RITUAL E SÍMBOLO

A MÁSCARA NA GRÉCIA ANTIGA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26770/phoinix.v29n2a1

Palavras-chave:

Arqueologia Grega, Máscaras, Literatura Grega, Identidade, Alteridade.

Resumo

Porque, no recente contexto pandémico da Covid-19, as máscaras assumiram incomparável protagonismo, entendemos oportuno reabilitar o eco expressivo dessa enigmática realidade humana, propondo um olhar retrospectivo para a história das palavras, dos conceitos a elas associados, e dos objetos por elas referenciados. Reconhecendo à Grécia o estatuto de incontestável precursora em todas as mediações culturais do pensamento europeu, procuramos apresentar, a partir desse ponto de referência, a peculiar história das máscaras, enquanto fenómeno de criação cultural e expressão religiosa: pela explicitação dos mais antigos achados arqueológicos
ágrafos, e pelo revisitar do excepcional testemunho simbólico da Literatura Grega, em particular da Poesia Homérica, podemos na verdade surpreender em germe, no seu dúplice dinamismo de reconhecimento da identidade e da alteridade, as mais antigas representações da condição humana, e da peculiar relação do homem com os deuses, com o cosmos e consigo mesmo.

Métricas

Carregando Métricas ...

Referências

Documentação escrita

EURIPIDES. Bacchae. In: The Bacchae by Euripides. Ed. Geoffrey Stephen Kirk. Cambridge: Englewood Cliffs, N.J., Prentice-Hall, 1970.

HOMER. Iliad. In: The Iliad: a commentary. Ed. Geoffrey Stephen K irk. Cambridge: Cambridge University Press, 1985-1993. 6 v.

OMERO. Odissea. Ed. Alfred Heubeck, Stephanie West. Milano: Arnoldo Mondadori Editore, 1981-1986. 6. v.

Referências bibliográficas

BONNARD, André. A civilização grega. Lisboa: Edições Setenta, 1984.

BURKERT, Walter. Religião grega na Época Clássica e Arcaica. Lisboa: FCG, 1993.

CHANTRAINE, Pierre. Dictionnaire étymologique de la langue grecque,Histoire des Mots. Paris: Éd. Klincksieck, 1968.

DICKINSON, Oliver T. P. K.; PAPAZOGLOU-MANIOUDAKI, Lena. Mycenae Revisited Part 4: Assessing the New Data. The Annual of the British

School at Athens, Atenas, v. 107, p. 161-188, 2012.

DODDS, Eric Robertson. The God of Ecstasy: Sex-Roles and the Madness of Dionysos. Manhattan: St. Martin’s Press, 1988.

______. The Greeks and the irrational. Berkeley-Los Angeles, 1984.

FRONTISI-DUCROUX, Françoise. Du masque au visage: aspects de l’identité en Grèce Ancienne. Paris: Flammarion, 1995.

MUSGRAVE, Jonathan H. et al. Seven Faces from Grave Circle B at Mycenae, The Annual of the British School at Athens, v. 90, p. 107-136, 1995.

VERNANT, Jean-Pierre. Figuras, Ídolos, Máscaras. Lisboa: Teorema, 1993.

WILES, David. Mask and performance in Greek tragedy. Cambridge: Cambridge University Press, 2007.

______. The masks of Menander: sign and meaning in Greek & Roman performance. Cambridge: Cambridge University Press, 2004.

______. Tragedy in Athens: performance space and theatrical meaning. Cambridge: Cambridge University Press, 1997.

WINKLER, John J.; ZEITLIN, Froma I. Nothing to do with Dionysos? Athenian drama in its social context. Princeton: Princeton University Press,

Downloads

Publicado

2023-11-27

Como Citar

PINTO, Ana Paula. RITUAL E SÍMBOLO: A MÁSCARA NA GRÉCIA ANTIGA. PHOÎNIX, [S. l.], v. 29, n. 2, p. 19–44, 2023. DOI: 10.26770/phoinix.v29n2a1. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/phoinix/article/view/61984. Acesso em: 26 fev. 2024.