UMA PORTA PARA A LIBERDADE: REFLEXÕES DE SÊNECA SOBRE A MORTE

Viviane Moraes de Caldas

Resumo


A obra senequiana é, como se sabe, permeada por conceitos estoicos e tem como um dos objetivos auxiliar o indivíduo a percorrer o caminho do bem de modo que ele possa alcançar a virtude, o bem moral. Ou seja, a sua filosofia não é apenas teórica, mas se preocupa em ser também prática, uma vez que os princípios estoicos devem, obrigatoriamente, estar presentes nas ações de cada um em seu cotidiano. Este artigo aborda, portanto, as reflexões de Sêneca sobre um dos temas de grande relevância que pode auxiliar o homem na busca pela virtude, pela tranquilidade da alma, e pela sabedoria: a meditação sobre a morte. Sendo assim, lançaremos mão não só das Epístolas Morais a Lucílio, assim como de alguns diálogos, por exemplo, Da Tranquilidade da Alma, Da Brevidade da Vida, Da Providência, assim como da Consolação a Márcia e da Consolação a Políbio, que nos auxiliarão na compreensão da morte, entendendo-a como liberdade para a alma.


Palavras-chave


Estoicismo; Sêneca; morte

Referências


AUVRAY, Clara-Emmanuelle. Folie et douleur dans Hercule Furieux et Hercule sur l’Oeta: recherches sur l’expression esthétique de l’ascèse stoïcienne chez Sénèque. Frankfurt am Main; Bern; New York; Paris: Lang, 1989.

CAROÇO, Alexandra Flôr Pauzinho. 'Omnia humana caduca sunt': A Consolação a Márcia de Séneca. Dissertação de Mestrado apresentada ao Departamento de Estudos Clássicos da Universidade de Lisboa, sob orientação de Maria Cristina de Castro-Maia de Sousa Pimentel, 2011.

CICERO. Discussões tusculanas. Trad. Bruno Fregni Basseto. Uberlândia: EDUFU, 2014.

DIÔGENES LAÊRTIOS. Vidas e doutrinas dos filósofos ilustres. Trad., introd. e notas de Mário da Gama Kury. 2ª ed., reimpressão. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2008.

GAZOLLA, Rachel. O ofício do filósofo estóico: o duplo registro do discurso da Stoa. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

GRIMAL, P. Sénèque ou la conscience de l’Empire. Paris: Fayard, 1991.

HESÍODO. Teogonia: a origem dos deuses. Trad. Jaa Torrano. 2ª. ed. 5ª. reimp. São Paulo: Iluminuras, 2012.

HORÁCIO. Arte Poética. Ed. bilíngue. Trad. R. M. Rosado Fernandes. Lisboa: Editorial Inquérito, 1984.

LOHNER, José Eduardo S. Introdução. IN: Sobre a Ira. Sobre a Tranquilidade da Alma. Trad., introd. e notas de José Eduardo S. Lohner. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2014.

PIMENTEL, Maria Cristina. A Meditatio Mortis nas tragédias de Sêneca. Classica 23, Lisboa: Edições Colibri, 1999, pp. 27-45.

PLATÃO. A República. Trad. Enrico Corvisieri. São Paulo: Ed. Nova Cultural, 1999.

SEGURADO E CAMPOS, J.A. Introdução. IN: SÊNECA. Cartas a Lucílio. Trad. J. A. Segurado e Campos. 5ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2014.

SENECA. Apocolocyntosis sive Ludus de morte Claudii Neronis. Die Verkürbissung des Kaisers Claudius oder Satire auf den Tod des Claudius Nero. Lateinisch/Deutsch. Übersetzt und herausgegeben von Anton Bauer. Stuttgart: Reclam, 2010.

SÊNECA. Cartas a Lucílio. Trad. J. A. Segurado e Campos. 5ª ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2014.

_____. Consolação a Políbio. Organização, seleção e revisão do original por Matheus Trevizam. Belo Horizonte, FALE, UFMG, 2007.

_____. Sobre a Brevidade da vida. Sobre a Firmeza do sábio: diálogos. Trad. José Eduardo S. Lohner. 1ª ed. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2017.

SENECA. Moral Essays: De Providentia, De Constantia, De Ira, De Cementia. Vol. I. Translate by John W. Basore. Cambridge, Massachusetts, London, England: Harvard University Press, 1989.

SENECA. Tragedies II. Edited and translate by John Fitch. Cambridge, Massachusetts, London, England: Harvard University Press, 2004.

SÉNÈQUE. Dialogues. Tome III. Consolations. Texte établi et traduit par René Waltz. Paris: Les Belles Lettres, 1942.

_____. Dialogues. Tome IV. De la providence; De la constance du sage; De la tranquillité de l’âme; De l’oisiveté. Texte établi et traduit par René Waltz. 8eme. tirage. Paris: Les Belles Lettres, 2006.

ULLMANN, Rinholdo A. O Estoicismo Romano: Sêneca, Epicteto, Marco Aurélio. Porto Alegre: EDIPUCRS, 1996.

WEINKAUF, Wolfgang. Die Stoa: kommentierte Werkausgabe. Übers. und hrsg. von Wolfgang Weinkauf. Augsburg: Pattloch, 1994.




DOI: https://doi.org/10.17074/cpc.v1i40.36932

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Viviane Moraes de Caldas