ÍON DE EURÍPIDES: A EXULTAÇÃO DE ATENAS NO ESPAÇO ECFRÁSTICO DA FACHADA DO TEMPLO DE APOLO EM DELFOS

Autores

Palavras-chave:

Atenas, Espaço, Écfrase, Identidade, Eurípides

Resumo

Nosso objetivo é examinar uma passagem específica (versos 184-218) da tragédia Íon de Eurípides, representada em algum momento entre 413 e 411 antes de Cristo (a.C.) nos palcos de Atenas. O excerto menciona, a partir de uma écfrase, parte do conjunto escultórico de uma das fachadas do templo de Apolo, em Delfos, cenário da peça. Ao mobilizar os elementos míticos presentes nessa fachada, Eurípides os vincula à própria identidade de Atenas. Pretendemos discutir a exultação de Atenas presente na écfrase e as implicações daí decorrentes relacionando-a ao momento singular de sua história, após o desastroso conflito com os siracusanos, que redundou em incontáveis perdas humanas, em um quadro de guerra que se arrastava havia mais de vinte anos.

Biografia do Autor

Márcia Cristina Lacerda Ribeiro, Universidade do Estado da Bahia

Professora de História Antiga da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Atua na Graduação em História e no Programa de Pós-Graduação em Ensino, Linguagem e Sociedade. Editora do periódico Perspectivas e Diálogos: Revista de História Social e Práticas de Ensino e conselheira da Editora da UNEB. Doutora em História pela FFLCH/USP. Pós-doutora em Arqueologia Clássica pelo MAE/USP, Brasil. Pesquisadora do Labeca (Laboratório de Estudos sobre a Cidade Antiga)/MAE/USP.

Referências

Documentação escrita

ÉSQUILO. Êumênides. Tradução: Jaa de Torrano. São Paulo: Iluminuras FAPESP, 2004.

EURÍPIDES. Íon. Tradução e notas de Frederico Lourenço. 2ª edição. Lisboa: Edições Colibri, 2005.

HERÓDOTO. Histórias. Tradução: Mário da Gama Kury. 2. ed. Brasília: UNB, 1988.

HESÍODO. Teogonia origem dos deuses. Tradução: Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 1992.

PAUSÂNIAS. Descripción de Grécia. Introdução, Tradução e Notas Maria Crus Herrero Ingelmo. Madrid: Gredos, 1994. v. I-X.

PÍNDARO. VII Pítica. Tradução: Diane Arnson Svarlien. 1990. Disponível em: <http://www.perseus.tufts.edu/hopper/text?doc=Perseus%3Atext%3A1999.01.0162%3Abook%3DP.%3Apoem%3D7>. Acesso em: 16 nov. 2012.

Referências bibliográficas

AMANDRY, Pierre. Delphi and its history. Greece an Archaeological Guide Editions, 1984.

ATHANASSAKI, L. Art and Politics in Euripides’ Ion: The Gigantomachi as Spetacle and model of Action. In: TOBIA, Ana M. Gonzalez de (org). Mito y performance, de Grecia a la modernidad. La Plata: 2010. P. 199-242.

BECKER, Andrew Sprague. Reading Poetry through a Distant Lens: Ecphrasis, Ancient Greek Rhetoricians, and thePseudo-Hesiodic "Shield of Herakles”. The American Journal of Philology, Vol. 113, No. 1, P. 5-24, 1992.

CAMP, J.M. The archaelogy of Athens. New Haven and London: Yale University Press, 2001.

CHALKIA, I. Lieux et espace dans la tragédie d’Euripide. Essai d’analyse sócio-culturelle. Ath. Altintzis. Thessaloniki, 1986.

CROISSANT, F. Les frontons du temple du IVe siècle. Relevès et restituitions de Kostis Iliakis. Fouilles de Delphes IV. Monuments Figurés Sculpture 7. École Française d’Athenes, 2003.

DUARTE, Adriane da Silva. Cena e Cenografia no Íon de Eurípides. Letras Clássicas, Vol. 18 n.1, p. 35-50, 2015.

GOLDHILL, Simon. What is Ékphrasis For? Classical Philology. Vol. 102, nº 1, p. 1-19, 2007.

HOMOLLE, T. Monuments figurés de Delphes. Les frontons du temple d'Apollon. Bulletin de Correspondance Hellénique, v. 26, p. 587-639, 1902.

LORAUX, N. L’autochtonie: une topique athénienne. Le mith dans l’espace civique. Annales. Économies, Societés, Civilisatons. Vol. 34 n. 1, p. 3-26, 1979.

MASTRONARDE, Donald. “Iconography and imagery in Euripides Íon”. Studies in Classical Antiquity, vol. 8, p. 163-176, 1975.

RAPOPORT, A. Symbolism and environmental design. Journal os Archictectural Education. Vol. 27, n 4. p. 58-63, 1974.

RAPOPORT, A. Aspectos Humanos de La forma urbana. Barcelona: GG, 1978.

RAPOPORT, A. The meaning of built environment: a non-verbal communication aprroach. University of Arizona Press, 1982.

ROMILLY, J. A Tragédia Grega. Lisboa: Ed. Setenta, 2008.

ROSIVACH, V. J. “Earthborns and olympians: the Parodos of the Íon”. The Classical Quartely. Cambridge University Press, New Series, v. 27, n. 2, p. 284-294, 1977.

SCOTT, M. Delphi and Olympia The Spatial Politics of Panhellenism in the Archaic and Classical Periods. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

ZACHARIA, Katerina. Converging Truths. Eurípides’ Ion and the Athenian Quest for Self-Definition. Boston: Brill, 2003.

ZEITLIN, Froma. The artful eye: vision, ecphrasis and spectacle in Euripidean theatre. In: GOLDHILL, S.; OSBORNE, R. (Org.). Art and Text in Ancient Greek Culture. Cambridge, p. 138-196, 1994.

ZEITLIN, Froma. Playing the Other: gender and society in classical greek literature. University of Chicago Press, 1996.

Publicado

2020-06-30

Como Citar

LACERDA RIBEIRO, Márcia Cristina. ÍON DE EURÍPIDES: A EXULTAÇÃO DE ATENAS NO ESPAÇO ECFRÁSTICO DA FACHADA DO TEMPLO DE APOLO EM DELFOS. PHOÎNIX, [S. l.], v. 27, n. 1, 2020. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/phoinix/article/view/38810. Acesso em: 13 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos