A Experiência de Consumidores com Baixo Letramento em Redes Sociais e Comunicadores Instantâneos: um Estudo Exploratório

Lorenna Silva Eunapio da Conceição, Luís Alexandre Grubits de Paula Pessôa

Resumo


Dados do Ibope e do Indicador de Analfabetismo Funcional (Inaf) de 2012 revelam que, no Brasil, existem aproximadamente 14 milhões de analfabetos absolutos e um pouco mais de 35 milhões de analfabetos funcionais. Segundo estatísticas, o Brasil é o terceiro país do mundo em tempo gasto na internet, sendo mais da metade em mídias sociais. Nesse contexto, as atividades diárias se direcionam a comunicações baseadas em texto, e a falta de capacidade de leitura e escrita torna-se obstáculo ainda mais significativo para os adultos que apresentam nenhum ou baixos níveis de letramento. Grande parte da literatura de marketing está focada em consumidores alfabetizados, deixando lacunas acerca de como analfabetos absolutos ou funcionais se comunicam nesse contexto mercadológico. Dessa forma, esta pesquisa procurou responder à seguinte indagação: como se configura a experiência de uso e consumo das redes sociais e comunicadores instantâneos por indivíduos com baixo letramento? Para tal, realizou-se um estudo qualitativo exploratório, baseado em entrevistas com 22 adultos com Ensino Fundamental incompleto. Por meio dos resultados obtidos, foi possível perceber a estigmatização sofrida por esses indivíduos devido às suas limitações, assim como as estratégias de combate adotadas por eles, como a preferência por postagem de fotos e mensagens de voz. Pode-se sugerir que as novas formas de comunicação instantânea promovem certa liberdade para se cometer erros de gramática ou de pontuação que, muitas vezes, são atribuídos ao corretor automático dos dispositivos móveis. Outra evidência do baixo letramento é a preguiça de ler e escrever nas redes e nos comunicadores; o que os usuários chamam de “textos grandes” são, na verdade, considerados curtos segundo estudiosos de analfabetismo funcional no Brasil. 


Palavras-chave


Analfabetismo Funcional; Baixo Letramento; Consumidores em Desvantagem; Vulnerabilidade do Consumidor; Redes Sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


ADKINS, N.R.; OZANNE, J.L. Critical Consumer Education: Empowering the Low-literate Consumer. Journal of Macromarketing, v.25, n.2, p.153-162, 2005.

ANDREASEN, A.R. The Disadvantaged Consumer. New York: Free Press, 1975.

ANDREASEN, A.R. Revisiting the Disadvantaged: Old Lessons and New Problems. Journal of Public Policy & Marketing, v.12, n.2, p. 270-275, 1993.

BAKER, M.B.; GENTRY, J.W.; RITTENBURG, T.L. Building Understanding of the Domain of Consumer Vulnerability. Journal of Macromarketing, v. 25, n. 2, p. 128-139, 2005.

BALL, C.E. Show, not tell: The value of new media scholarship. Computers and Composition Journal, v. 21, p.403 -- 425, 2004.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2011.

BIOCCA, F.; HARMS, C.; BURGOON, J. Towards a more robust theory and measure of social presence: Review and suggested criteria. Journal Presence: Teleoperators and virtual environments, v. 12, p.456 -- 480, 2003.

COBB, F.D.H. "I Wanna Text, Too!" Examining How Low-literate Adults Use New Communication Technologies and Applications. Tese (Doutorado em Comunicação)-North Carolina State University, North Carolina, 2013.

DEGENER, S.C. Making sense of critical pedagogy in adult literacy education. Annual review of adult learning and literacy, v. 2, p.26-62, 2001.

EBERLE, A.; ROBINSON, S. The adult illiterate speaks out: Personal perspectives on learning to read and write. National Institute for Community Development. Washington, D.C., 1980.

FARIA, M. D.; MOTTA, P.C.M. Pessoas com Deficiência Visual: barreiras para o lazer turístico. Revista Turismo em Análise, v. 23, p. 691-717, 2012.

GARRET, D. E.; TOUMANOFF, P. G. Are Consumers Disadvantaged or Vulnerable? An Examination of Consumer Complaints to the Better Business Bureau. The Journal of Consumer Affairs, v. 44, n. 1, 2010.

GAU, R.; VISWANATHAN, M. The Retail Shopping Experience for Low Literate Consumers. Journal of Research for Consumers, v. 15, 2008.

HARRISON-WALKER, L.J. The Import of Illiteracy to Marketing Communication. Journal of Consumer Marketing, Vol. 12 Iss 1 p.50 - 62, 1995.

IBOPE. Disponível em: . Acesso em outubro de 2015.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Acesso à Internet e à Televisão e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal - 2013. Rio de Janeiro, 2015.

Indicador de Analfabetismo Funcional. INAF Brasil 2001 - Principais Resultados. Ação Educativa, Instituto Paulo Montenegro, IBOPE Inteligência, 2001.

_____. INAF Brasil 2011 - Principais Resultados. Ação Educativa, Instituto Paulo Montenegro, IBOPE Inteligência, 2011.

JORENTE, M.J.V. Impacto das tecnologias de informação e comunicação: cultura digital e mudanças sócio-culturais. Informação & Sociedade: Estudos, Vol. 22, No. 1, Janeiro -- Abril 2012, 13-25.

KELLING, K.; MACAULAY, L.A.; McGOLDRICK, P.: DiTV and e-commerce among disadvantaged community groups. Behaviour & Information Technology, Vol. 26, No. 6, November -- December 2007, 545 -- 560.

MIRANDA, S.M.; YOUNG, A.; YETGIN, E. Are social media emancipatory or hegemonic? Societal effects of mass media digitization in the case of the SOPA discourse. MIS Quarterly, Vol. 40, n.2. Junho 2016.

NORRIS, D.T.; CONCEIÇÃO, S. Narrowing the digital divide in low-income, urban communities. New Directions for Adult and Continuing Education. n. 101, p.69-81, 2004.

RIBEIRO, V.M. O Indicador de Analfabetismo Funcional. Instituto Paulo Montenegro, 2003. Disponível em: Acesso em: Outubro de 2015.

_____. Letramento no Brasil. São Paulo: Global, 2004.

_____. Analfabetismo e Analfabetismo Funcional do Brasil. Instituto Paulo Montenegro, 2006.Disponível em: Acesso em: Outubro de 2015.

VIEIRA, M.M.F. “Por uma boa pesquisa qualitativa.” In: VIEIRA, M.M.F.; ZOUAIN, D. M. (Orgs.) Pesquisa qualitativa em Administração. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006, p.13-28.

VISWANATHAN, M.; ROSA, J.A.; HARRIS, J.E. Decision Making and Coping of Funcionally Illiterate Consumers and Some Implications for Marketing Management. Journal of Marketing, V.69, p.15-31, 2005.

UNESCO. Education for All Global Monitoring Report 2006. Literacy for Life. Paris, 2005.

We Are Social. Disponível em: . Acesso em: agosto de 2015.




DOI: https://doi.org/10.21446/scg_ufrj.v13i3.13521

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Sociedade, Contabilidade e Gestão

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

Indexadores: 

Directory of Open Access Journals SPELL Scholar EBSCO

 
-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Vínculo Institucional:

Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis 
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) 
Av. Pasteur, 250 - Urca - Rio de Janeiro - 22.290-240 
Tel./Fax: (21) 3938-5119

Ficha Catalográfica:

Sociedade, Contabilidade e Gestão [recurso eletrônico]/ Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Federal do Rio de Janeiro. -- v. 1, n. 1, 2° semestre de 2006 -- Rio de Janeiro: UFRJ, 2006-.v. 
Quadrimestral 
Semestral 2006-2012
ISSN 1982-7342

1. Contabilidade e Gestão. I. Universidade Federal do Rio de Janeiro -- Faculdade de Administração e Ciências Contábeis.