Tornar-se adolescente: o corpo como cenário

Susana Kuras Mauer

Resumo


Proponho-me a fazer algumas relexões que surgem da prática clínica psicanalítica, focando-me
em como se viabiliza o contato com os corpos e como vivem a sexualidade entre adolescentes.
Como se vinculam? Como se expõem? Como se sintomatizam? Os espelhos de hoje são, sobretudo,
as representações que circulam pelas redes sociais. Conquistar visibilidade, exibindo para
ser suportado pelo olhar do outro, é atualmente condição de existência. Corpos produzidos,
manipulados, exibidos, buscando reconhecimento, são alguns dos imperativos predominantes
desde a puberdade. Sugiro uma nova hipótese: o corpo adolescente, talvez, encarnou no
último tempo esse efeito de desenraizamento, produto de uma ruptura da comunidade social.
O sentimento de ausência de sentidos coletivos poderia ter incidido na fetichização do cenário
corporal que tanto nos impacta e muitas vezes preocupa os adolescentes. Nesta direção,
paradoxalmente, o despertar da luta feminina contra a violência de gênero tem convocado a
atenção e participação comprometida dos adolescentes.


Palavras-chave: adolescência, self cutting syndrome, anorexia, automutilação, sexualidade adolescente.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 DESIDADES - Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

NIPIAC / Instituto de Psicologia - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Av. Pasteur, 250 -- Urca, Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902
+55 (21) 2295-3208 / +55 (21) 3839-5328