Heráclito de Éfeso: sobre o sono, a vigília e a morte

Juliana Santana

Resumo


Este artigo propõe um estudo sobre as relações do sono, da vigília e da morte com a alma e o com Lógos heraclítico. Conforme a teoria de Heráclito de Éfeso sobre o sono e a vigília, o homem está em contato com a morte quando dorme, pois o arder de sua alma-fogo se abranda. Assim, quem dorme se assemelha àquele que está morto, sendo o sono um estado intermediário entre a vida acordada e a morte. Para defender essa leitura dos fragmentos e para que a pesquisa fosse realizada, estabelecemos três momentos de pesquisa que buscaram elucidar a relação entre alma, Lógos, sono, vigília e morte. Em um primeiro momento, tentamos compreender o que Heráclito descreveu como sono, vigília e morte, bem como buscamos entender a relação entre eles. Em um segundo momento, foi preciso abordar os fragmentos sobre a alma propostos pelo filósofo em questão. Esse passo foi imprescindível à pesquisa proposta, pois revelou uma possível conexão do homem com o fogo constituinte de tudo e pudemos defender a ideia de que, para Heráclito, o homem é parte de um todo. A partir da descrição de uma alma-fogo, foi possível pensar, em um terceiro momento do texto, o que é o Lógos, tantas vezes e de tantos modos mencionado pelo filósofo. Esta reflexão foi feita para reforçar, por fim, o pensamento do efésio sobre as relações entre sono, vigília e morte como parte integrante de uma filosofia que une ideias a respeito da vida humana com as suas teorias acerca de tudo que existe.

 

Palavras-chave


sono; vigília; morte; alma; Lógos

Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. De caelo. In.: The complete works to Aristotle. Edição de Jonathan Barnes. Princenton: Princenton University Press, 1995.

BARNES, J. Filósofos pré-socráticos. Tradução de Júlio Fischer. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BURNET, J. A aurora da filosofia grega. Tradução de Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

CASERTANO, G. Os pré-socráticos. Tradução de Maria da Graça Gomes de Pina. São Paulo: Loyola, 2011.

DIÓGENES LAÉRCIO. Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres. Tradução de Mário da Gama Kury. Brasília: Editora UnB, 1988.

GUTHRIE, W. K. C. A history of greek philosophy: The early Presocratics and the Pytagoreans. Vol. I. Cambridge University Press: Cambridge, 1962.

HADOT, P. O aforismo de Heráclito: o que nasce tende a desaparecer. In.: O véu de Ísis. São Paulo: Loyola, 2006.

HERÁCLITO. Fragmentos contextualizados. Tradução, estudo e comentários de Alexandre Costa. São Paulo: Odysseus, 2012.

KIRK, G. S. Heraclitus: The cosmic fragments. Cambridge: Cambridge University Press, 1975.

KIRK, G. S.; RAVEN, J. E.; SCHOFIELD, M. Os filósofos pré-socráticos. Tradução de Carlos Alberto Louro Fonseca. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 2010.

MCKIRAHAN, R. D. A filosofia antes de Sócrates: Uma introdução com textos e comentários. Tradução de Eduardo Wolf Pereira. São Paulo: Paulus, 2013.

NUSSBAUM, M, C. ΨΥΧΗ in Herclitus, I. In: Phronesis, vol. 17, n. 1 (1972), p. 1-16. Disponível em . Acesso em 13 de jan. 2019.

NUSSBAUM, M, C. ΨΥΧΗ in Herclitus, II. In: Phronesis, vol. 17, n. 2 (1972), p. 153-170. Disponível em < https://www.jstor.org/stable/4181882?seq=1>. Acesso em 13 de jan. 2019.

PRADEAU, J-F. Introduction. In.: Héraclite: fragments [citations et témoignages]. Paris: Flamarion, 2002.

ROBINSON, T. M. Heráclito. In.: As origens da alma: Os gregos e o conceito de alma de Homero a Aristóteles. Tradução de Alaya Dullius; Jonatas R. Alvares; Sandra Rocha; Daniel Fernandes; Mariana Belchior. São Paulo: Annablume, 2010.

VIEIRA, C. O. Razão, alma e sensação na antropologia de Heráclito. 2011. Dissertação (Mestrado em Filosofia) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.




DOI: https://doi.org/10.25187/codex.v9i1.34126

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Juliana Santana

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.