QUANDO OS DEUSES VISITARAM OS SERTÕES: A ANTIGUIDADE CLÁSSICA NOS CORDÉIS DE JOÃO MARTINS DE ATAÍDE

Airan dos Santos Borges de Oliveira

Resumo


O Cordel na forma atual é um gênero criado no Brasil, por brasileiros e no Nordeste, sobretudo no Sertão paraibano. Nos primeiros folhetos, os cordelistas apontavam para um Sertão inóspito, mas carregado de imagens idílicas, de heroísmos, de personagens que fugiam das normas estabelecidas por uma desejada sociedade moderna. No universo criado pelos poetas, personagens e espaços da Antiguidade são acessados para integrar as narrativas. Este artigo é dedicado ao estudo da recepção dos clássicos na obra atribuída a João Martins de Ataíde (1880-1959), sobretudo no cordel intitulado “Peleja de Manoel Raymundo com Manoel Campina” (edição publicada em Recife, em 1941). Esse estudo foi operacionalizado em duas frentes: na primeira, investigar-se-á a trajetória do poeta no contexto mais amplo do Cordel enquanto gênero literário. Em seguida, em diálogo com a Teoria da Argumentação de Chaïm Perelman e Lucie Olbrechts-Tyteca (1958), analisar-se-á como a mitologia clássica foi apropriada pelo cordelista na construção de sua narrativa poética.


Palavras-chave


História dos Sertões; cordéis nordestinos; recepção dos clássicos; mitologia greco-romana.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26770/phoinix.v26.1n08

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Airan dos Santos Borges de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADA POR

 
 
 
 
 

INSTITUCIONAL

Laboratório de História Antiga - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Largo de São Francisco, nº 1, sala 211 A - Centro, Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20051070 | Tel: +55 (21) 22210341, ramal 205 | www.lhia.historia.ufrj.br - laboratoriodehistoriaantiga@gmail.com