A viagem celestial e a busca pela fonte da memória nas iniciações órficas

Daniel Vecchio Alves

Resumo


Resumo: O problema que se apresenta neste artigo é: o mito órfico, nas formas que a civilização grega lhes deu, deve também ser vinculado ao domínio do saber ou somente ao domínio do delírio ou do devaneio, imagem instaurada pela figura de Dionísio? Numa tentativa de resposta, realizaremos a interpretação de que o conjunto poético das lendas órficas constitui uma enciclopédia de conhecimentos de que o grego dispõe em relação às experiências físicas e espirituais de deslocamento, ou seja, tais lendas são também relatos ou documentos de ordem sociocultural. Nesse sentido, não atribuiremos às fontes órficas apenas um caráter evasivo, pois elas são, antes de tudo, um verdadeiro tesouro para a formação da cultura grega. Para nos atentarmos a esse fato, observaremos que o mito, no geral, possui competência para registrar o mundo e o pensamento do ser humano de um modo válido e autêntico, e isso pode ser constatado ao adotarmos a seguinte mudança: substituir a leitura primitivista da religião órfica feita pelos primeiros antropólogos, sociólogos e historiadores, que reduziu o mito ao campo do devaneio e do delírio, por uma hermenêutica que revela, sob a trama da narração dos mitos órficos, um ensinamento análogo ao processo de construção da memória e do imaginário.


Texto completo:

PDF

Referências


BARBIERI, P. Vestígios de performance nos hinos órficos: tradução dos hinos 1, 2, 3, 4, 78, 85, 86 e 87. Translatio, Porto Alegre, n. 9, p. 59-72, 2015.

COMTE, A. Discurso sobre o espírito positivo. Tradução de Antonio Geraldo da Silva. São Paulo: Escala, 1990.

COUTINHO, C. L. S. A dialética anábasis e katábasis de Platão pré-anunciada no espaço arquitetônico antigo de Delfos. Revista Estética e Semiótica, v. 1, n. 1, p. 78-90, 2011.

DETIENNE, Marcel; VERNANT, Jean Pierre Vernant. Métis -- As astúcias da inteligência. Tradução de Filomena Hirata. São Paulo: Odysseus, 2008.

DETIENNE, Marcel. A invenção da mitologia. Tradução de André Teles e Gilza Martins Saldanha da Gama. 2ª ed. Brasília: Ed. UnB; Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1998.

DIETER, Hans (ed.). The Greek magical papyri in translation, including the Demotic spells. Chicago: University of Chicago Press, 1986.

DURKHEIM, Émile. As formas elementares da vida religiosa: o sistema totêmico na Austrália. Tradução de Paulo Neves. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

ELIADE, Mircea. Mito e Realidade. Tradução de Pola Civelli. São Paulo: Editora Perspectiva 1972.

FRAZER, J. G. O Ramo de Ouro. Tradução de Waltensir Dutra. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1982.

FRYE, Northrop. Fábulas de Identidade: estudos de mitologia poética. Tradução de Sandra Vasconcelos. São Paulo: Nova Alexandria, 2000.

GOODY, J. Domesticação do Pensamento Selvagem. Tradução de Nuno Luís Madureira. Lisboa: Editorial Presença, 1988.

GUERRERO, Alba Sánchez. El imaginario griego del más allá: orfismo y platonismo. Monografía del grado en filología clásica. 2016. 73 f. Monografía (Grado en Filología Clásica)--Facultad de Filosofía y Letras de la Universidad de Cádiz, Cádiz, 2016.

HARLEY, Roberto Morales. La katábasis como categoría mítica en el mundo Greco-Latino. Káñina, Costa Rica, v. XXXVI, n. 1, p. 127-138, 2012.

HAVELOCK, Eric. Prefácio a Platão. Tradução Enid Abreu Dobránzsky. Campinas, SP: Papirus, 1996.

HEIDEGGER, Martin. Parmênides. Tradução Sérgio Mário Wrublevski. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Universitária São Francisco, 2008.

HERNÁNDEZ, Raquel Martín. El orfismo y la magia. 2006. 667 f. Tesis (Doctoral de en Filología Griega y Lingüística Indoeuropea)--Universidad Complutense de Madrid, Madrid, 2006.

HESÍODO. Teogonia: A origem dos deuses. Tradução de Jaa Torrano. 3ª ed. São Paulo: Iluminuras, 1995.

JAEGER, Werner W. Paidéia: a formação do homem grego. Tradução de Artur M. Parreira. 3ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

LÉVI-STRAUSS, C. Mito e Significado. Tradução de Antonio Marques Bessa. Lisboa: Edições 70, 1978.

LÉVY-BRUHL, L. La mentalité primitive. 15ª ed. Paris: Les Presses Universitaires de France, 1960.

OLIVEIRA, A. C. de. Orfismo, uma nova dimensão do homem grego. Ágora Filosófica, n. 2, p. 7-19, 2004.

ONFRAY, Michel. Teoria da viagem: poética da geografia. Tradução de Paulo Neves. Porto Alegre: L&PM, 2009.

OVÍDIO. Metamorfoses. In: PREDEBON, Aristóteles A. Edição do manuscrito e estudo das Metamorfoses de Ovídio traduzido por Francisco José Freire. 2006. 853 f. Tese (Doutorado em Letras Clássicas)--Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, São Paulo, 2006. p. 171-744.

RICOEUR, Paul. A memória, a história, o esquecimento. Tradução de Alain François. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2007.

RODAS, Apolonio de. El viaje de los argonautas. Traducción e introducción de Carlos García Gual. Madrid: Alianza, 2004.

SERRANO, Pilar González. Catábasis y resurrección. Espacio, Tiempo y Forma: Historia Antigua, n. II, p. 129-179, 1999.

TYLOR, B. Primitive Culture: researches into the development of mythology, philosophy, religion language, art and custom. London: John Murray, 1920. v. 1.

WATANABE, Lygia Araujo. Platão: por mito e hipóteses. São Paulo: Moderna, 1995.

VERNANT, Jean-Pierre. Mito e religião na Grécia antiga. Tradução de Joana Angélica D' Avila Melo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.




DOI: https://doi.org/10.17074/cpc.v1i37.16840

Apontamentos

  • Não há apontamentos.