ÍON DE EURÍPIDES: A EXULTAÇÃO DE ATENAS NO ESPAÇO ECFRÁSTICO DA FACHADA DO TEMPLO DE APOLO EM DELFOS

Márcia Cristina Lacerda Ribeiro

Resumo


Nosso objetivo é examinar uma passagem específica (versos 184-218) da tragédia Íon de Eurípides, representada em algum momento entre 413 e 411 a.C. nos palcos de Atenas. O excerto menciona, a partir de uma écfrase, parte do conjunto escultórico de uma das fachadas do templo de Apolo, em Delfos, cenário da peça. Ao mobilizar os elementos míticos presentes nessa fachada, Eurípides os vincula à própria identidade de Atenas. Pretendemos discutir a exultação de Atenas presente na écfrase e as implicações daí decorrentes, relacionando-a ao momento singular de sua história, após o desastroso conflito com os siracusanos, que redundou em incontáveis perdas humanas, em um quadro de guerra que se arrastava havia mais de vinte anos.


Palavras-chave


Atenas; espaço; écfrase; identidade; Eurípides.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26770/phoinix.v27n1a2

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Márcia Cristina Lacerda Ribeiro

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADA POR

 
 
 
 
 
 

INSTITUCIONAL

Laboratório de História Antiga - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Largo de São Francisco, nº 1, sala 211 A - Centro, Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20051070 | Tel: +55 (21) 22210341, ramal 205 | www.lhia.historia.ufrj.br - laboratoriodehistoriaantiga@gmail.com