Circuitos e circulação de crianças e adolescentes no centro de São Paulo: as políticas de saúde entre cuidado e controle

Gabriel Rocha Teixeira Mendes, Maria Cristina G. Vicentin

Resumo


Este artigo discute, a partir dos modos de circulação de crianças e adolescentes em “situação de rua” no centro de São Paulo, os seus encontros e desencontros com as políticas públicas. O artigo se apoia em pesquisa de mestrado que teve como metodologia a cartografia, tendo acompanhado, com a equipe de um serviço de saúde mental, em 2018, dois grupos de crianças nos bairros da Luz e da Praça da Sé. Os acompanhamentos foram registrados na forma de diários de campo e trabalhados como narrativas. Procurou-se analisar os usos que são feitos dos serviços pelas crianças, o que acaba por engendrar um circuito institucional específico. Em direção contrária à ideia propagada pelos operadores estatais de que meninos e meninas em tais condições não “aderem” às políticas, considera-se que eles não apenas forjam usos inauditos de políticas sociais, mas também seus modos de vida conservam singularidades que despontam como desafios às políticas públicas.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Lei n. 8.069/90. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências, 1990a.

BRASIL. Lei n. 8.080/90. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências, 1990b.

BRASIL. Lei nº 8742/93. Dispõe sobre a organização da Assistência Social, 1993.

BRASIL. Política Nacional para Inclusão Social da População em situação de Rua. DF, maio de 2008.

BRASIL. Acessar Unidade de Acolhimento. Disponível em: . Acesso em 06 nov. 2020.

DELEUZE, G. Tornar audíveis forças não-audíveis por si mesmas. In: Dois regimes de loucos. Edição preparada por David Lapoujade. Trad: Guilherme Ivo. São Paulo: Editora 34, 2016.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, Vol. 1. Trad: Ana Lucia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 2011.

DELEUZE, G., GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia 2, vol. 5. Trad: Peter Pál Pelbart e Janice Caiafa. São Paulo: Editora 34, 2012.

FANON, F. Os condenados da terra. Tradução: Eunice Albergaria Rocha, Lucy Magalhães. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2005.

FERREIRA, R. M. S. Meninos da rua: expectativas e valores de menores marginalizados em São Paulo. São Paulo: CJP, 1979.

FRÚGOLI Jr., H; SKLAIR, J. O bairro da Luz em São Paulo: questões antropológicas sobre o fenômeno da gentrification. Cadernos de Antropologia Social, nº 30, p. 119-136, 2009.

GREGORI, M. F. Viração: experiência de meninos nas ruas. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

LEMKE, R. A. A itinerância e suas implicações na construção de um ethos do cuidado. 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia), Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

LOURAU, R. René Lourau na UERJ: análise institucional e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ, 1993.

MALFITANO, A. P. S. A Tessitura da Rede: Entre pontos e espaços. Políticas e Programas Sociais de Atenção à Juventude ¬¬- A Situação de Rua em Campinas, SP. 2008. Tese (Doutorado em Saúde Pública), Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

MELO, E. R. Crianças e Adolescentes em situação de rua: direitos humanos e justiça. Uma Reflexão Crítica sobre a Garantia de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua e o Sistema de Justiça no Brasil. São Paulo: Maleiros Editores, 2011.

MENDES, G.R.T. Circulação de Crianças e adolescentes no centro de São Paulo: entre liberdades e controles. 2019. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social), Faculdade de Ciências Humanas e da Saúde, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2019.

MEDEIROS, L. G; LEMOS, F. C. S. A produção da “circulação de crianças”: entre capturas e nomadismos. Estudos e Pesquisas em Psicologia, Rio de Janeiro, v.11, n.3, p. 933-947, 2011.

MEUNIER, J. Os moleques de Bogotá. Tradução de Lima Dantas. Rio de Janeiro: Difel, 1978.

MEUNIER, J. Itinerário de uma criança normanda. In: Adauto Novaes (Org.). A Outra margem do ocidente. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

NASSER, M. M. S. Cracolândia como campo de gravitação: a gestão da circulação de pessoas com acesso precário à moradia. Revista do Núcleo de Antropologia Urbana USP, n. 21, ano 2017.

ORTIZ, E. Por que não dancei. (coord.) Gilberto Dimenstein. São Paulo: SENAC, 2010.

PASSOS, E.; BARROS, R. B. A cartografia como método de pesquisa intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs). Pistas do método da cartografia: Pesquisa intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015a.

PASSOS, E.; BARROS, R. B. Diário de bordo de uma viagem-intervenção. In: PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.) Pistas do método da cartografia: Pesquisa intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015b.

RAUPP, L.; ADORNO, R. C. F. Circuitos de crack na região central da cidade de São Paulo. Revista Ciência & Saúde Coletiva, vol. 16, nº 5, 2011, p. 2613-2622.

RIZZINI, I.; PILOTTI, F. A arte de governar crianças: a história das políticas sociais, da legislação e da assistência à infância no Brasil. São Paulo: Cortez, 2011.

ROSEMBERG, F. Estimativa de crianças e adolescentes em situação de rua na cidade de São Paulo. Cadernos de Pesquisa, n. 91, 1994, p. 30-45.

RUI, T. Nas tramas do crack: etnografia da abjeção. São Paulo: Terceiro Nome, 2014.

RUI, T.; MALLART, F. Por uma etnografia das transversalidades urbanas: entre o mundão e os dispositivos de controle. 39º encontro Anual da ANPOCS, 2015. Disponível em: . Acesso em 28 nov. 2020.

SÃO PAULO. Secretaria De Assistência e Desenvolvimento Social, Portaria nº 46/2010/SMADS. Disponível em: . Acesso em 06 nov. 2020.

SÃO PAULO. I Encontro municipal de CAPS Infantojuvenil – CAPSij. São Paulo, 19 e 20 de abril, 2016. Disponível em: . Acesso em 06 nov. 2020.

SÃO PAULO. Serviço de Acolhimento Institucional para Crianças e Adolescentes. São Paulo, 2018a. Disponível em: . Acesso em 06 nov. 2020.

SÃO PAULO. CRATOD: Referência multidisciplinar no tratamento de dependência química. São Paulo, 2018b. Disponível em: . Acesso em 06 nov. 2020.

SÃO PAULO. Centro de Pesquisa e Memória Técnica (CPMT), 2019. Disponível em: . Acesso em 30 set. 2020.

STOECKLIN, D. Das potencialidades de crianças e adolescentes em situação de rua ao desenvolvimento social. In: RIZZINI, I. (Org). Vida nas ruas: crianças e adolescentes nas ruas: trajetórias inevitáveis. Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, Loyola, 2003.

VICENTIN, M. G.; ASSIS, D. A. D.; JOIA, J. H. O direito de crianças e adolescentes ao cuidado em saúde mental: tensões entre proteção e tutela no caso do uso de drogas. Revista Diké, Aracaju, ano IV, vol. I, jan./jul. 2015, p. 21-50.

VICENTIN, M. G.; ASSIS, D. A. D.; JOIA, J. H. O; OLIVEIRA, A. O que as trajetórias de atenção a crianças e adolescentes que fazem uso de drogas nos ensinam sobre o cuidado em rede? In: LAURIDSEN-RIBEIRO, E.; LYKOUROPOULOS, C. B. (Orgs.). O CAPSi e o desafio da gestão em rede. São Paulo: Hucitec, 2016, v.1, p. 265-279.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902