El uso de crack entre jóvenes: historias para reconstruir los recorridos de cuidado y ciudadanía

Edna Linhares Garcia, Alíssia Gressler Dornelles, Mauriceia Eloisa Moraes, Bruna Rocha de Araújo, Emanueli Paludo, Giórgia Reis Saldanha

Resumo


En este artículo, Edna Linhares Garcia, Doctora en Psicología Clínica y docente del Programa de Posgrado Maestría en Promoción de Salud de la Universidade de Santa Cruz do Sul, Brasil, junto a sus colaboradoras, analizan los desafíos y enfrentamientos necesarios frente a la percepción de lo que perdura, tácitamente, en los discursos hegemónicos como demonización del crack. A partir de la investigación “La Realidad del Crack en Santa Cruz do Sul, RS”, las autoras discuten la prevalencia de las prácticas excluyentes en el tratamiento a los usuarios de esta droga, y proponen una comprensión que tenga como objetivo atender la singularidad del lugar que la droga ocupa en la vida de los sujetos, principalmente los sujetos adolescentes. Lea más.


Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, B. R.; GARCIA, E. L.; ZACHARIAS, D. G. O crack em redes discursivas: evidenciando concepções e problematizando práticas de enfrentamento. Revista Jovens Pesquisadores (UNISC), 3 (1), 94-108, 2013.

BIRMAN, J. Diagnóstico da contemporaneidade. In: JUNIOR A. M., TEDESCO, S.; KUPERMANN, D. (Orgs). Polifonias: Clínica, política e criação. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2005.

BRASIL. Lei Federal nº 10.216, de 06 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental. Brasília, 2001.

BRASIL. Ministério da Saúde. A Política do Ministério da Saúde para atenção integral a usuários de álcool e outras drogas. Secretaria Executiva, Coordenação Nacional de DST e Aids. Brasília: Ministério da Saúde, 2003.

BRASIL. Ministério da Saúde. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental: 15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

CONTE, M. A clínica psicanalítica com toxicômanos: o “corte & costura” no enquadre institucional. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2003.

DIMENSTEIN, G. A Ilusão da Operação Militar no Rio. Folha de São Paulo. Disponível em: http://edicaodigital.folha.com.br/home.aspx. Acesso em: 18 jul. 2014.

FREUD, S. (1921) Psicologia das massas e análise do eu. In: Sigmund Freud – Obras Completas, vol. 15. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

GARCIA, E. L.; ARAÚJO, B. R.; ZACHARIAS, D. G. ‘Recaídas’ na drogadição: uma via para (re)pensar a atenção à saúde. Saúde em Debate (CEBES) 37 (especial), 137-146, 2013.

GARCIA, E. L. et al. (Re)conhecendo o perfil do usuário de crack de Santa Cruz do Sul. Barbarói (UNISC) 36 (especial), 83-95, 2012.

GARCIA, E. L. et al. Entre a alienação de familiares de usuários de crack e os riscos do pesquisador. Barbarói (UNISC) 39, 13-35, 2013.

GUARESCHI, N. M. F.; LARA, L.; ADEGAS, M. A. Políticas públicas entre o sujeito de direitos e o homo oeconomicus. Psico, Porto Alegre, PUCRS, v.41, n.3, pp.332-339, jul./set. 2010.

LANCETTI, A. Desmistificação da existência de epidemia de álcool e outras drogas e medidas higienistas. In: Conselho Federal de Psicologia. Drogas e Cidadania: em debate. Brasília: CFP, 2012.

MELMAN, C. Alcoolismo, delinquência, toxicomania: uma outra forma de gozar. São Paulo: Escuta, 1992.

MERHY, E. E. O ato de governar as tensões constitutivas do agir em saúde como desafio permanente de algumas estratégias gerenciais. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v.4, n.2, 1999. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81231999000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 10 ago. 2014.

ROMANINI, M.; ROSO, A. Mídia e Crack: Promovendo Saúde ou Reforçando Relações de Dominação? Psicologia: Ciência e Profissão (CFP) 32 (1), 82-97, 2012.

SANTOS, L. M. B. Diferentes olhares sobre o cuidado de pessoas que usam droga. Conselho Regional de Psicologia do Rio Grande do Sul (CRPRS). Porto Alegre, 2010.

TERRA, O. Bobagens? Folha de São Paulo. Caderno opinião A3. Disponível em: http://edicaodigital.folha.com.br/home.aspx. Acesso em 18 jul. 2014.

TOROSSIAN, S. D. A construção das toxicomanias na adolescência: travessias e ancoragens. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 DESIDADES - Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude



NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902