Mãe social: a construção de um paradigma de cuidado materno nos espaços de acolhimento institucional

Daniela Ramos de Oliveira, Anna Paula Uziel

Resumo


Este artigo se propõe a discutir a função de mães sociais, cuidadoras de crianças e adolescentes
em situação de acolhimento institucional, que devem proporcionar um ambiente familiar
nesses espaços. Propomos uma reflexão sobre sua atuação a partir de alguns autores,
problematizando o lugar híbrido que experimentam em seu exercício profissional. Pretende-se
refletir de que forma seu papel contribui para a garantia de direitos de crianças e adolescentes
nesse contexto, buscando os atravessamentos de dispositivos de poder nessa função, a partir
do olhar de Foucault e outros autores afins.
Palavras-chave: mãe social, abrigos, maternidade, garantia de direitos de crianças e adolescentes, dispositivos
de poder.


Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, E. M. M. Rostos de crianças no Brasil. In: PILOTTI, F.; RIZZINI, I. (Org.). A arte de governar crianças. Rio de Janeiro: Ed. Universitária Santa Úrsula, 1995.

BADINTER, E. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BENEVIDES, R. D.; JOSEPHSON, S. C. A invenção das massas: a psicologia entre o controle e a resistência. In: JACÓ-VILELA, A. M.; FERREIRA, A. A. L.; PORTUGAL, F. T. (Org.). História da Psicologia: rumos e percursos. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2014.

BRASIL. Lei nº 12.010, de 3 de agosto de 2009. Dispõe sobre adoção; altera as Leis nº 8.069, de 13 de julho de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992 e dá outras providências. DOU, Brasília, 02 de setembro de 2009.

BRASIL. Lei nº 7.644, de 18 de dezembro de 1987. Dispõe sobre a Regulamentação da Atividade de Mãe Social e dá Outras Providências. DOU, Brasília, 21 de dezembro de 1987.

COIMBRA, C. M. B. Operação Rio: o mito das classes perigosas. Rio de Janeiro: Oficina do Autor, 2001.

COIMBRA, C. M. B. Classes perigosas: uma pequena genealogia. In: FERREIRA, G.; FONSECA, P. (Org.). Conversando em casa. Rio de Janeiro: 7 letras, 2000. p. 56-65.

FIGUEIREDO, N. Mãe Social: um estudo psicanalítico sobre a opção profissional de ser mãe, 2006. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica, Belo Horizonte, 2006.

FRANÇA, D. B. Mãe Social: o mito de reprodução do amor materno nas instituições de abrigo. 2005. Disponível em: http://www,passosdeintegracao.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=90&Itemid=2 Acesso em: 5 set. 2009.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1987.

GMEINER, H. As aldeias infantis SOS. Porto Alegre: Litocolor, 1976.

LIMA, A. Ser mãe eu sei, o que agora falta é social: sobre o processo de constituição de identidade profissional no acolhimento institucional de crianças, 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2009.

MANCEBO, D. Indivíduo e Psicologia: gênese e desenvolvimento atuais. In: JACÓ-VIELA, A. M.; MANCEBO, D. Psicologia Social: Abordagens Sócio-Históricas e desafios contemporâneos. 2. ed. Rio de Janeiro: Eduerj, 2004.

NOGUEIRA, P.; COSTA, L. Mãe Social: profissão? Função materna? Estilos da clínica, São Paulo, v. 10, n. 19, p. 162-181, dez. 2005a.

NOGUEIRA, P.; COSTA, L. A criança, a mãe social e o abrigo: limites e possibilidades. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 36-48, dez. 2005b.

OLIVEIRA, D. R. Os dilemas de uma mãe social: um percurso entre suas memórias, desafios e limitações, 2007. Monografia (Graduação em Psicologia) – Universidade Veiga de Almeida, Rio de Janeiro, 2007.

OLIVEIRA, D. R. Maternidade, missão e renúncia: um estudo sobre a opção de ser mãe social, 2011. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

RIZZINI, I.; RIZZINI, I. A institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafios do presente. São Paulo: Editora Puc Rio, 2004.

ROSE, N. Como se deve fazer a história do eu? Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 26, n. 1, jan./jul. 2001.

SÁ, E. Limites e possibilidades da mãe social nas casas lares, 29 de outubro de 1998. Disponível em: http://www.lerparaver.com/node/159. Acesso em: 26 mar. 2007.

VIANNA, A. R. B. Quem deve guardar as crianças? Dimensões tutelares da gestão contemporânea da infância. In: LIMA, A. C. S. (Org.). Gestar e gerir: estudos para uma antropologia da administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002. p. 271-312.

VIANNA, A. R. B. O mal que se adivinha: política e menoridade no Rio de Janeiro 1910-1920. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 DESIDADES - Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902