Meninos não choram: estudo sobre um caso de abuso sexual infantil

Leonardo Ribeiro Gonçalves de Oliveira, Leonardo Câmara, Fernanda Canavêz

Resumo


O presente artigo tem o objetivo de discutir as dificuldades que podem surgir no acompanhamento a crianças envolvidas em relações abusivas. Para tanto, apresentou-se estudo de caso realizado com o intuito de responder como se deu o acompanhamento de um caso de criança vítima de abuso sexual atendido pelo CREAS em um município de médio porte do Estado do Rio de Janeiro. Esse estudo, de um único caso, foi elaborado segundo os fundamentos do caso revelador. Utilizou-se como referencial teórico para análise dos dados a teoria ferencziana do trauma. O estudo indicou a importância de reuniões para discussões de casos em rede como forma de diluir, por meio do debate a respeito das diversas percepções, os mecanismos de defesa dos profissionais diante do horror da violência. A leitura de Ferenczi aponta que, no atendimento a crianças que sofrem abusos, uma postura de reconhecimento da vulnerabilidade é fundamental, porém, aparenta não ser o suficiente. O caso concreto estudado indicou que não é possível falar em reconhecimento do sofrimento dos infantes sem que isto esteja articulado a tentativas urgentes de reparações que interrompam, de forma definitiva, o ciclo de violência.

 

Palavras-chave: abuso sexual infantil, política pública, psicanálise, teoria do trauma, Ferenczi.


Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, E. Proteção integral à criança e ao adolescente: proteção versus autonomia. Psicologia clínica, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 431-450, 2009.

ARIÉS, P. O Sentimento da Infância. In: História social da criança e da família. Rio de Janeiro: LTC – Livros Técnicos e Científicos Editora S.A.,1981. p.29-164.

BAND. Amor em meio à violência: pai incentiva filha a rir com sons de ataques aéreos na Síria. Youtube, 18 de fev. 2020. Disponível em . Acesso em 25 de ago. 2020.

BRASIL. Lei n. 8.069, de 13 de julho 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Disponível em . Acesso em 25 de ago. 2020.

BRASIL. Lei n. 13.431, de 4 de abril de 2017. Estabelece o sistema de garantia de direitos da criança e do adolescente vítima ou testemunha de violência e altera a Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente). Disponível em . Acesso em 25 de ago. 2020.

CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA. Manual de atendimento às crianças e adolescentes vítimas de violência. Brasília, 2018.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Referências técnicas para atuação de psicólogas(os) na rede de proteção às crianças e adolescentes em situação de violência sexual. Brasília, 2020.

COUTO, G. B. D. A.; BORGES, A. M. Ser criança em movimento: ontologias e alteridade na pesquisa com crianças. Desidades: Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude, v. 21, p. 83-93, 2018.

DAL MOLIN, E. C. O terceiro tempo do trauma: Freud, Ferenczi e o desenho de um conceito. São Paulo: Perspectiva, 2016.

DOLTO, F. A imagem inconsciente do corpo. São Paulo: Perspectiva, 2002.

FERENCZI, S. O conceito de introjeção. In: Sándor Ferenczi Obras completas 1. São Paulo: Martins Fontes, 1992a, p. 181-184. (Original 1912).

FERENCZI, S. Análise de crianças com adultos. In: Sándor Ferenczi Obras completas 4. São Paulo: Martins Fontes, 1992b, p. 69-83. (Original 1931).

FERENCZI, S. Confusão de língua entre os adultos e a criança. In: Sándor Ferenczi Obras completas 4. São Paulo: Martins Fontes, 1992c, p. 97-108. (Original 1933).

FERENCZI, S. Reflexões sobre o trauma. In: Sándor Ferenczi Obras completas 4. São Paulo: Martins Fontes, 1992d, p.109-117. (Original 1934).

FIGUEIREDO, L. C. Modernidade, trauma e dissociação. In: Elementos para a Clínica Contemporânea. São Paulo: Escuta, 2018. cap. 1, p. 11-42.

GONDAR, J. Ferenczi como pensador político. Cadernos de psicanálise, Rio de Janeiro, v. 34, n. 27, p. 193-210, 2012.

KILOMBA, G. A máscara. In: Memórias da plantação. Rio de Janeiro: Gobogó ed, 2019. cap. 1, p. 33-46.

KUPERMANN, D. A “desautorização” em Ferenczi: do trauma sexual ao trauma social. Cult, v. 18, n. 205, p. 39-45, set. 2015.

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE A FOME. Orientações Técnicas: Centro de referência especializado de Assistência Social - CREAS. Brasília, 2011.

NAVASCONI, P. V. P. Uma releitura do texto “the Mask” de Grada Kilomba e sua importância para se pensar uma psicologia decolonial. Revista Neiab, v. 02, n. 02, p. 1-19, 2018.

OLIVEIRA, L. R. G.; GULJOR, A. P. F.; VERZTMAN, J. S. Inclusão da diferença e reinternação psiquiátrica: estudo através de um “caso traçador”. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, v.18, n. 03, p. 504-518, 2015.

PINHEIRO, T. Ferenczi: do grito à palavra. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

SCMICKLER, C. M.; RECH, L. K.; GOMES, V. V. Denunciar pode significar incluir: reflexões sobre o espaço da denúncia de violência contra crianças e adolescentes, Revista Katálysis, v. 6, n. 1, p. 76-84, 2003.

SMITH C. P.; FREYD J. J. Institutional betrayal. American Psychologist, v. 69, n. 6, p. 575-587, 2014.

VIEIRA, P. R.; GARCIA, L. P.; MACIEL, E. L. N. (2020). Isolamento social e o aumento da violência doméstica: o que isso nos revela? Revista Brasileira de Epidemiologia [online], v. 23. Disponível em: . Acessado em: 03 de set. 2020.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. Porto Alegre: Bookman, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902