Competitividade na agricultura familiar: uma abordagem metodológica

Raquel Pereira de Souza, Antônio Márcio Buainain

Resumo


A competitividade da agricultura familiar tem sido questionada em muitas cadeias produtivas, todavia as metodologias de análise da competitividade voltadas ao agronegócio não tem conseguido captar especificidades do modo de produção familiar. Nesse sentido, o artigo propõe um marco metodológico de análise da competitividade da agricultura familiar, no qual a competitividade estaria associada a sua estratégia de reprodução social e econômica.


Palavras-chave


Competitividade; Agricultura familiar; Marco de análise

Texto completo:

PDF

Referências


ARBAGE, A. P. Custos de transação e seu impacto na formação e gestão da cadeia de suprimentos: Estudo de caso em estruturas de governança híbridas do sistema agroalimentar no Rio Grande do Sul. Tese de Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Administração, PPGA/UFRGS, 2004

BARBOSA, F. V. Competitividade: conceitos gerais. IN: RODRIGUES, S. B. (Org.). Competitividade, alianças estratégicas e gerência internacional. São Paulo: Atlas, 1999.

BATALHA, M.O.; SILVA, A.L. Gerenciamento de sistemas agroindustriais. IN: Batalha, M.O. (Ed.)

Gestão agroindustrial. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2007.

BITTENCOURT, G. A. et. al. Principais fatores que afetam o desenvolvimento dos assentamentos de reforma agrária no Brasil. Brasília: Convênio FAO/INCRA, 1998.

BUAINAIN, A. M et al. Agricultura familiar e o novo mundo rural. Sociologias [online]. 2003, n.10, pp. 312-347.

BUAINAIN, A. M. et al. Agricultura familiar e inovação tecnológica no Brasil: características, desafios e obstáculos. Campinas: UNICAMP, 2007. 238 p.

BUAINAIN, A. M., SOUZA FILHO, H. M. Procera: impactos produtivos e capacidade de pagamento. Brasília. Relatório preparado para o MEPF. Convênio FAO/Incra, 1998.

BUAINAIN, A.M.; SOUZA FILHO, H.M.; SILVEIRA, J.M. Agricultura Familiar e Condicionantes da Adoção de Tecnologias Agrícolas In: Lima, D. M. A.; Wilkinson J. (Org.). Inovações nas Tradições da Agricultura Familiar. Brasília: CNPq, 2002, p. 47-81.

COUTINHO, L.; FERRAZ, J. C. Estudo da competitividade da indústria brasileira. Campinas: Papiros e Editora da Unicamp, 2002.

DAROLT, M. R. Circuitos curtos de comercialização de alimentos ecológicos: reconectando produtores e consumidores. In: Nierdele, P. A; Almeida L.; Vezzani, F. M. Agroecologia: práticas, mercados e políticas para uma nova agricultura. Curitiba: Kairós, 2013.

DAVIS, J. H.; GOLDBERG, R. A. A concept of agribusiness. Boston: Harvard University, 1957.

DINIZ FILHO, L. L.; VICENTINI, Y. Teorias espaciais contemporâneas: o conceito de competitividade. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 9, p. 107-116, jan./jun. 2004.

DUFUMIER, M. Importância de la tipologia de unidades de produccion agrícolas em el analisis de diagnostico de realidades agrarias. IN: ESCOBAR, G; BERDEGUÉ, J. (eds). Tipificacion de sistemas de producción agrícola. Santiago de Chile: Gráfica Andes. 1990.

FARINA, E. M. M. Q. Competitividade e coordenação de sistemas agroindustriais: um ensaio conceitual. Revista Gestão & Produção. Vol. 6. N° 3. 1999, p. 147-161.

FARINA, E.M.M.Q; et al. Competitividade: Mercado, Estado e Organizações. Ed. Singular, SP, 1997.

FERRARI, D. L. et al. Agricultores familiares, exclusão e desafios para inserção econômica na produção de leite em Santa Catarina. Informações Econômicas. São Paulo. v. 35, n. 1, p. 22-36, 2005

GONÇALVEZ NETO, W. Estado e agricultura no Brasil: Política Agrícola e Modernização Econômica Brasileira (1960-1980). São Paulo: Ed. Hucitec. 1997

GUANZIROLI, C. et al. Family farming in Brazil: evolution between the 1996 and 2006 agricultural censuses. The Journal of Peasant Studies, 40:5, 817-843, 2013. DOI: 10.1080/03066150.2013.857179

GUANZIROLI, C.; et al. Agricultura familiar e reforma agrária no século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2001. 284 p.

HAGUENAUER, L. Competitividade: Conceitos e Medidas. Texto para Discussão, IEI/UFRJ; n. 211; RJ.1989

HARRISON, R. W.; KENNEDY, P. L. A neoclassical economic and strategic management approach to evaluating global agribusiness competitiveness. Competitiveness Review: An International Business Journal, v.7, n.1, p.14-25, 1997.

HOFER, C. W. e D. SCHENDEL. Strategy formulation: Analytical concepts, West Publishing Company, 1978.

KUPFER, D. Padrão de Concorrência e Competitividade. IN: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA EM ECONOMIA. 19, Campos do Jordão. Anais , Campos

do Jordão, Associação Nacional de Pesquisa em Economia, 1992.

MATHIS J. et al. La compétitivité industrielle, IRES, Dunod, Paris, 1988.

MAZOYER, M., ROUDART, L. História das agriculturas do mundo: do neolítico à crise contemporânea. Lisboa: Instituto Piaget, 2001.

MINTZBERG, H. Strategy-Making in Three Modes. IN: QUINN, J. B.; MINTZBERG, H.; James R. M., (ed.), The Strategic Process-concepts, contexts and cases, Prentice-Hall Inc, 1988.

NAVARRO, Z; PEDROSO, M.T.M. Agricultura familiar: é preciso mudar para avançar. Embrapa: Brasília. Texto para Discussão n. 42, 2011.PENROSE. E.T. The theory of the growth of the firm. New York: John Wiley Ed., 1959.

PENROSE, E. The Theory of the Growth of the Firm, Oxford, Oxford University Press,1959

PORTER, M. Vantagem Competitiva. Rio de Janeiro: Campus 1989

SANTOS, M. Contribuição à Compreensão do Conceito de Competitividade nas Organizações. VII SEMEAD – Seminários em Administração, FEA/USP, São Paulo, 2003.

SCHNEIDER, S e NIEDERLE, P.A. Agricultura familiar e teoria social: a diversidade das formas familiares de produção na agricultura. In: FALEIRO, F.G. e FARIAS NETO, A.L. (ed.) SAVANAS: desafios e estratégias para o equilíbrio entre sociedade, agronegócio e recursos naturais.

Planaltina, DF, Embrapa Cerrados, 2008, p. 989-1014.

SCHNEIDER, S. A pluriatividade na agricultura familiar. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003. SCHNEIDER, S. Teoria social, agricultura familiar e Pluriatividade, Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 18, n.51, p. 99-121, 2003.

SILVA, C. A. B .; BATALHA, M. O. Competitividade em sistemas agroindustriais: metodologia e estudo de caso. IN: Workshop Brasileiro de Gestão de Sistemas Agroalimentares, 2, PENSA/FEA/ USP. Anais..... Ribeirão Preto-SP, 1999.

SOUZA FILHO, H. M.; BUAINAIN, A. M. Patrimônio, produção e capacidade e pagamento dos assentados. In: Souza, José Gilberto de; Gebara, José Jorge; Wirley, Jerson Jorge. (Org.). Reforma Agrária e Crédito Agrícola. 1ed.São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009, v., p. 178-198.

SOUZA, R. P. Competividade na agricultura familiar: os limites da exclusão. Unicamp: Campinas (Tese de doutorado apresentado ao Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Econômico), 2011.

TEPICHT, J. Marxisme et Agriculture. Paris, 1973

VAN DER PLOEG, J. D. V. D The new peasantries: struggles for autonomy and sustainability in an era of empire and globalization. Londres: Earthscan, 2008.

VAN DUREN, E. et al, . Assessing the competitiveness of Canada’s agrifood industry. Canadian Journal of Agricultural Economics, v.39, p.727- 738, 1991.

VIEGAS, I. F. P. Redes de comércio justo e solidário: organização, relações e valores. Campinas: Unicamp (Tese de doutorado). Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Econômico, 2012.

WILKINSON, J. Integração regional e o setor agroalimentar dos países do Mercosul: a produção alimentar na encruzilhada. Ensaios FEE. Porto Alegre, FEE, ano 17, n. 1, p. 155- 184, 1996.

WIVES, G. D. Funcionamento e performance dos sistemas de produção da banana na Microrregião do Litoral Norte do Rio Grande do Sul. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós Graduação em Desenvolvimento Rural, PGDR/UFRGS, Porto Alegre, 2008.

ZYLBERSZTAJN, D. Estruturas de Governança e Coordenação do Agribusiness: uma aplicação da Nova Economia das Instituições. Tese de Livre-Docência, Departamento de Administração, FEA/ USP. 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.