Jóvenes ni ni brasileños/as: entre desconocimiento de las experiencias, espectacularización e intervenciones

Paulo Roberto da Silva Junior, Claudia Mayorga

Resumo


La preocupación con la continuidad de lo social y los modos ideales de integración de los/as
jóvenes en la sociedad de ellos/as, principalmente los/as de origen popular torna los jóvenes ni ni un campo propicio de intervenciones por diferentes actores de la sociedad. Las incomodidades con la inactividad de los/as jóvenes pobres están presentes a lo largo de la historia de la juventud brasileña y, en la actualidad, es sobre el nombre de jóvenes ni ni que determinadas partes de la juventud han ganado gran relevancia en los medios de comunicación, en los proyectos sociales y en las políticas p’blicas. Analizamos como la construcción de lugar del problema social para los/as jóvenes llamados de ni ni es sustentado por un desconocimiento de las experiencias de los/as jóvenes pobres, una espectacularización del fenómeno y por la constitución de un conjunto de prácticas para solucionarlo. Relexionamos cómo esas nominaciones reactualizan la noción de jóvenes peligrosos/as del pasado y construyen prácticas sociales paradójicas.
Palabras clave: joven ni ni, joven pobre, medios de comunicación, intervención, experiencia.


Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMO, H. W. Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Número especial: Juventude e Contemporaneidade, São Paulo: ANPED, n. 5/6, p. 25-36, 1997.

ABRAMOVAY, M. et al. Gangues, galeras, chegados e rappers: juventude, violência e cidadania nas cidades da periferia de Brasília. Rio de Janeiro: Unesco, Instituto Ayrton Senna; Setur; Garamond, 1999.

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1985.

ARANTES, E. M. M. Direitos da criança e do adolescente: um debate necessário. Psicologia Clínica (PUCRJ. Impresso), Rio de Janeiro, v. 24.1, p. 45-56, 2012.

CARDOSO, A. Juventude, trabalho e desenvolvimento: elementos para uma agenda de investigação. Caderno CRH (UFBA. Impresso), Salvador, v. 26, n. 68, p. 293-314, Maio/Ago. 2013.

COIMBRA, C. M. B., NASCIMENTO, M. L. DO. Ser jovem, ser pobre é ser perigoso? JOVENes, Revista de Estudios sobre Juventud, México, v. 9, n. 22, p. 338-355, 2005.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. Comentários sobre a sociedade do espetáculo. 11. ed. Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2007.

FORACCHI, M. M. O estudante e a transformação da sociedade brasileira. São Paulo: Editora Nacional, 1977.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 12. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1996.

GUAZINA, L. O conceito de mídia na comunicação e na ciência política: Desafios interdisciplinares. Revista Debate, Porto Alegre, n. 1, p. 49-64, 2007.

GUIMARÃES, L. G. S. Juventude e Desenvolvimento Social na América Latina: um estudo sob a perspectiva da cooperação. Hegemonia – Revista Eletrônica de Relações Internacionais do Centro Universitário Unieuro. Brasília, n. 13, p. 202-234, Jun. 2014.

HADLER, O. H., GUARESCHI, N., SCISLESKI, A. Observâncias: Sobre psicologia, políticas de segurança e juventude. In: SCISLESKI, A; GUARESCHI, N. (Org.). Juventude, marginalidade social e direitos humanos: da psicologia às políticas públicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2015. p. 55-74.

LECCARDI, C. Por um novo significado do futuro: mudança social, jovens e tempo. Tempo Social, Revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 35-57, 2005.

LEMOS, F. C. S. et al. Algumas interrogações acerca das produções midiáticas sobre a juventude. Fractal: Revista de Psicologia, Niterói, v. 26, n. 2, p. 415-428, Maio/Ago. 2014.

MAYORGA, C. et al. Gênero, feminismo e psicologia social no Brasil: análise da revista Psicologia & Sociedade (1996-2010). Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v. 28, n. 3, p. 589-603, 2016.

MAYORGA, C. et al. Protagonismo juvenil: a politização do jovem ou a redução da ação política?. In: BARBOSA, J. L.; SOUZA E SILVA, J. SOUSA, A. I. (Org.). Políticas Públicas e Juventude. Rio de Janeiro/RJ: Coleção Grandes Temas do Conexões de Saberes, 2009.

MENEZES FILHO, N. A.; CABANAS, P. H. F.; KOMATSU, B. K. A condição “nem – nem” entre os jovens é permanente? Policy Paper, São Paulo, n. 7, Ago. 2013.

MONTEIRO, J. Quem são os jovens Nem-Nem?: uma análise sobre os jovens que não estudam e não participam do mercado de trabalho. Texto para Discussão n.34, FGV-IBRE, Rio de Janeiro, Set. 2013.

ROSE, N. Inventando nossos selfs: psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

SHAW, C.; McKAY, H. Juvenile delinquency and urban areas. Chicago: The University of Chicago Press, 1928.

SILVA JUNIOR, P. R.; MAYORGA, C. Experiências de jovens pobres participantes de programas de aprendizagem profissional. Psicologia & Sociedade (Online), v.28, n. 2, p. 298-308, 2016.

SOBRINHO, A. L. S. “Jovens de Projetos” nas ONGs: olhares e vivências entre o engajamento político e o trabalho no “social”. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2012.

SOUZA, J. A má-fé da sociedade e a naturalização da ralé. In: SOUZA, L. (Org.). A ralé brasileira: quem é e como vive. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2009. p. 385-431.

SPOSITO, M. P. Juventude e Educação: interações entre educação escolar e a educação não-formal. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 33(2), p. 83-98, Jul/Dez. 2008.

SPOSITO, M. P., SILVA, H. H. C.; SOUZA, N. S. Juventude e poder local: um balanço de iniciativas voltadas para jovens em municípios de regiões metropolitanas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, n. 32, p. 238-257, Maio/Ago. 2006.

TOMMASI, L. “Juventude em pauta”: a juventude como campo de intervenção social. Projeto de Pesquisa, Departamento de Sociologia, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro. Documento não publicado. 2010.

TOMMASI, L. Enfoques y prácticas de trabajo con los jóvenes. Una mirada de las organizaciones no gobernamentales brasileñas. JOVENes, Revista de Estudios sobre Juventud, México, v. 9, n. 22, p. 48-69, 2005.

ZALUAR, A. M. Da Revolta ao Crime S.A. Rio de Janeiro: Moderna, 1996.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 DESIDADES - Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902