O aprofundamento da perspectiva subjetiva na escrita de Fernando Namora

Ana Carla Pacheco Lourenço Ferri

Resumo


O aprofundamento da perspectiva subjetiva na escrita de Fernando Namora, a partir da publicação do romance O Homem Disfarçado (1957), correspondeu às necessidades do nosso contexto histórico depois do início da Guerra Fria. Este trabalho propõe a análise de aspectos de nossa modernidade presentes na obra de Fernando Namora a partir da década de 1950, tais como o esfriamento das relações, a luta pela manutenção do status social, a fragilidade das máscaras sociais. O trabalho tem como objetivo ainda a observação de ideais que perpassam toda a trajetória literária do autor, como o desejo de pertencimento e a necessidade de convívio humano. Para tanto, pretende levantar cenas de O Homem Disfarçado e de outras narrativas de Fernando Namora que abordam esses aspectos.


Palavras-chave


Fernando Namora; narrativa portuguesa do século XX; humanismo subjetivo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35520/metamorfoses.2019.v16n1a28578

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Metamorfoses - Revista de Estudos Literários Luso-Afro-Brasileiros


Licença Creative Commons
A Revista Metamorfoses utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Indexadores e bases bibliográficas:

Google Acadêmico EZBSudoc  Base DRJI WorldCat  Diadorim