Contra os Gramáticos, de Sexto Empírico: tradução anotada, quinta e última parte (M 1. 270-320)

Joseane Prezotto

Resumo


Tradução anotada da parte final (M 1. 270-320) do tratado Contra os Gramáticos, escrito pelo filósofo cético pirrônico Sexto Empírico (prov. séc. II a.C.). Na passagem traduzida, Sexto, depois de tratar da parte técnica (M 1. 169-247) e da parte dita histórica (M 1. 247-269), aborda a parte da gramática que trata de poetas e escritores. A exposição faz uso tanto de argumentos de influência epicurista, aqueles que afirmam a inutilidade e nocividade da gramática e da poesia, quanto de argumentos céticos, os que demonstram a incoerência e insubsistência do empreendimento gramatical. As notas à tradução buscam sublinhar e ampliar questões importantes, justificar escolhas tradutórias e traçar paralelos entre a passagem e outras obras do autor ou do período.


Palavras-chave


Sexto Empírico; filosofia helenística; ceticismo; epicurismo; gramática; poesia.

Texto completo:

PDF

Referências


BEKKER, I. (Ed.) Sextus Empiricus, 1842.

BLANK, D. (Trad.) Sextus Empiricus: Against the Grammarians (Adversus Mathematicos I). With an introduction and commentary. Oxford: Clarendon Press, 1998.

BLOMQVIST, J. Textkritisches zu Sextus Empiricus. In: Eranos, n. 66, p. 73-100, 1968.

BETT, R. (Trad.) Against those in the disciplines, Oxford: OUP, 2018.

BURY, R. G. (Ed. e Trad.) Sextus Empiricus. 4 vol. (Loeb). Cambridge: Harvard University Press, 1939-1949.

BRITO, R.; HUGUENIN, R. (Trads.) Sexto Empírico: Contra os Retóricos. São Paulo: Editora Unesp, 2013.

______. (Trads.) Sexto Empírico: Contra os Gramáticos. São Paulo: Editora Unesp, 2015.

DALIMIER, C. (Trad.) Contre les grammairiens. In: PELLEGRIN, Pierre, et al. Sextus Empiricus: Contre les professeurs. Paris: Éditions du Seuil, 2002, p. 67-245.

DENYER, N. Time and modality in Diodorus Cronus. In: Theoria, v. 47, n. 1, p. 31-53, 1981.

FREDE, M. Die Stoische Logik. Göttingen: Vandenhoeck e Ruprecht, 1974.

GIUSTA, M. Review of Mau. In: Rivista di Filologia e d’Istruzione Classica, n. 40, p. 425-432, 1962.

KNEALE, M.; KNEALE, W. The Development of Logic. Oxford: OUP, 1962.

MANETTI, G. Theories of the Sign in Classical Antiquity. Indiana: IUP, 1993.

MAU, J.; MUTSCHMANN, H. (Eds.) Sexti Empirici opera. vol. 3, 2 edição, Leipzig: Teubner, 1961.

ROEDER, S. O Contra os Músicos de Sexto Empírico: Introdução, Tradução e Comentários. Dissertação (Mestrado em Filosofia). Universidade Federal do Paraná, 2013.

SEDLEY, D. Diodorus Cronus and Hellenistic Philosophy. In: Proceedings of the Cambridge Philological Society, 203 NS 23, Cambridge: CUP, p. 74–120, 1977.

______. Diodorus Cronus. In: Stanford Encyclopedia of Philosophy Online. < http://plato.stanford.edu/entries/diodorus-cronus/> Acesso em: 03/11/2018.

SORABJI, R. Necessity, Cause and Blame. Perspectives on Aristotle’s Theories. Chicago: UCP, 1980.

______. Time, Creation and Continuum. Theories in Antiquity and Early Middle Ages. Chicago: UCP, 1983.




DOI: https://doi.org/10.25187/codex.v7i1.22730

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Joseane Prezotto

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.