Hierarquia e mediação na trajetória do Duque de Caxias

Adriana Barreto de Souza

Resumo


A proposta desse artigo é refletir sobre dois momentos específicos da trajetória de Luiz Alves de Lima e Silva (futuro duque de Caxias) em que, no exercício de suas funções militares, ele teria exercido o papel de mediador. Um desses momentos foi quando assumiu o comando da Guarda de Municipais Permanentes, uma força policial criada em 1831 na corte imperial, em meio a levantes que uniam “povo e tropa”. O outro foi durante a Balaiada, em 1840, quando o então coronel acumulou as funções de presidente do Maranhão e comandante da Divisão Pacificadora do Norte.

Palavras-chave


Duque de Caxias; Hierarquia e mediação política; Militares e políticas

Texto completo:

PDF

Referências


ALENCAR, José de. O Marquês de Caxias. RJ: Typographia de J. Villeneuve, 1867.

ARAÚJO, Maria Raimunda. Documentos para a história da Balaiada. São Luís, FUNCMA, 2001.

CARVALHO, José Murilo de. A Construção da ordem. Teatro de Sombras. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, Relume-Dumará, 1996.

CASTRO, Celso. A invenção do Exército brasileiro. Rio de Janeiro, Zahar, 2002.

COSTA, Fernando Dores. Milícia e sociedade. In: BARATA, Manuel Themudo, TEIXEIRA, Nuno Severiano. História Militar de Portugal. Volume II. Lisboa Círculo dos Leitores, 2004.

COSTA, Fernando Marques da. (org.) Do Antigo Regime ao Liberalismo (1750-1850). Lisboa, Documento Histórico, 1989.

FRAGOSO, João, BICALHO, Maria Fernanda, GOUVÊA, Maria de Fátima (orgs.). O Antigo Regime nos Trópicos: a dinâmica imperial portuguesa (séculos XVIXVIII). Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2001.

FRAGOSO, João. A nobreza da República: notas sobre a formação da elite senhorial do Rio de Janeiro (séculos XVI e XVII). In: Topoi. RJ, v. 1, n. 1, p. 45-123, 2000.

GINZBURG, Carlo. Os pombos abriram os olhos: conspiração popular na Itália do século XVII. In: A Micro-História e outros ensaios. Lisboa/ Rio de Janeiro, Difel/ Betrand, 1989.

HESPANHA, António Manuel de. Cultura jurídica européia: síntese de um milênio. Portugal, Publicações Europa-América, 2003.

HESPANHA, António Manuel, XAVIER, ngela Barreto. As redes Clientelares. In:HESPANHA, António Manuel (org.). História de Portugal. O Antigo Regime. V.4. Lisboa, Editorial Estampa, 1998.

HOLLOWAY, Thomas. Polícia no Rio de Janeiro. Repressão e resistência numa cidade do século XIX. Rio de Janeiro, Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1997.

HUNTINGTON, Samuel. O Soldado e o Estado. Rio de Janeiro, Biblioteca do Exército, 1996.

LIMA, Patrício Augusto da Câmara. Reflexões sobre o Generalato do Conde de Caxias. Porto Alegre: Imprensa Isidoro José Lopes, 1846.

LORIGA, Sabina. Soldats, un laboratoire disciplinaire: l’armée piémontaise au XVIIIe. siècle. Paris, Mentha, 1991.

MATTOS, Ilmar Rohloff de. O tempo saquarema: a formação do Estado imperial. São Paulo, Hucitec, 1990.

POLLAK, Michael. Memória, esquecimento, silêncio. In: Estudos Históricos. RJ, vol 2, n.3: 3-15,1989.

REIS, Arthur Cezar Ferreira. “O Grão-Pará e o Maranhão”. In: HGCB. São Paulo, Difel, 1978.

SANTOS, Maria Januária Vilela. A Balaiada e a insurreição de escravos no Maranhão. São Paulo, Ed. Ática, 1983.

SERRA, Astolfo. Caxias e o seu governo civil na província do Maranhão. Rio de Janeiro, Biblioteca Militar, 1943.

SOUZA, Adriana Barreto de. Duque de Caxias, o homem por trás do monumento. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2008.

_________. O Exército na consolidação do Império: um estudo histórico sobre a política militar conservadora. RJ, Arquivo Nacional, 1999.

_________. A Serviço de Sua Majestade: a tradição militar portuguesa na composição do generalato brasileiro (1837-1850). In: CASTRO, Celso; IZECKSOHN, Vítor; KRAAY, Hendrik. (Org.). Nova História Militar Brasileira. Rio de Janeiro: FGV/Bom texto, 2004.

VAGTS, Alfred. History of militarism. New York, The Free Press, 1959.

VELHO, Gilberto e KUSCHNIR, Karina (orgs.). Mediação, Cultura e Política. Rio de Janeiro, Aeroplano, 2001.

VELHO, Gilberto. Projeto e metamorfose. Antropologia das sociedades complexas. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 1994.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Militares e Política

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.