Madre Social: la construcción de un paradigma de cuidado maternal en los centros de acogida institucional

Daniela Ramos de Oliveira, Anna Paula Uziel

Resumo


Este artículo se propone discutir la función de madres sociales, cuidadoras de niñas, niños y
adolescentes en situación de acogida institucional, que deben proporcionar un ambiente
familiar en esos espacios. Proponemos una reflexión sobre su actuación a partir de algunos
autores, problematizando el lugar híbrido que experimentan en su ejercicio profesional. Se
pretende reflexionar de qué forma su papel contribuye con la garantía de derechos de niñas,
niños y adolescentes en ese contexto, buscando los atravesamientos de dispositivos de poder
en esa función, a partir de la mirada de Foucault y otros autores afines.
Palabras clave: madre social, centros de acogida, maternidad, garantía de derechos de niñas, niños y
adolescentes, dispositivos de poder


Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, E. M. M. Rostos de crianças no Brasil. In: PILOTTI, F.; RIZZINI, I. (Org.). A arte de governar crianças. Rio de Janeiro: Ed. Universitária Santa Úrsula, 1995.

BADINTER, E. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985.

BENEVIDES, R. D.; JOSEPHSON, S. C. A invenção das massas: a psicologia entre o controle e a resistência. In: JACÓ-VILELA, A. M.; FERREIRA, A. A. L.; PORTUGAL, F. T. (Org.). História da Psicologia: rumos e percursos. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2014.

BRASIL. Lei nº 12.010, de 3 de agosto de 2009. Dispõe sobre adoção; altera as Leis nº 8.069, de 13 de julho de 1990 – Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992 e dá outras providências. DOU, Brasília, 02 de setembro de 2009.

BRASIL. Lei nº 7.644, de 18 de dezembro de 1987. Dispõe sobre a Regulamentação da Atividade de Mãe Social e dá Outras Providências. DOU, Brasília, 21 de dezembro de 1987.

COIMBRA, C. M. B. Operação Rio: o mito das classes perigosas. Rio de Janeiro: Oficina do Autor, 2001.

COIMBRA, C. M. B. Classes perigosas: uma pequena genealogia. In: FERREIRA, G.; FONSECA, P. (Org.). Conversando em casa. Rio de Janeiro: 7 letras, 2000. p. 56-65.

FIGUEIREDO, N. Mãe Social: um estudo psicanalítico sobre a opção profissional de ser mãe, 2006. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Pontifícia Universidade Católica, Belo Horizonte, 2006.

FRANÇA, D. B. Mãe Social: o mito de reprodução do amor materno nas instituições de abrigo. 2005. Disponível em: http://www,passosdeintegracao.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=90&Itemid=2 Acesso em: 5 set. 2009.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1987.

GMEINER, H. As aldeias infantis SOS. Porto Alegre: Litocolor, 1976.

LIMA, A. Ser mãe eu sei, o que agora falta é social: sobre o processo de constituição de identidade profissional no acolhimento institucional de crianças, 2009. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2009.

MANCEBO, D. Indivíduo e Psicologia: gênese e desenvolvimento atuais. In: JACÓ-VIELA, A. M.; MANCEBO, D. Psicologia Social: Abordagens Sócio-Históricas e desafios contemporâneos. 2. ed. Rio de Janeiro: Eduerj, 2004.

NOGUEIRA, P.; COSTA, L. Mãe Social: profissão? Função materna? Estilos da clínica, São Paulo, v. 10, n. 19, p. 162-181, dez. 2005a.

NOGUEIRA, P.; COSTA, L. A criança, a mãe social e o abrigo: limites e possibilidades. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, São Paulo, v. 15, n. 3, p. 36-48, dez. 2005b.

OLIVEIRA, D. R. Os dilemas de uma mãe social: um percurso entre suas memórias, desafios e limitações, 2007. Monografia (Graduação em Psicologia) – Universidade Veiga de Almeida, Rio de Janeiro, 2007.

OLIVEIRA, D. R. Maternidade, missão e renúncia: um estudo sobre a opção de ser mãe social, 2011. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2011.

RIZZINI, I.; RIZZINI, I. A institucionalização de crianças no Brasil: percurso histórico e desafios do presente. São Paulo: Editora Puc Rio, 2004.

ROSE, N. Como se deve fazer a história do eu? Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 26, n. 1, jan./jul. 2001.

SÁ, E. Limites e possibilidades da mãe social nas casas lares, 29 de outubro de 1998. Disponível em: http://www.lerparaver.com/node/159. Acesso em: 26 mar. 2007.

VIANNA, A. R. B. Quem deve guardar as crianças? Dimensões tutelares da gestão contemporânea da infância. In: LIMA, A. C. S. (Org.). Gestar e gerir: estudos para uma antropologia da administração pública no Brasil. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002. p. 271-312.

VIANNA, A. R. B. O mal que se adivinha: política e menoridade no Rio de Janeiro 1910-1920. Rio de Janeiro: Arquivo Nacional, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 DESIDADES - Revista Eletrônica de Divulgação Científica da Infância e Juventude

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

NIPIAC – Núcleo Interdisciplinar de Pesquisa para a Infância e Adolescência Contemporâneas
Universidade Federal do Rio de Janeiro - Campus da Praia Vermelha
Av. Pasteur, 250 – Urca, Prédio da Decania do CFCH
Rio de Janeiro - RJ, Brasil | CEP 22.290-902