 de agosto de 2019.

RIBEIRO, T. O. A apódexis herodotiana: um modo de dizer o passado. Tese de Doutorado (Letras Clássicas) – Departamento de Letras Clássicas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

SOMMERSTEIN, A. H. Notes on Aeschylus’ Suppliants. Bulletin of the Institute of Classical Studies, 24, n. 1, 1977, pp. 67-82.

VIDAL-NAQUET, P. The Place and Status of Foreigners in Athenian Tragedy. In: PELLING, C. (ed.) Greek Tragedy and the Historian. Oxford: Oxford University Press, 1997, pp. 109-120.

WINNINGTON-INGRAM, R. P. The Danaid Trilogy of Aeschylus. The Journal of Hellenic studies, 81, 1961, pp. 141-152.




DOI: https://doi.org/10.25187/codex.v8i1.32946

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Beatriz de Paoli

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.