A CONTRIBUIÇÃO DOS RECURSOS NARRATIVOS NA CONSTRUÇÃO DAS PERSONAGENS ILIÁDICAS

Gabriel Galdino Fortuna

Resumo


Este artigo visa usar a narratologia para demonstrar a existência de consciência reflexiva, profundidade e conflito interno nas personagens da Ilíada, utilizamos como suporte metodológico autores oriundos das últimas três décadas que aplicaram nas obras homéricas os conceitos desenvolvidos por Genette (1972) e Mieke Bal (1985). A investigação sobre a natureza esférica das personagens responde a uma parte considerável da crítica do século XX que estigmatizou a Ilíada como uma mímeses ingênua da vida, detentora de um narrador distante, neutro e imparcial, responsável por impedir o aprofundamento nas camadas estruturais da obra, em especial no que concerne às personagens e à trama. Para a investigação deste tema, colocamos em evidência três recursos narrativos identificados no épico em questão: as focalizações, as alterações na quantidade de informação fornecida ao leitor e as metalepses.

 

Palavras-chave


Ilíada; Narratologia; Profundidade; Personagens.

Referências


ARISTÓTELES. Poética. Trad. Eudoro de Souza. Porto Alegre: Globo, 1966.

ARISTÓTELES. Retórica. Trad. Manuel Alexandre Junior, P. F. Alberto e A. N. Pena. Lisboa: Imprensa Nacional; Casa da Moeda, 2005.

AUERBACH, Erich. Mímesis: a representação da realidade na literatura ocidental. 4. ed. São Paulo: Perspectiva, 2002.

BAL, Mieke. Teoría de la narrativa: una introducción a la narratología. Trad. Javier Franco. Madrid: Catedra, 1990.

BORNHEIM, Gerd, A. Os filósofos pré-sócráticos. São Paulo: Cultrix, 1998.

CÂNDIDO, A; ROSENFELD, A; PRADO, D. A.; GOMES, P. A. S. A personagem de ficção. São Paulo: Editora Perspectiva, 1998.

CORRÊA, Paula da Cunha. Armas e varões: a guerra na Lírica de Arquíloco. São Paulo: Ed. UNESP, 1998.

COSTA, Alexandre. Heráclito: fragmentos contextualizados. Tradução, apresentação e comentários: Alexandre Costa. Rio de Janeiro: DIFEL, 2002.

CAIRNS, Douglas L. AIDOS: the psychology and ethics of honour and shame in ancient greek literature. Oxford: Clarendon Press, 2002.

CAIRNS, Douglas; RUTH SCODEL. Definning greek narrative. Edinburgh: University Press, 2014.

DELUMEAU, Jean. O medo no ocidente: 1300-1800: uma cidade sitiada. Tradução de Maria Lucia Machado; tradução das notas: Heloísa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

DE JONG, Irene. J. F. Homer. In: DE JONG, I. ; NÜNLIST R. ; BOWIE A. Narrators, narratees, and narratives in ancient greek literature. Netherlands: Brill, 2004, p. 13-24.

ERRECALDE, A.M. W MOI EGON: la construcción dramático- discursiva del "héroe del aidós" en Iliada. SYNTHESIS, v. 7, 2000, p. 100-113.

FENIK, B. Stylization and variety: four monologues in the Iliad. In: FENIK, B. (ed.). Homer: tradition and invention. Leiden: Brill, 1978. p. 68–90.

FORD, Andrew. Homer: the poetry of the past. Ithaca. NY: Cornell University

Press, 1992.

FORSTER, E. M. Aspectos do romance. Trad. Sérgio Alcides. 4. ed. rev. São Paulo: Globo, 2005.

GASKIN, Richard. Do Homeric Heroes make real decisions?. The classical quarterly, v. 40, n. 1, 1990, p. 1–15. Disponível em: www.jstor.org/stable/639307. Acesso em: 22 jun. 2020.

GENETTE, Gerárd. Discurso da narrativa. Trad. Fernando Cabral Martins. Lisboa: Veja, [197-].

GONZÁLEZ de Tobia, A. Un soliloquio escénico significativo. lliada, 22, v. 99-130. Praesentia (Revista venezolana de estudios clásicos), n.2-3, 1998-99, p.109-126.

HOMERO, Ilíada. Trad. Frederico Lourenço. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

HUMPHREY, Robert. O fluxo de consciência: um estudo sobre James Joyce, Virginia Woolf, Dorothy Richardson, Willian Faulkner e outros. Trad. Gert Meyer. São Paulo: MacGraw-Hill do Brasil, 1976.

KIRK, G. S. ; RAVEN, J. E ; SCHOFIELD, M. Os filósofos pré-socráticos: história crítica com selecção de textos. Trad. Carlos Alberto Louro Fonseca. 7. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2010.

KONSTAN, David. The emotions of the ancient greeks: studies in Aristotle and classical literature. Toronto: University of Toronto Press, 2006.

MUELLER, Martin. Knowledge and delusion in the Iliad. Mosaic: a journal for the interdisciplinary study of literature, v. 3, n. 2, 1970, p. 86–103. Disponivel em: www.jstor.org/stable/24776347. Acesso em: 22 Jan. 2020.

NÜNLIST, René. The Homeric scholia on focalization. Mnemosyne, v. 56, n. 1, 2003, p. 61–71. Disponível em: www.jstor.org/stable/4433405. Acesso em: 25 jun. 2020.

PERADOTTO, John. Man in the middle voice: name and narration in the Odyssey. New Jersey: Princeton University, 1990.

PLATÃO. Diálogos. Introducción general por Emilio Lledó Íñigo ; traducción y notas por J. Calonge Ruiz, et al. Madrid: Gredos, 1981.

PLATÃO. Laques. Introdução, versão do grego e notas de Francisco de Oliveira. Coimbra: Instituto Nacional de Investigação Científica, 1987.

READY, Jonathan; CHRISTOS, C. Tsagalis. Homer in performance: rhapsodes, narrators, and characters. Texas: University of Texas, 2018.

REDFIELD, James M. Nature and culture in the iliad: the tragedy of hector. Chicago: The University of Chicago Press, 1975.

RICHARDSON, Scott Douglas. The Homeric narrator. Nashville: Vanederbilt University, 1990.

RUSSO, Joseph. Re-thinking homeric psychology: snell, dodds and their critics. Quaderni urbinati di cultura classica, v. 101, n. 2, 2012, p. 11–28. Disponível em: www.jstor.org/stable/23347416. Acesso em: 22 jun. 2020.

RUSSO, Joseph; BENNETT, Simon. Psicologia Omerica e tradizione Epica Orale. Quaderni urbinati di cultura classica, n. 12, 1971, p. 40–61. Disponível em: www.jstor.org/stable/20537646. Acesso em: 23 jun. 2020.

SNELL, Bruno. A cultura grega e as origens do pensamento europeu. Trad. Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 2005.

ZÉRAFFA, Michel. Pessoa e personagem: o romanesco dos anos de 1920 aos anos de 1950. Trad. Luíz João Gaia e J. Guinsburg. São Paulo: Perspectiva, 2010.




DOI: https://doi.org/10.17074/cpc.v1i40.36178

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Gabriel Galdino Fortuna