A Marinha e o fim da monarquia: notas de pesquisa

José Miguel Arias Neto

Resumo


Pretende-se, neste texto, problematizar a emergência da República no Brasil e, mais especificamente para o envolvimento da oficialidade naval neste processo, uma vez que a historiografia brasileira se conformou tranquilamente com a imagem de uma Marinha monarquista projetada retrospectivamente pela memória florianista sobre a Revolta da Armada de 1893. A partir de um conjunto de correspondências trocadas entre oficiais liberais durante a guerra com o Paraguai, procurar-se-á verificar a formação de uma identidade militar que orientou determinada leitura do real e engendrou a participação de parte do oficialato naval na implantação da República. Estes indícios permitem apontar a necessidade de novos estudos sobre a problemática da participação dos oficiais de Marinha na construção da República Brasileira

Palavras-chave


Marinha brasileira; Marinha e crise da monarquia; Marinha e proclamação da república

Texto completo:

PDF

Referências


ABRANCHES. João M. Dunshee de. A Revolta da Armada e a Revolução Rio-Grandense: correspondência entre Saldanha da Gama e Silveira Martins. Rio de Janeiro: M. Abranches, 1914, (2 v.).

ALVES, Cláudia. O Exército como campo de constituição de sujeitos políticos no Império. Tese de Doutoramento. FFLCH-USP, 2000.

ARIAS NETO, José Miguel. A revolta da Armada de 1893: um fato construído. In JANOTTI, Maria de Lourdes M., PRADO, Maria Lígia C., OLIVEIRA, Cecilia Helena de S. (Orgs.). A história na política, a política na história. São Paulo : Alameda, 2006, p. 133-177.

CAMINHA, Herick M. História administrativa do Brasil: organização e administração do ministério da Marinha no Império. Rio de Janeiro: Fundação Centro de Formação do Servidor Público; Serviço de Documentação Geral da Marinha, 1986.

CASTRO, Celso, IZECKSOHN, Vitor, KRAAY, Hendrik (Orgs.). Nova história militar brasileira. Rio de Janeiro: FGV, 2004.

______. Os militares e a República. Rio de Janeiro: Zahar, 1995.

COSTA, Emília Viotti. Da monarquia à república. Momentos decisivos. 2ª. ed. São Paulo: Livraria Editora Ciências Humanas, 1979.

COSTA, Sérgio C. A diplomacia do marechal. 2 ed. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro & Editora Universidade de Brasília, 1979.

DIAS, Arthur. O problema naval: condições atuais da marinha de guerra e seu papel nos destinos do país. Rio de Janeiro: Oficina da Estatística, 1899.

FIGUEIREDO, Afonso C. Assis. A marinha de outrora. (subsídios para a história). Rio de Janeiro: Livraria Moderna, 1894. Anexo.

FIGUEIREDO, Afonso Celso de Assis. (Visconde de Ouro Preto). Advento da ditadura militar no Brasil. Paris: Pichon, 1891.

FREIRE, Felisbelo. História da revolta de 6 de setembro de 1893. Brasília: Editora da UNB, 1982.

HOLANDA, Sérgio Buarque. Do Império à República. In. História geral da civilização brasileira: o Brasil monárquico. 4 ed. São Paulo: DIFEL, 1985, t.2, v.5. p. 116.

JACEGUAY, Arthur. De Aspirante a almirante: minha fé de ofício documentada. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação Geral da Marinha, 1985, ( 2 v.).

JANOTTI, Maria de Lourdes M. “O diálogo convergente: políticos e historiadores no início da República”. In FREITAS, Marcos Cezar de (Org.). Historiografia brasileira em perspectiva. São Paulo: Contexto, 1998, p.119-43.

______. Os subversivos da república. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LOPES, Murilo Ribeiro. Rui Barbosa e a Marinha. Rio de Janeiro: Casa de Rui Barbosa, 1953.

MAYER, Arno. A força da tradição: a persistência do Antigo Regime. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

MELO, Américo Brasiliense de Almeida. Os programas dos partidos e o Segundo Império. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa; Brasília: Senado Federal, 1979, p.41-60.

MELO, Custódio de. Apontamentos para a história da revolução de 23 de novembro de 1891. Rio de Janeiro: Jornal do Comércio, 1953.

______. O governo provisório e a revolução de 1893. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938 (2.v.).

NABUCO, Joaquim. Um estadista do Império. 5 ed. Rio de Janeiro: Topbooks, 1997., p. 759.

PALHA, Garcez. Efemérides navais. 2 ed. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação Geral da Marinha, 1983.

PRADO, Eduardo. Fastos da ditadura militar no Brasil. 4 ed. Pelotas: Typographia da Livraria Americana, 1891.

QUEIROZ, Tito Henrique S. O associativismo militar no Brasil (1890-1940). Dissertação de mestrado em Ciência Política. Universidade Federal Fluminense, 1997.

SCHULZ, John. Exército na política: origens da intervenção militar (1850-1894). São Paulo: EDUSP, 1994.

SILVEIRA, Carlos Balthazar da. A revolta de 1893: um depoimento. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação da Marinha, 1990.

TAVARES, Raul. Prefácio. MOTA, Arthur Silveira da. Reminiscências da Guerra do Paraguai. 2 ed. Rio de Janeiro: Serviço de Documentação Geral da Marinha, 1982, p.,.22-3.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Militares e Política

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.