O contexto da organização da ciência, tecnologia e inovação: evolução histórica e perspectivas futuras para o melhoramento genético vegetal no Brasil

Marcos Paulo Fuck, Maria Beatriz Bonacelli

Resumo


O artigo apresenta um panorama histórico da evolução das atividades de pesquisa agrícola no país, com especial atenção às articulações público-privadas, de modo a (re)ocupar espaços em mercados competitivos. A busca por complementaridade nas atividades desenvolvidas entre os setores público e privado pode ser fonte de ampliação da competitividade, via inovações em seu sentido mais amplo, para as atividades agrícolas e agroindustriais.


Palavras-chave


Organização da Pesquisa Agrícola; Relações Público-Privado; Sistemas de Pesquisa Agrícola; Políticas Públicas de Ciência; Tecnologia e Inovação

Texto completo:

PDF

Referências


BEINTEMA, N.M.; ÁVILA, A.F.D.; PARDEY, P.G. (2001). P&D Agropecuário: Política, Investimentos e Desenvolvimento Institucional. Washington, D.C.: IFPRI, Embrapa & Fontagro, Agosto de 2001.

BONACELLI, M.B.M. (1992). Desenvolvimento da Biotecnologia Vegetal no Brasil: uma análise de dois estudos de caso de investimentos privados. 192 p. – Dissertação (Mestrado), Departamento de Política Científica e Tecnológica (DPCT/IG), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas.

BONACELLI, M.B.M.; SALLES-FILHO, S.L.M.; SILVEIRA, J.M.F.J. (2002). Gargalos tecnológicos e cadeias produtiva e inovativa da citricultura no Brasil. In: DAGNINO, R.; THOMAS, H. (org.). Panorama dos estudos sobre ciência, tecnologia e sociedade na América Latina, Taubaté: Cabral Editora e Livraria Universitária,p. 123-138.

BUAINAIN, A.M.; VIEIRA, A.C.P; LIMA, D.A.L.L. (2010). A inovação tecnológica na agricultura brasileira. In: VIII Congresso Latinoamericano de Sociologia Rural, Porto das Galinhas, PE.

CASTRO, A.C. (1988). Crescimento da Firma e Diversificação Produtiva: O Caso Agroceres. 348 p. Tese (Doutorado) – Instituto de Economia (IE), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas.

CASTRO, A.C. (2010). From Catching-up to knowledge governance in the Brazilian Agribusiness.

Desenvolvimento em Debate, v.1, n.2, p.9-23, janeiro–abril e maio–agosto 2010.

CASTRO, A.M.G. de; LIMA, S.M.V.; LOPES, M.A.; MACHADO, M.S.; MARTINS, M.A.G. (2006).

O futuro do melhoramento genético vegetal no Brasil – impactos da biotecnologia e das leis de proteção do conhecimento. Brasília, DF : Embrapa Informação Tecnológica.

CÉLERES.(2011) Relatório Biotecnologia. 05 de dezembro de 2011.

CRUZ, J.C.; PEREIRA FILHO, I.A.; SILVA, G. H. (2012). Mais de 170 cultivares transgênicas são disponibilizadas no mercado de sementes do Brasil para a safra 2011/12, 2011. Informe disponível em: http://www.cnpms.embrapa.br/milho/cultivares/index.php. Acesso em 01/agosto/2012.

CRUZ, J.C.; QUEIROZ, L.R.; PEREIRA FILHO, I.A. (2012). Mais de 210 cultivares transgênicas são disponibilizadas no mercado de sementes do Brasil para a safra 2012/13, 2012. Informe disponível em http://www.apps.agr.br/palestras/index.php?codigo=22. Acesso em 01/agosto/2012.

DIAS, E.L.; BONACELLI, M.B.B; MELLO, D. (2008). A dinâmica da pesquisa em redes: avanços e desafios do seqüenciamento genético da vassoura de bruxa e do eucalipto. Liinc em Revista, Brasília, p.120 - 137, 01 mar. 2008.

FAO – ORGANIZACIÓN DE LAS NACIONES UNIDAS PARA LA AGRICULTURA Y LA

ALIMENTACIÓN. (2004). El estado mundial de agricultura y la alimentación 2003-04.

La biotecnología agrícola: ¿Una respuesta a las necesidades de los pobres? Roma: FAO.

FUCK, M.P. (2005). Funções Públicas e arranjos institucionais: o papel da Embrapa na organização da pesquisa de soja e milho híbrido no Brasil. 112 p. Dissertação (Mestrado) – Departamento

de Política Científica e Tecnológica (DPCT/IG), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas.

FUCK, M.P. (2009). A Co-Evolução Tecnológica e Institucional na Organização da Pesquisa Agrícola no Brasil e na Argentina. 177 p. Tese de Doutorado. Departamento de Política Científica e Tecnológica (DPCT/IG), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas.

FURTADO, A.T.; SCANDIFFIO, M. I. G. ; CORTEZ, L. A. B. (2011). The Brazilian sugarcane

innovation system. Energy Policy, vol. 39 (2011) pp. 156-166.

JAMES, C. (2011). Global Status of Commercialized Biotech/GM Crops. ISAAA Brief No. 43. ISAAA:Ithaca, NY.

MARTINELLI, O. (2007). Relatório setorial final: setor sementes. Diretório da Pesquisa Privada (DPP). 2006. Disponível em: www.finep.gov.br/portaldpp. Acesso em 15 de agosto de 2007.

MASSOLA, M.P. (2002). A organização da pesquisa agrícola privada cooperativa: um estudo de caso da Coodetec.. 96 p. Dissertação (Mestrado) – Departamento de Política Científica e Tecnológica (DPCT/IG), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Campinas.

RAMALHO, M.A.P; TOLEDO, F.H.R.B; SOUZA, J.C. (2010). Melhoramento Genético de Plantas no Brasil. In: Magno Antonio Patto Ramalho, Fernando Henrique Ribeiro Barrozo Toledo, João Cândido de Souza, Rodrigo de Araújo Teixeira. Competências em melhoramento genético de plantas no Brasil. Viçosa, MG: Arka.

SALLES-FILHO, S.L. M.; ALBUQUERQUE, R.; SZMRECSÁNYI, T.; BONACELLI, M.B.; PAULINO, S.; BRUNO, M.; MELLO, D.; CORAZZA, R.; CARVALHO, S.; CORDER, S.; FERREIRA, C. (2000). Ciência,

tecnologia e inovação – A reorganização da pesquisa pública no Brasil. Campinas: Editora Komedi, 416 p.

SANTINI, G.; PAULILLO, L. F. (2003). Mudanças tecnológicas e institucionais na indústria de sementes no Brasil: uma análise aplicada aos mercados de milho híbrido e soja. Agricultura em São Paulo, 50 (1): 25-42.

SILVEIRA, J.M.F.J. (1985). Progresso técnico e oligopólio: as especificidades da indústria de sementes no Brasil.169 p. Dissertação (Mestrado) – Instituto de Economia (IE), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Campinas.

SILVEIRA, J.M.F.J.; DAL POZ, E.; BORGES, I.; MELO, M. (2007). Relatório setorial preliminar: setor biotecnologia. Diretório da Pesquisa Privada (DPP). 2003. Disponível em: www.finep.gov.br/ portaldpp Acesso em 15 de agosto de 2007.

SOUZA, J.C.; RIBEIRO, P.H.; MARQUES JÚNIOR, O.; MORETO. A.L. (2002). Avaliação de Híbridos

Simples, Triplo e Duplos e Suas Respectivas Gerações Endogâmicas. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo, Florianópolis.

WILKINSON, J.; CASTELLI, P. (2000). A transnacionalização da indústria de sementes no Brasil – biotecnologias, patentes e biodiversidade. Rio de janeiro: ActionAid, Brasil.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.