A difusão do diagnóstico de transtorno bipolar infantil: controvérsias e problemas atuais

Thais Klein, Rossano Cabral Lima

Resumo


O presente artigo visa, a partir de uma perspectiva normativista, a investigar a construção
do diagnóstico de Transtorno Bipolar Infantil. A discussão em torno deste obriga a articular
dois objetos de estudo: a infância e a psiquiatria. Traça-se um breve histórico da noção de
infância, buscando caracterizá-la no contexto de surgimento do transtorno bipolar infantil.
Paralelamente, acompanhamos o mesmo percurso no que concerne à psiquiatria infantil. O
caso do Transtorno Bipolar Infantil evidencia um movimento mais amplo da psiquiatria infantil
e da infância, uma vez que se trata de uma categoria diagnóstica destinada à idade adulta que
passou a ser considerada uma afecção crônica. Por fim, este trabalho não tem como objetivo
questionar a validade do Transtorno Bipolar Infantil, mas mapear e localizar o surgimento
deste diagnóstico em um contexto sociocultural mais amplo, levantando as controvérsias e
questionamentos suscitados por ele.
Palavras-chave: bipolaridade, psiquiatria, infância, medicalização, transtornos afetivos.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 DESIDADES - Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902