Os prolegômenos do mundo: um estudo sobre a organização dos elementos primordiais nas "Metamorfoses" de Ovídio

Paulo Eduardo de Barros Veiga

Resumo


Inserido no contexto da cosmogonia, narrada poeticamente por Ovídio (43 a.C. – 17 d.C.) no início de suas Metamorfoses, este estudo volta-se, mais especificamente, ao processo de organização e composição dos elementos primordiais que enformam o mundo, após o Caos, a origem de tudo. O recorte em análise consiste nos hexâmetros de número 21 a 75 do Livro I, que sucedem a descrição do Caos e antecedem a antropogonia. No excerto, privilegiam-se os minerais, a flora e a fauna, com destaque aos quatro elementos primordiais: o fogo, o ar, a terra e a água. Com essa distinção, o mundo vai se enformando a partir de uma “receita da vida”, passo a passo. Entre o Caos e o Cosmo, procura-se traçar o sistema de criação do mundo, levantando recursos inventivos da linguagem que compõem os hexâmetros ovidianos, haja vista a ordenação textual. Portanto, entre a ordem do mundo e a dos versos, consideram-se a imagética e os efeitos de sentido suscitados. Ademais, o estudo apresenta uma tradução que apoia a análise literária.

 

 


Palavras-chave


Ovídio; Metamorfoses; cosmogonia; expressividade poética; tradução

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, William S. Edition, Introduction and Commentary. In: OVID. Ovid’s Metamorphoses. Books 1-5. Oklahoma: University of Oklahoma Press, 1998.

BIGNONE, Ettore. Empedocle. Studio critico traduzione e commento delle testimonianze e dei frammenti. Roma: Bretschneider, 1963.

CHCHEGLÓV, I. K. Algumas características da estrutura de As Metamorfoses de Ovídio. In: SCHNAIDERMAN, Bóris (Org.). Semiótica russa. Trad. Aurora F. Bernardini et al. São Paulo: Perspectiva, 2010, p. 139-157.

COMMELIN, P. Mitologia grega e romana. Trad. Thomaz Lopes. Rio de Janeiro: Ediouro, [19--].

CONCHE, Marcel. Texte Grec, traduction, présentation et commentaire. In: PARMÉNIDE. Le poème: Fragments. Paris: Presses Universitaires de France, 1999.

COSTA, Alexandre da Silva. Heráclito: fragmentos contextualizados. Rio de Janeiro: Difel, 2002.

GRAVES, R. The Greek myths. London: Folio Society, 2000.

GREIMAS, Algirdas Julien; COURTÉS, Joseph. Dicionário de Semiótica. Trad. Alceu Dias Lima et alii. São Paulo: Cultrix, 2008.

HEIDEGGER, Martin. Gesamtausgabe. I. Abteilung: Veröffentlichte Schriften 1914-1970. Band 5: Der Ursprung des Kunstwerkes (1933/36). Frankfurt: Klostermann, 1977.

HEIDEGGER, Martin. Gesamtausgabe. II. Abteilung: Vorlesungen 1923 - 1944. Band 55: Heraklit (1943/44). Frankfurt: Klostermann, 1979.

HEIDEGGER, Martin. Gesamtausgabe. II. Abteilung: Vorlesungen 1923 - 1944. Band 54: Parmenides (1942/43). Frankfurt: Klostermann, 1992.

HESÍODO. Teogonia. A origem dos deuses. Estudo e tradução Jaa Torrano. São Paulo: Iluminuras, 1995.

HOMÈRE. L’Odyssée. Poésie Homérique. Texte établi et traduit par Victor Bérard. Paris: Les Belles Lettres, 1924.

LUCRÈCE. De la nature. Texte établi et traduit par Alfred Ernout. Paris: Les Belles Lettres, 1985.

MASCARENHAS, Sérgio. Novos olhares de Janus. Ribeirão Preto, SP: Funpec, 2018.

NASA [National Aeronautics and Space Administration]. Moon Phase and Libration [on-line]. 23 nov. 2020. Disponível em: https://svs.gsfc.nasa.gov/Gallery/moonphase.html. Acesso em: 21 abr. 2021.

ORTELIUS, Abraham. Parergon, sive Veteris Geographiae aliquot Tabulae. Antverpia: Plantin, 1595. Disponível em: https://www.rare-atlases.com/atlases/16th-century-atlases/1595-ancient-atlas-parergon-by-abraham-ortelius. Acesso em: 21 abr. 2021.

OVIDE. Les Métamorphoses. Tome I (I-V). Text établi et traduit par Georges Lafaye. Paris: Les Belles Lettres, 1966.

OVÍDIO. Metamorfoses. Tradução de Bocage; introdução de João Angelo Oliva Neto. São Paulo: Hedra, 2000.

NUTTON, Vivian. A medicina antiga. Trad. Marisa Motta; revisão técnica de Manoel Barros da Motta. Rio de Janeiro: Ed. Forense Universitária, 2017.

PRADO, J. B. T. Canto e encanto, o charme da poesia latina: contribuição para uma poética da expressividade em língua latina. Tese (Doutorado em Letras). São Paulo, Universidade de São Paulo, 1997.

ROBERT, Danièle. Traduction du latin, présentation et annotation. In: OVIDE. Les Métamorphoses. Arles: “Thesaurus” Actes Sud: 2001.

SARAIVA, F. R. dos S. Novíssimo dicionário latino-português. 11a. ed. (fac-similar). Belo Horizonte, Rio de Janeiro: Garnier, 2000.

SILVA, Agostinho da. Tradução e Notas. In: LUCRÉCIO et al. Antologia de textos [Epicuro, Lucrécio, Cícero, Sêneca, Marco Aurélio]. São Paulo: Abril Cultural, 1973 (Os pensadores).

VEIGA, Paulo Eduardo de Barros. A cosmogonia nas Metamorfoses de Ovídio: um estudo sobre as figuras da origem do mundo, com tradução e notas. Tese (Doutorado em Estudos Literários). Araraquara, Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara, Universidade Estadual Paulista, 2017.

VEIGA, Paulo Eduardo de Barros. A origem do mundo: um estudo sobre o episódio cosmogônico das Metamorfoses de Ovídio. Codex – Revista de Estudos Clássicos. Rio de Janeiro, vol. 8, n. 1, p. 27-42, 2020.

VERNANT, J.-P. O universo, os deuses, os homens. Trad. Rosa Freire d’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.




DOI: https://doi.org/10.25187/codex.v9i2.43511

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Paulo Eduardo de Barros Veiga

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.