Desastres socioambientais em comunidades ocupadas por mineradoras: qual o impacto do conflito na vida dos jovens?

Célia Dias, Rafael Prosdocimi

Resumo


Entrevista de Célia Dias com Rafael Prosdocimi

O desenvolvimento capitalista tem ingressado de forma avassaladora na exploração dos recursos naturais no Brasil. A presença de grandes corporações, como as mineradoras, não pode ser analisada apenas do ponto de vista do desenvolvimento econômico, mas, principalmente, das transformações culturais e sociais que impõem às comunidades nativas dos territórios explorados. Na seção Espaço Aberto, DESidades traz a entrevista “Desastres socioambientais em comunidades ocupadas por mineradoras: qual o impacto dos conflitos na vida dos jovens”, conduzida por Célia Dias, ambientalista e Doutora em Geografia, com Rafael Prosdocimi, que é Doutor em Psicologia e tem desenvolvido pesquisas sobre o impacto das mineradoras na vida e na perspectiva dos jovens que vivem em regiões marcadas pela exploração de minério. Em um diálogo atual e ainda impregnado por um dos maiores crimes socioambientais de nossa história, que foi a ruptura de barreiras da Mineradora

Samarco, em Mariana (MG), os pesquisadores analisam tanto as expectativas que se criam entre os jovens com a presença de atores ligados ao grande capital de exploração mineral, quanto a forma como tradição e desenvolvimento ainda se apresentam enquanto campos de tensão e dissenso entre as distintas gerações destas localidades.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 DESIDADES - Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude



NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902