Maternidade, crianças e cuidado: Um olhar a partir de uma política de acesso à água no semiárido brasileiro

Marcela Rabello de C. Centelhas

Resumo


Neste artigo, analisamos a execução de uma política de acesso à água em uma comunidade quilombola do agreste de Pernambuco com o intuito de pensar como concepções distintas de saúde, corpo e higiene incidem sobre as relações entre as mães e as crianças. Investigamos de que forma o discurso estatal elege esses grupos sociais como alvo de suas ações, criando dispositivos de regulação e controle que colocam em primeiro plano práticas de cuidado produtoras de corporalidades e coletividades. Essas práticas, vistas a partir das relações de classe, gênero, raça e geração que as engendram, se desdobram em mecanismos de avaliação pública tanto do comportamento e temperamento das crianças, como do exercício da maternidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE JUNIOR, D. M. A invenção do Nordeste. São Paulo: Cortez Editora, 2009.

CENTELHAS, M. R. C. Nas águas das políticas: as mulheres, as cisternas e o curso da vida no agreste pernambucano. 2019. Tese (Doutorado em Antropologia Social) — Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2019.

DAVIS, P. G. Para além da “crise da água”: reflexões acerca da relação entre água, processos de formação de Estado e sociedade a partir de Itu (SP). 2018. Tese (Doutorado em Antropologia Social) — Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

DOUGLAS, M. Pureza e Perigo. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2012.

ELIAS, N. O processo civilizador. Volume 1. Uma História dos Costumes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1990.

EQUIPE NIÑEZ PLURAL. Infância, alteridade e cuidado: reflexões para um campo em construção. DESIDADES, número 25, ano 7, p. 48-58, 2019.

EVANS-PRITCHARD, E. E. Bruxaria, oráculos e magia entre os Azande. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 2005.

FANON, F. Os condenados da terra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

FERNANDES, C. Figuras da causação: sexualidade feminina, reprodução e acusações no discurso popular e nas políticas de Estado. 2017. Tese (Doutorado em Antropologia Social) — Programa de Pós-graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

FERNANDES, C. O tempo do cuidado: batalhas femininas por mobilidade e autonomia. In: RANGEL, E.; FERNANDES, C.; LIMA, F. (Orgs.). (Des)Prazer da norma. Rio de Janeiro: Papéis Selvagens, 2018.

FONSECA, C. Olhares antropológicos sobre a família contemporânea . In: ALTHOFF, R.; ELSEN, I.; NITSCHKE, R.; (Orgs.). Pesquisando a família: olhares contemporâneos. Florianópolis: Papa-livro editora, 2002.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade 2: O Uso dos Prazeres. São Paulo: Graal, 2010.

LANGDON, E. J. Os diálogos da antropologia com a saúde: contribuições para as políticas públicas. Ciênc. da Saúde Coletiva, v. 19, n. 4, p. 1019-1029, 2014.

LANGODN, E. J., WIIK, F. B. Antropologia, saúde e doença: uma introdução ao conceito de cultura aplicado às ciências da saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem, v. 18, n. 3, p. 173-181, 2010. Disponível em: . Acesso em: 02 ago. 2020.

MACEDO, M. Mulheres chefes de família e a perspectiva de gênero: trajetória de um tema e a crítica sobre a feminização da pobreza. Cad. CRH, Salvador, v. 21, n. 53, p. 385-399, 2008 .

MATTAR, L.; DINIZ, C. Hierarquias reprodutivas: maternidade e desigualdades no exercício de direitos humanos pelas mulheres. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 16, n. 40, p. 107-120, 2012 .

MELLO, J. Estratégias de superação da pobreza no Brasil e seus impactos no meio rural. Rio de Janeiro: IPEA, 2018.

MOLYNEUX, M. Mothers at the service of the new poverty agenda: Mexico’s condicio- nal transfer programme. Social Policy & Administration, v. 40, n. 4, p. 425-449, 2006.

PATERNIANI, S. Z. São Paulo cidade negra: branquidade e afrofuturismo a partir de lutas por moradia. 2019. Tese (Doutorado em Antropologia) — Universidade de Brasília, Brasília, 2019.

PEIRANO, M. Etnografia não é método. Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 20, n. 42, p. 377-391, 2014.

PIRES, F.; JARDIM, G. A. Geração Bolsa Família: Escolarização, trabalho infantil e consumo na casa sertaneja, RBCS, vol. 29, n. 85, p. 99-222, 2014.

QUIJANO, M. A. F. Social policy for poor rural people in Colombia: reinforcing traditional gender roles and identities? Social Policy & Administration, v. 43, n. 4, p. 397-408, 2009.

REGO, W. PINZANI, A. Vozes do Bolsa Família. Autonomia, dinheiro e cidadania. São Paulo: Editora Unesp, 2014.

SAID, E. Orientalismo. O Oriente como invenção do Ocidente. Tradução Tomás Rosa Bueno. Companhia das Letras: São Paulo, 1996.

SOARES, D. N. Gênero e água. Desenhos do norte, alternativas do Sul. 2009. Tese (Doutorado em Sociologia) — Programa de Pós-graduação em Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2009.

SPRANDEL, M. A pobreza no paraíso tropical: interpretações e discursos sobre o Brasil. Rio de Janeiro: Relume e Dumará, 2004.

MARINS, M. T. Bolsa família: questões de gênero e moralidades. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2018.

VON DER WEID, O. Entre o Cuidado e a Autonomia: Deficiência visual e relações de ajuda. Revista ANTHROPOLÓGICAS, ano 22, v. 29, n. 2, p. 49-82, 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902