A escuta de crianças no sistema de Justiça no Brasil: Ações e Indagações

Leila Torraca

Resumo


Entrevista de Tatiana Fernandes com Leila Maria Torraca de Brito

Uma criança, na mais tenra idade, com três, quatro anos, pode falar e ser escutada no sistema judiciário? O que ela tem a dizer e como essa escuta pode protegê-la de um possível abusador ou torná-la ainda mais fragilizada diante das consequências inevitáveis da sua fala? Na seção Espaço Aberto, DESidades traz a entrevista “A escuta de crianças no sistema de justiça no Brasil: ações e indagações”, conduzida por Tatiana Fernandes, mestranda do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, com a pesquisadora Leila Maria Torraca de Brito, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Em uma entrevista delicada e, ao mesmo tempo, densa, as pesquisadoras trouxeram à tona questões difíceis para as famílias e para os profissionais que precisam lidar com a realidade de crianças que têm algo a dizer sobre as violências pelas quais passaram numa idade em que ainda nada sabem sobre seus direitos, mas conhecem a dor e a tristeza a que a violência as sujeita.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 DESIDADES - Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude



NIPIAC / Instituto de Psicologia - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Av. Pasteur, 250 -- Urca, Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902
+55 (21) 2295-3208 / +55 (21) 3839-5328