REPRESENTAÇÕES DO CONCEITO “PÃO E CIRCO” EM ROMA E NO BRASIL: UM ESTUDO COMPARATIVO

Lourdes M. G. C. Feitosa, Daniel Roberto R. Granetto

Resumo


Esta pesquisa teve por objetivo avaliar as diferentes apropriações do conceito “pão e circo” por mídias atuais brasileiras e comparar com o sentido dessa suposta política nas representações latinas e historiográficas. Para tanto, mediante uma abordagem qualitativa, foram utilizados os procedimentos de pesquisa bibliográfica e documental. Esta é composta por fontes primárias do período do Principado Romano, em especial documentos escritos de três autores latinos da aristocracia: Sêneca, Tácito e Juvenal. Além disso, foram analisadas cinco matérias veiculadas em sites eletrônicos de notícias, uma de cada canal selecionado, no contexto da Copa do Mundo de 2018, sendo três editoriais (Manaus Alerta, Terra, Causa Operária) e dois artigos de opinião (Gazeta do Povo, El País). Assim, foi verificado como cada matéria se apropriou e construiu significados para o panem et circenses. Por fim, como resultados, concluiu-se que há diversidade na maneira de entender o papel político e social da Copa do Mundo por parte de cada veículo midiático selecionado, relacionada às suas perspectivas políticas e ideológicas. Também pôde ser observado que muitos dos discursos presentes nas mídias examinadas possuem apropriações dos escritores latinos desta pesquisa, embora essa conexão não seja direta e consciente na maioria dos casos. Tais representações latinas serviram de base à construção da chamada “política do pão e circo” pela historiografia tradicional no século XIX, perspectiva que por vezes encontra terreno em análises sociológicas contemporâneas acerca do futebol no Brasil. Portanto, a presente pesquisa pretendeu refletir sobre as interações entre passado e presente investigando suas diversas apropriações políticas.


Palavras-chave


Pão e circo; Roma; Brasil; Futebol; Representação

Texto completo:

PDF

Referências


Documentação

Fontes literárias

JUVENAL. Sátiras. Traducción, estudio introductorio y notas de Bartolomé Segura Ramos. Madrid: CSIC, 1996.

SÉNECA. Cartas a Lucílio. Tradução J. A. Segurado e Campos. 2. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2004.

SÊNECA. Sobre a brevidade da vida. Sobre a firmeza do sábio. Tradução José Eduardo S. Lohner. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2017.

TACITO. As Historias. Tradução Berenice Xavier. 2 vols. Rio de Janeiro: Athena, 1937.

TÁCITO. Anais. Tradução Leopoldo Pereira. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1964.

Fontes midiáticas

A COPA é pão e circo? Causaoperaria.org.br, 03 jul. 2018. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2020.

ANGELIS, C. T. A queda dos espertos: perder no futebol para ganhar culturalmente. Gazetadopovo.com.br, 06 jul. 2018. Artigos. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2020.

O QUE é a política do Pão e Circo, ela ainda existe nos dias de hoje? Manausalerta.com.br, Manaus, 18 jun. 2018. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2020.

PIRES, B. Por que tanta gente torce contra a seleção. Brasil.elpais.com, São Paulo, 14 jun. 2018. Brasil. Opinião. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2020.

TORCER é também um ato político? Terra.com.br, 20 jun. 2018. Notícias. Disponível em: . Acesso em: 30 jan. 2020.

Referências bibliográficas

BRACHT, V. Sociologia crítica do esporte: uma introdução. 3. ed. Ijuí: Ed. Unijuí, 2005. (Coleção Educação Física).

BROHM, J-M. Sociologie politique du sport. Paris: Jena-Pierre Delarge, 1976.

CARCOPINO, J. Anfiteatro e suas matanças. In: ______. A vida cotidiana: Roma no apogeu do Império. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. p. 272-287.

CAVALCANTI, K. B. Esporte para Todos: um discurso ideológico. São Paulo: Ibrasa, 1984.

DAMATTA, R. Esporte na Sociedade: Um Ensaio sobre o Futebol Brasileiro. In: ______ (Org.). Universo do Futebol: esporte e sociedade brasileira. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982. p. 19-42.

DUNNING, E. Sport Matters: Sociological studies of sport, violence and civilization. London and New York: Routledge, 1999.

FAVERSANI, F. Panem et Circenses: breve análise de uma perspectiva de incompreensão da pobreza no mundo romano. Varia Historia, Belo Horizonte, n. 22, p. 81-87, jan. 2000.

FRANCO JÚNIOR, H. A dança dos deuses: futebol, sociedade e cultura. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

FRIEDLÄNDER, L. La sociedad romana: Historia de las costumbres en Roma, desde Augusto basta los Antoninos. México: Fundo de Cultura econômica, 1947.

GARRAFFONI, R. S. Arenas antigas e estádios modernos. Recorde: Revista de História do Esporte, v. 1, n. 1, p. 1-15, jun. 2008.

______. Panem et circenses: O século XIX e a construção de um conceito. In: ______. Gladiadores na Roma antiga: Dos combates às paixões cotidianas. São Paulo: Annablume: 2005. p. 68-91.

GUARINELLO, N. L. Violência como espetáculo: o pão, o sangue e o circo. História, São Paulo, v. 26, n. 1, p. 125-132, 2007.

GUTTMANN, A. From Ritual to Record: The Nature of Modern Sports. New York: Columbia University Press, 1978.

LENK, H. Pragmatische Vernunft: Philosophiezwuischen Wissenschaft und Praxis. Stuttgart: Reclam, 1979.

OMENA, L. M. A criação de uma tradição: a ociosidade da plebs romana. Cadernos de Pesquisa do CDHIS, v. 21, n. 38, p. 9-21, 1º sem. 2008.

______. Os ofícios: meios de sobrevivência dos setores subalternos da sociedade romana. Revista de História e Estudos Culturais, v. 4, n. 1, 2007.

RIBEIRO JÚNIOR, A. et al. O lado sujo do futebol: a trama de propinas, negociatas e traições que abalou o esporte mais popular do mundo. 1. ed. São Paulo: Planeta, 2014.

RIGAUER, B. Sport and Work. Translated with an introduction by Allen Guttmann. New York: Columbia University Press, 1981.

ROBERT, J.-N. Os prazeres em Roma. Tradução Marina Appenzeller. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

ROSTOVTZEFF, M. História de Roma. Tradução Waltensir Dutra. 5. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

VAZ, A. F. Técnica, Esporte, Rendimento. Movimento, Porto Alegre, v. 7, n. 14, p. 87-99, jul. 2001.

VEYNE, P. Pão e circo: sociologia histórica de um pluralismo político. São Paulo: Unesp, 2015.

VITORINO, M. V. C. Juvenal: o satírico indignado. Belo Horizonte: UFMG, 2003.




DOI: https://doi.org/10.26770/phoinix.v28n1a8

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Lourdes M. G. C. Feitosa, Daniel Roberto R. Granetto

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADA POR

 
 
 
 
 
  
 

INSTITUCIONAL

Laboratório de História Antiga - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Largo de São Francisco, nº 1, sala 211 A - Centro, Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20051070 | Tel: +55 (21) 22210341, ramal 205 | www.lhia.historia.ufrj.br - laboratoriodehistoriaantiga@gmail.com