“Convolvens stamina fuso”: a tessitura dos fios da vida na "Apocolocyntosis" de Sêneca

Pedro Falleiros Heise, Luiz Henrique Milani Queriquelli, Miguel Ângelo Andriolo Mangini

Resumo


Sêneca é geralmente lembrado por sua obra filosófica e trágica. No entanto, paralelamente ao rigor estoico que regia aqueles textos, o escritor latino compôs uma sátira menipeia que ficou conhecida como Apocolocyntosis, cujo tema é a apoteose fracassada do recém-falecido imperador Cláudio. No decorrer deste artigo, procuramos explorar as origens e o significado do título da obra, a imitação do poeta satírico Lucílio presente nela, os aspectos que fazem desse texto uma sátira menipeia e o uso das citações por Sêneca, todos elementos que parecem compor o retrato da mobile caput (“cabeça instável”) (VII, 2) que foi o imperador Cláudio. Estudamos, por fim, o poema hexamétrico proferido por Apolo, no qual encontramos uma possível metáfora para a tessitura dos fios da vida de Nero, o sucessor de Cláudio, através de termos que se repetem em posições estratégicas de uma maneira tal que mimetizam a tessitura dos fios da vida feita pelas Parcas.

 

Palavras-chave


Sêneca; Apocolocyntosis; sátira menipeia; mimetização

Texto completo:

PDF

Referências


ADAMS, G. W. The Roman Emperor Gaius “Caligula” and His Hellenistic Aspirations. Irvine: Universal Publishers, 2007.

CARDOSO, Z. de A. Introdução. In: SÊNECA. Tragédias. A loucura de Hércules; As troianas; As fenícias. Trad. Zélia de Almeida Cardoso. São Paulo: Martins Fontes, 2014, p. VII-XIX.

CONNORS, C. M. Petronius the poet. Cambridge: Cambridge University Press, 1998.

EDEN, P. T. (Org.). Seneca: Apocolocyntosis. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

FREUDENBURG, K. Introduction: Roman satire. In: FREUDENBURG, K. (Org.). The Cambridge companion to Roman satire. Cambridge: Cambridge University Press, 2005, p. 1-30.

FREUDENBURG, K. Seneca’s Apocolocyntosis: censors in the afterworld. In: BARTSCH, S.; SCHIESARO, A. (Org.). The Cambridge companion to Seneca. Nova York: Cambridge University Press, 2015, p. 93-105.

HELLER, J. L. The meaning of κολοκύντη. Illinois Classical Studies, Illinois, v. 10, n. 1, 1985, p. 67-117.

KORZENIEWSKI, D. Senecas Kunst der dramatischen Komposition in seiner Apocolocyntosis. Mnemosyne, v. 35, 1982, p. 103-114.

LEONI, G. D. Introdução. In: SÊNECA. Medéia. Obras de Sêneca. Trad. Giulio Davide Leoni. Rio de Janeiro: Ediouro, [19--].

MANS, M. J. The macabre in Seneca’s tragedies. Acta Classica, v. 27, 1984, p. 101-119.

O’GORMAN, E. Citation and authority in Seneca’s Apocolocyntosis. In: FREUDENBURG, K. (Org.). The Cambridge companion to Roman satire. Cambridge: Cambridge University Press, 2005, p. 95-108.

OXFORD Latin Dictionary. Oxford: Oxford University Press, 1968.

ORAZIO. Tutte le opere. Ed. Marco Beck. Milão: Mondadori, 2007.

REGO, E. de S. Sêneca e a Apocolocintose. In: REGO, E. de S. O Calundu e a Panacéia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1989, p. 37-42.

RONCALI, R. Introduzione. In: SENECA. L’apoteosi negata [Apokolokyntosis]. Veneza: Marsilio, 1990, p. 16 e ss.

SENECA. La Clemenza – Apocolocyntosis – Epigrammi – Frammenti. A cura di Luciano De Biasi, Anna Maria Ferrero, Ermanno Malaspina e Dionigi Vottero. Turim: UTET, 2009.

TOVAR, R. C. Teoría de la sátira. Cáceres: Universidad de Extremadura, 1986.




DOI: https://doi.org/10.25187/codex.v9i2.43597

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Pedro Falleiros Heise, Luiz Henrique Milani Queriquelli, Miguel Ângelo Andriolo Mangini

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.