La agenda de las mujeres jóvenes brasileñas junto al gobierno federal

Cynthia Mara Miranda, Ana Laura Lobato

Resumo


El artículo describe el proceso de construcción de la agenda política de mujeres jóvenes
brasileras a partir de las experiencias del Grupo de Trabajo Jóvenes Mujeres (GTJM) organizado en 2011 por la Secretaria Nacional de Juventud (SNJ) con el propósito de apoyar la inclusión de la perspectiva de género en las políticas públicas para la juventud conducidas por el gobierno federal. Con base en un estudio realizado, indicamos cómo la perspectiva de género, asociada al contexto histórico-social de la juventud, ha permitido que la construcción de políticas públicas para ese segmento poblacional reconozca las demandas de las mujeres jóvenes y de sus múltiples identidades.

Palabras clave: mujeres jóvenes, políticas públicas para jóvenes, perspectiva de género, Secretaria Nacional
de Juventud




Texto completo:

PDF

Referências


ALVAREZ, S. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu, Campinas, n. 43, p. 13-53, jul./dez. 2014.

BACCHI, C.; JOAN, E. Mainstreaming politics: gendering practices and feminist theory. Adelaide: University of Adelaide Press, 2010.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: Feminismo e a subversão da identidade. Nova York: Routledge, 1990.

DEMO, P. Pesquisa Participante: saber pensar e intervir juntos. 2. ed. Brasília, DF: Liber, 2008.

DIZ, A. N. M.; SCHWARTZ, P. K. N. (Org). Juventudes y género: sentidos y usos del cuerpo, tiempos y espacios en los jóvenes de hoy. Buenos Aires: Lugar Editorial, 2012.

ESTEVES, L. C. G; ABRAMOVAY, M. Juventude, Juventudes: pelos outros e por elas mesmas. In: ABRAMOVAY, M; ANDRADE, E. R; ESTEVES, L. C. G. (Org). Juventudes: outros olhares sobre a diversidade. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, Unesco, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de janeiro, 2012.

LOBATO, A. L. (Org). Jovens Mulheres e Políticas Públicas. Brasília: Presidência da República, 2014.

MARGULIS, M.; URRESTI, M. La juventud es más que uma palabra. In: La juventud es más que una palabra – ensayos sobre cultura y juventud. Buenos Aires: Biblos, 1996.

MIRANDA, C. M.; Movimentos de Mulheres, Governança Descentralizada e Desenvolvimento Regional no Estado do Tocantins. Gênero na Amazônia, v. 5, p. 187-200, 2014.

PAPA, F. C. Transversalidade e políticas públicas para mulheres no Brasil: percursos de uma pré-política. São Paulo, 2012. Dissertação (Mestrado em Administração Pública) – Escola de Administração Pública e Governo EAESP-FGV, São Paulo, 2012.

PAPA, F. C.; SOUZA, R. (Org). Forito: Jovens Feministas Presentes. São Paulo: Fundação Friedrich Ebert, Ação Educativa, UNIFEM, 2009.

PIRES, R.; VAZ, A. Participação social como método de governo? Um mapeamento das “interfaces socioestatais” nos programas federais. Texto para Discussão. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), n. 1707, 2012.

PRÁ, J. R.; EPPING, L.; CHERON, C. A Dicotomia Público-Privado e os Processos de Socialização de Gênero entre a Juventude. Anais III Seminário Nacional Sociologia & Política, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 26 a 28 de setembro de 2011.

SCHWARZ, P. Prácticas, estratégias y percepciones de la maternidad em mujeres jóvenes de clase media urbana. In: KORNBLIT, A. L. (Org). Juventud y vida cotidiana. Buenos Aires: Editorial Biblos, 2007.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Revista Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 2, n. 20, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SCOTT, J. Os usos e abusos do gênero. Projeto História, São Paulo, n. 45, p. 327-351, dez. 2012.

SILVA, Á. C. de F. Mulheres jovens e o problema da inclusão: novidades no II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. In: PAPA, F. C.; SOUZA, R. (Org). Forito: Jovens Feministas Presentes. São Paulo: Fundação Friedrich Ebert, Ação Educativa, UNIFEM, 2009.

ZANETTI, J. P. Reflexões sobre a participação juvenil no feminismo. In: COTIDIANO MUJER; ARTICULACIÓN FEMINISTA MARCOSUR. (Org). Desafíos Feministas en América Latina: la mirada de las jóvenes. Montevideu: Cotidiano Mujer; Articulación Feminista Marcosur, 2009, p. 29-40.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902