REVISÃO DE LISÍSTRATA NA CONTEMPORANEIDADE: POSSIBILIDADES E LIMITES DA CRÍTICA

Janne Kelly de Oliveira

Resumo


Este ensaio discute a importância de se revisar as leituras dos textos da antiguidade, a partir de ganhos teóricos da atualidade. A autora parte da análise do espaço cênico de Lisístrata de Aristófanes para demonstrar que a greve de sexo tem uma função conservadora em tal comédia, mas que as abordagens teóricas modernas, principalmente os estudos críticos que observam os grupos subalternos como constituintes da história, permitem observar que os papéis sociais das mulheres na antiguidade são maiores e mais importantes do que se quer fazer pensar. A partir disso, observa-se que as recepções fílmicas A fonte das mulheres e Chi-raq exploram elementos que já aparecem em Lisístrata, expandem a discussão para o contexto moderno e, ao mesmo tempo, lançam luz ao texto do passado.

Palavras-chave


Lisístrata; A fonte das mulheres; Chi-Raq; recepção dos clássicos; adaptação.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.26770/phoinix.v28n1a4

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Janne Kelly de Oliveira

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADA POR

 
 
 
 
 
  
 

INSTITUCIONAL

Laboratório de História Antiga - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Largo de São Francisco, nº 1, sala 211 A - Centro, Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20051070 | Tel: +55 (21) 22210341, ramal 205 | www.lhia.historia.ufrj.br - laboratoriodehistoriaantiga@gmail.com