A construção satírica no Livro I de Juvenal

Leni Ribeiro Leite, Iana Lima Cordeiro

Resumo


Analisa a construção satírica no Livro I do satirista romano Décimo Júnio Juvenal. De acordo com a chave de leitura utilizada por William Anderson (1962), que admite a existência de uma persona que não necessariamente representa seu autor, faz-se a observação dos principais aspectos observados na persona que enuncia as cinco sátiras constituintes do primeiro livro de Juvenal. A metodologia seguida é proposta na Análise de conteúdo de Laurence Bardin e a análise tem como resultado a organização das características principais da persona em quatro categorias: a) associação da riqueza à falha de caráter; b) condenação a práticas viciosas; c) ironização de temas épicos e d) enaltecimento de modelos.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, William. Essays on Roman satire. Princeton: Princeton University, 1982.

AMOSSY, Ruth (Org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2011.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco (Coleção Os Pensadores -- Vol. 2). São Paulo: Nova Cultural. 1991.

ARISTÓTELES. Retórica. Trad. Manuel Alexandre Júnior, Paulo Farmhouse Alberto e Abel do Nascimento Pena. 2 ed. Lisboa: Casa da Moeda, 2005.

ARMSTRONG, David. “Juvenalis Eques: A Dissident Voice From The Lower Tier of the Roman Elite”. In: BRAUND, Susanna; OSGOOD, Josiah. A Companion to Persus and Juvenal. Malden: Blackwell, 2012.

BRAUND, Susanna. “Introduction”. In: JUVENAL, & PERSIUS, Juvenal and Persius: edited and translated by Susanna Morton Braund (pp. 1-39). Cambridge: Harvard University, 2004.

CARMO, Rafael Cavalcanti do. As manifestações do cômico nas “saturae” de Juvenal. 2014. 142 f. Dissertação (Mestrado em Letras) -- Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória. 2014.

_____________. “A construção do êthos de orador nas Sátiras de Juvenal”. Letras Clássicas, São Paulo, v. 19, n. 2, p.80-89, out. 2016. Disponível em: . Acesso em: 29 jul. 2017.

CASTRO, Marihá Barbosa e. O programa satírico de Pérsio frente à tradição. 2015. 146 f. Dissertação (Mestrado em Letras) -- Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2015.

CÍCERO. De Officiis. Trad. Maximiano Augusto Gonçalves. 2ª ed. Rio de Janeiro: Livraria H. Antunes Ltda Editora, 1986.

CITRONI, Mario. “Musa pedestre”. In: O espaço literário da Roma antiga, volume I: a produção do texto literário, editado por Guglielmo Cavallo, Paolo Fedeli e Andrea Giardina. Tradução Daniel Peluci Carrara e Fernanda Messeder Moura. Belo Horizonte: Tessitura, 2010. Disponível em: http://www.uff.br/lingualatina/literatura5/musa_pedestre.pdf. Acesso em: 29 jul. 2017.

HANSEN, João Adolfo. Anatomia da sátira. In: Permanência Clássica: visões contemporâneas da Antiguidade greco-romana. São Paulo: Escrituras, 2011.

HIGHET, Gilbert. Juvenal the satirist: a study. New York: Oxford University, 1954.

JUVENAL. Sátiras. Texto de Francisco Antonio Martins Bastos. Rio de Janeiro: Ediouro, s/d.

KERNAN, Alvin. The cankered muse: satire of the English renaissance. New Heaven: Yale University, 1959.

KNIGHT, Charles. The literature of satire. New York: Cambridge University, 2004.

OSGOOD, Josiah. Introduction: Persius and Juvenal as satiric successors. In: BRAUND, Susanna. OSGOOD, Josiah. A Companion to Persius and Juvenal. Oxford: Blackwell, 2012.

VITORINO, Mônica Costa. Juvenal: o satírico indignado. Belo Horizonte: Faculdade de Letras/UFMG, 2003.

QUINTILIANO. Institutio Oratoria. Trans. H. E. Butler. London: Harvard University, 1980.




DOI: https://doi.org/10.17074/cpc.v1i33.12798

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Calíope: Presença Clássica