Jovens e a precarização do trabalho: o caso do cuentapropismo em Cuba

Karima Oliva Bello

Resumo


O presente artigo se deriva de uma pesquisa que visou compreender como os processos de
vulnerabilização relacionados à atualização do modelo econômico cubano afetam os jovens em desvantagem socioeconômica de Havana. Foca-se, sobretudo, no impacto subjetivo que esse processo acarreta para estes jovens quanto a seus projetos de realização pessoal e coletiva. Aos fins da presente publicação, focalizaremos especialmente a análise na problemática do trabalho, no caso dos jovens vinculados ao cuentapropismo, no setor não estatal. O modo como os jovens se vinculam ao cuentapropismo favorece, nesse contexto particular, a emergência de dinâmicas típicas de um padrão de instabilidade e precarização laboral. Por sua vez, as marcas simbólicas dos modos de subjetivação nesse contexto se caracterizam pela tendência à individualização, à mercantilização das expectativas de vida, à não identificação com as organizações existentes em alguns casos e a uma postura de evasão ou rejeição das questões políticas. A busca por melhores condições materiais de vida talvez seja a marca mais importante do processo de devir sujeitos no caso dos jovens entrevistados. Se essa busca vai se esgotar no privado, no individual, no consumo, ou poderá se inscrever e se realizar no curso de uma construção coletiva, é a grande questão levantada pela presente pesquisa.
Palavras-chave: jovens, trabalho, precarização, cuentapropismo.


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, G. Trabalho, subjetividade e capitalismo manipulatório – O novo metabolismo social do trabalho e a precarização do homem que trabalha. Disponível em: ˂http://www.giovannialves.org/artigo_giovanni%20alves_ 2010. pdf˃. Acesso em: 20 out. 2017.

CUBA. Decreto-Lei 278. Del Régimen Especial de Seguridad Social para los Trabajadores por Cuenta Propia. Gaceta Oficial de la República. Consejo de Estado, La Habana, 2010. Disponível em: ˂https://docs.google.com/ viewer?a=v&pid=sites&srcid=ZGVmYXVsdGRvbWFpbnx0Y3BkbG9hZHxneDoyNzlkMDJlMDE5M2QwYWVk˃, 6 set. 2011. Acesso em: 7 jan. 2016.

FORTEZA, F. Cuentapropistas dialogan con sindicatos. Agencia Italiana de Noticias. Disponível em: ˂http://www.ansalatina.com/americalatina/noticia/ cuba/ 2016/10/18/cuentapropistas-dialogan-con-sindicatos_93b0494c-6781-44db-89e6-bd8bcf15d943.html˃. Acesso em: 18 out. 2016.

IZQUIERDO, O. Reconfiguración de las relaciones laborales cubanas y reajuste del modelo socioeconómico. Buenos Aires: CLACSO, 2015.

LUIS, F. ¿Cuba cambia, y los sindicatos? Rebelión. Disponível em: ˂http://www.rebelion.org/noticia.php?id=222755˃. Acesso em: 10 fev. 2017.

PÉREZ, A. Discriminada por el color de su piel. Trabajadores Órgano de la Central de Trabajadores de Cuba. Disponível em: ˂http://www.trabajadores.cu/20170702/discriminada-color-piel/˃, 2 jul. 2017. Acesso em: 23 jul. 2017.

RODRÍGUEZ, F. ONAT: más de 200 acusaciones por evación fiscal. Cubadebate. Disponível em: ˂http://www.cubadebate.cu/noticias/2017/02/20/onat-mas-de-200-acusaciones-por-evasion-fiscal/#.WOaF8WnhDIU˃, 20 fev. 2017. Acesso em: 25 fev. 2017.

TORRES, A.; ORTEGA, D. Actores económicos y, ¿sujetos de la política? La reforma cubana y los trabajadores autónomos. In: COLETIVO DE AUTORES, Miradas sobre Cuba. Buenos Aires: Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales (CLACSO), 2014, p. 61-81.

UHARTE, L. Cuba, la conceptualización del modelo y el futuro del socialismo. Alai: América Latina en Movimiento. Disponível em: ˂http://www.alainet.org/es/articulo/181921˃, 24 nov. 2016. Acesso em: 30 nov. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902