As crianças e suas relações com as tecnologias da informação e comunicação: um estudo em escolas peruanas

Patricia Ames

Resumo


Este artigo propõe a necessidade de revisar categorias conceituais enraizadas no senso comum
de pais e professores, que desconhecem as formas desiguais de impacto da cultura digital na
vida de crianças e jovens. São revisadas as noções de nativos digitais e imigrantes digitais, as quais associam o primeiro conceito ao mundo infantil e juvenil, e o segundo ao mundo adulto, o que implica em correr o risco de essencializar e descontextualizar experiências sociais e pessoais, ao considerá-las como geracionais. Essa visão dicotômica tem consequências e, em
certos casos, pode acarretar, no âmbito educacional, em decisões errôneas com relação ao quê
e a como ensinar (ou não ensinar). Dessa maneira, as desigualdades sociais que as crianças e os
jovens trazem ao espaço educativo são fortalecidas, e esse espaço deixa de compensar o acesso
desigual a certos recursos e conhecimentos.
Palavras-chave: acesso às TIC, condições socioeconômicas, educação e TIC, imigrantes digitais, nativos digitais.


Texto completo:

PDF

Referências


BARTON, D.; HAMILTON, M. Local literacies: Reading and writing in one community. New York: Routledge, 1998.

BENÍTEZ LARGHI, S.; LEMUS, M. Juventud desigualdades y TIC. 2012. Ponencia presentada a las VII Jornadas de Sociología de la Universidad Nacional de La Plata, Argentina, 2012.

BOURDIEU, P.; J. C. PASSERON. Los herederos. Los estudiantes y la cultura. Buenos Aires: Siglo XXI, 2003.

BOURDIEU, P. The forms of capital. In: RICHARDSON, J. (Org.). Handbook of theory and research for the sociology of education. New York: Greenwood, 1986. p. 241-258.

DUSSEL, I. Aprender y enseñar en la cultura digital. 2. ed. Lima: Santillana, 2014.

GAITÁN, L. La nueva sociología de la infancia. Aportaciones de una mirada distinta. Política y Sociedad. v. 43, n.1, p. 9-26, 2006.

GEE, J. P. Situated language and learning. A critique of traditional schooling. New York: Routledge, 2004.

MASON, L.; JUNYENT, A. A.; TORNATORA, M. C. Epistemic evaluation and comprehension of web-source information on controversial science-related topics: Effects of a short-term instructional intervention. Computers & Education, v. 76, p. 143-157, 2014.

ORGANIZACIÓN DE ESTADOS IBEROAMERICANOS (OEI). Experiencias 1 a 1 en América Latina. Buenos Aires: OEI, 2011.

PEDRÓ, F. Modelos pedagógicos y cultura digital: aprender de los alumnos. Ruta Maestra, Bogotá, n. 9, 13-16, 2015.

PRENSKY, M. Digital natives, digital immigrants. On the Horizon, v. 9, n.5, p. 1-6, 2001.

STREET, B. Social literacies: Critical approaches to literacy in ethnography and development. New York: Longman, 1995.

TRINIDAD, R.; ZLACHEVSKY, N. Jugar en contextos tecnológicos: uso y disfrute de internet por niños y niñas de 8 a 10 años en Argentina, Paraguay y Perú. Contratexto, n. 21, p. 211-227, 2013.

WARSCHAUER, M.; NIIYA, M. Medios digitales e inclusión social. Revista Peruana de Investigación Educativa, n. 6, p. 9-32, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902